Fechar
Publicidade

Domingo, 29 de Março

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Setecidades

setecidades@dgabc.com.br | 4435-8319

Região tem ao menos 4.742 pessoas à espera de cirurgia eletiva

Divulgação Diário do Grande ABC - Notícias e informações do Grande ABC: Santo André, São Bernardo, São Caetano, Diadema, Mauá, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra

Pacientes aguardam por até cinco anos por
procedimentos não urgentes na rede pública


Natália Fernandjes
do Diário do Grande ABC

23/07/2017 | 07:20


Desde que recebeu o encaminhamento médico para a realização de cirurgia de retirada de hérnia na região do abdome, em outubro de 2015, a dona de casa Maria José Alves Ramos, 66 anos, aguarda o agendamento do procedimento pela Prefeitura de Santo André. A andreense é um dos 4.742 moradores da região que estão em fila de espera, que chega a durar até cinco anos, por uma intervenção eletiva (sem urgência), seja nas redes estadual ou municipal de Saúde pública.

Maria José revela que chegou até a fazer parte dos exames preparatórios para a realização do procedimento cirúrgico e, inclusive, passou por consulta com o anestesista. No entanto, ainda segue na angústia de se livrar das fortes dores abdominais causadas por hérnias incisional e umbilical. “A gente fica sem saber quando vai ser chamado. Não consegue nem se programar”, destaca a moradora da Vila Humaitá.

O município andreense é o que detém maior fila por cirurgias não urgentes: são 1.862 pessoas em espera média de seis meses, conforme a secretária de Saúde da cidade, Ana Paula Peña Dias. A meta é a de que o cenário, que já foi pior – em janeiro havia 2.400 pacientes aguardando por nove meses em média –, alcance índice considerado aceitável, de até três meses, até o fim do ano. A situação é resultado de paralisação dos procedimentos entre outubro do ano passado até janeiro no CHM (Centro Hospitalar Municipal) em razão de problemas com o orçamento e com a demanda alta pelos procedimentos de urgência. “Uma das nossas primeiras ações foi reabrir o Hospital Dia em fevereiro e retomar os procedimentos no CHM (contabilizando 539 intervenções até agora)”, destaca.

Ribeirão Pires informou que realiza, no momento, mutirão de triagem dos casos na rede municipal. A cidade contabiliza 1.425 pacientes em espera, sendo 1.200 para cirurgia vascular e 180 para cirurgia plástica desde 2015, além de 45 pessoas para procedimentos gerais desde o ano passado.

Em Mauá, a espera pelas intervenções, realizadas no Hospital Nardini, é de 416 indivíduos, sendo 186 para cirurgia geral, 99 para procedimentos ginecológicos, 130 para vasculares e uma de urologia.

O secretário de Saúde de São Bernardo, Geraldo Reple Sobrinho, diz que a cidade realiza atualização da fila pelas cirurgias eletivas atualmente. A expectativa é a de que os números sejam consolidados apenas na segunda quinzena de agosto.

No âmbito estadual são 1.039 pacientes aguardando vaga para procedimentos dos mais diversos tipos no Hospital Mário Covas, em Santo André, sendo que 49 pessoas estão na lista desde 2012, outras 117 aguardam desde 2013 e 195 desde 2014. O governo estadual informou que a demanda por cirurgias eletivas é consequência do subfinanciamento federal da Saúde.

Justiça determina que São Bernardo elimine demanda reprimida

Termina no dia 27 de agosto o prazo dado pela Justiça para que São Bernardo elimine toda a demanda reprimida por consultas, exames e cirurgias na rede pública de Saúde. A sentença, proferida pela juíza Ida Inês Del Cid em 13 de julho, integra ação civil pública ajuizada pelo Ministério Público em abril do ano passado.

À época em que foi deferida liminar a pedido do promotor de Saúde Pública Marcelo Sciorilli, pelo menos 26.029 pacientes do município aguardavam em fila de espera por consultas, exames e cirurgias, sendo 7.101 por procedimentos vasculares e 2.525 por neurocirurgias.

Conforme o secretário de Saúde da cidade, Geraldo Reple Sobrinho, são realizados, em média 1.500 procedimentos por mês nos equipamentos municipais. “Até o fim do mês vamos conseguir zerar as filas de consultas e de exames (com 70 mil pacientes em janeiro) por meio do programa Saúde Prioridade e em agosto vamos lançar o Saúde Prioridade Cirurgia”, promete. 



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.


Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;