Fechar
Publicidade

Sábado, 18 de Janeiro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Cultura & Lazer

cultura@dgabc.com.br | 4435-8364

Depois da tensão de 'Guerra Infinita', a leveza excessiva



02/07/2018 | 07:10


Aquele estalar de dedos. Aquelas cinzas. As últimas palavras exibidas na telona: "Thanos voltará". A desolação ao final de Os Vingadores: Guerra Infinita, filme lançado em abril deste ano, é daquelas que ficam na cabeça - e, caso não estejam porque o leitor não assistiu ao mais recente filme do Marvel Studios, é bom parar o texto por aqui, já que os spoilers estarão por todos os lados.

Depois de um final de filme de fazer o público engolir seco e entregar o melhor vilão da Marvel nos cinemas, o estúdio decidiu pela leveza. Assim, surge Homem-Formiga e a Vespa, um filme importante dentro do universo cinematográfico e de Hollywood, por dar o protagonismo devido à uma personagem tão crucial quanto a Vespa, vivida por Evangeline Lilly. Mas o longa de Peyton Reed parece voltar algumas casas na evolução apresentada no filme anterior. Voltamos à ênfase nos momentos cômicos - e Paul Rudd, o Homem-Formiga, é mestre no seu timing - e, novamente, peca ao entregar um antagonista capaz de criar qualquer sentimento de empatia. Na falta de um, são dois (talvez até três) e todos serão esquecidos no próximo verão.

Homem-Formiga e a Vespa tinha, sim, a responsabilidade enorme nos ombros de dar continuidade à trama de Vingadores. O foco é outro, contudo: explicar onde estava o herói com habilidade de encolher e se tornar gigante durante a batalha contra o titã Thanos. É claro, há uma conexão entre os filmes, mas a história do Formigão gira em torno de outro eixo.

Leveza, a Marvel sabe bem, é bem-vinda e os sorrisos, ótimos de se conquistar. A culpa é de Guerra Infinita, que mostrou como o estúdio pode mais. Parece, no fim das contas, que Homem-Formiga e a Vespa é um filme fora do seu tempo. Deveria ter saído uns seis meses atrás, antes de Thanos chegar na Terra, reunir as Joias do Infinito e mudar a história da Marvel nos cinemas - e elevar o nível de exigência com um filme de super-heróis.

As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Depois da tensão de 'Guerra Infinita', a leveza excessiva


02/07/2018 | 07:10


Aquele estalar de dedos. Aquelas cinzas. As últimas palavras exibidas na telona: "Thanos voltará". A desolação ao final de Os Vingadores: Guerra Infinita, filme lançado em abril deste ano, é daquelas que ficam na cabeça - e, caso não estejam porque o leitor não assistiu ao mais recente filme do Marvel Studios, é bom parar o texto por aqui, já que os spoilers estarão por todos os lados.

Depois de um final de filme de fazer o público engolir seco e entregar o melhor vilão da Marvel nos cinemas, o estúdio decidiu pela leveza. Assim, surge Homem-Formiga e a Vespa, um filme importante dentro do universo cinematográfico e de Hollywood, por dar o protagonismo devido à uma personagem tão crucial quanto a Vespa, vivida por Evangeline Lilly. Mas o longa de Peyton Reed parece voltar algumas casas na evolução apresentada no filme anterior. Voltamos à ênfase nos momentos cômicos - e Paul Rudd, o Homem-Formiga, é mestre no seu timing - e, novamente, peca ao entregar um antagonista capaz de criar qualquer sentimento de empatia. Na falta de um, são dois (talvez até três) e todos serão esquecidos no próximo verão.

Homem-Formiga e a Vespa tinha, sim, a responsabilidade enorme nos ombros de dar continuidade à trama de Vingadores. O foco é outro, contudo: explicar onde estava o herói com habilidade de encolher e se tornar gigante durante a batalha contra o titã Thanos. É claro, há uma conexão entre os filmes, mas a história do Formigão gira em torno de outro eixo.

Leveza, a Marvel sabe bem, é bem-vinda e os sorrisos, ótimos de se conquistar. A culpa é de Guerra Infinita, que mostrou como o estúdio pode mais. Parece, no fim das contas, que Homem-Formiga e a Vespa é um filme fora do seu tempo. Deveria ter saído uns seis meses atrás, antes de Thanos chegar na Terra, reunir as Joias do Infinito e mudar a história da Marvel nos cinemas - e elevar o nível de exigência com um filme de super-heróis.

As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;