Fechar
Publicidade

Sexta-Feira, 3 de Julho

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Economia

soraiapedrozo@dgabc.com.br | 4435-8057

UE pede a Kirchner solução para quebra de patentes


Da AFP

14/07/2003 | 15:47


A Comissão Européia pedirá nesta terça-feira ao presidente argentino, Néstor Kirchner, e a seus ministros de Relações Exteriores e Economia uma solução para os problemas enfrentados pelas empresas européias na Argentina, relacionados às tarifas de serviços e aéreas e à quebra de patentes de medicamentos.

Kirchner viaja pela primeira vez a Bruxelas e, durante a viagem se reunirá com o presidente da UE, Romano Prodi, e vários comissários europeus, junto com os ministros Roberto Lavagna e Rafael Bielsa.

O comissário de Comércio, Pascal Lamy, debaterá com o novo presidente argentino e seu chanceler "como melhorar a situação dos serviços europeus", já que o decreto de dezembro em que foi decidido o aumento das tarifas de serviços foi anulado pela justiça argentina.

As tarifas de vários serviços públicos caíram devido à desvalorização da moeda em janeiro de 2002, com a pesificação (conversão a pesos de uma economia virtualmente dolarizada) e seu congelamento.

O Fundo Monetário Internacional (FMI) exige o aumento destas tarifas para chegar a um novo acordo de reprogramação da dívida com a Argentina.

Além disso, a Comissão Européia estima que "este aumento não foi suficiente". Lamy também pedirá aos dirigentes argentinos uma solução para as altas tarifas nos aeroportos do país "cobradas a nossas companhias aéreas que operam na Argentina". Várias empresas européias, entre elas a espanhola Telefónica, as francesas de energia e águas EDF e Suez, a energética italiana Camuzzi e a americana Enron entraram com queixas no Banco Mundial.

Os europeus também transmitirão a Kirchner sua preocupação com a questão das próprias patentes, usadas na Argentina sem autorização para a fabricação de medicamentos, pelo que solicitarão uma vigilância maior em relação ao assunto.

Kirchner, que viaja a Bruxelas procedente de Londres, responde a um convite de Romano Prodi, para falar sobre a situação da Argentina e do Mercosul.

O presidente argentino exporá suas propostas para seu mandato, entre elas a criação do programa 'Fome mais urgente', e sua vontade de relançar o Mercosul junto com o colega brasileiro, Luiz Inácio Lula da Silva, e dar continuidade às negociações com a União Européia (UE) para um acordo de associação que inclua o livre comércio.

Prodi expressará o apoio da Comissão Européia ao novo governo e a seu programa de reformas.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

UE pede a Kirchner solução para quebra de patentes

Da AFP

14/07/2003 | 15:47


A Comissão Européia pedirá nesta terça-feira ao presidente argentino, Néstor Kirchner, e a seus ministros de Relações Exteriores e Economia uma solução para os problemas enfrentados pelas empresas européias na Argentina, relacionados às tarifas de serviços e aéreas e à quebra de patentes de medicamentos.

Kirchner viaja pela primeira vez a Bruxelas e, durante a viagem se reunirá com o presidente da UE, Romano Prodi, e vários comissários europeus, junto com os ministros Roberto Lavagna e Rafael Bielsa.

O comissário de Comércio, Pascal Lamy, debaterá com o novo presidente argentino e seu chanceler "como melhorar a situação dos serviços europeus", já que o decreto de dezembro em que foi decidido o aumento das tarifas de serviços foi anulado pela justiça argentina.

As tarifas de vários serviços públicos caíram devido à desvalorização da moeda em janeiro de 2002, com a pesificação (conversão a pesos de uma economia virtualmente dolarizada) e seu congelamento.

O Fundo Monetário Internacional (FMI) exige o aumento destas tarifas para chegar a um novo acordo de reprogramação da dívida com a Argentina.

Além disso, a Comissão Européia estima que "este aumento não foi suficiente". Lamy também pedirá aos dirigentes argentinos uma solução para as altas tarifas nos aeroportos do país "cobradas a nossas companhias aéreas que operam na Argentina". Várias empresas européias, entre elas a espanhola Telefónica, as francesas de energia e águas EDF e Suez, a energética italiana Camuzzi e a americana Enron entraram com queixas no Banco Mundial.

Os europeus também transmitirão a Kirchner sua preocupação com a questão das próprias patentes, usadas na Argentina sem autorização para a fabricação de medicamentos, pelo que solicitarão uma vigilância maior em relação ao assunto.

Kirchner, que viaja a Bruxelas procedente de Londres, responde a um convite de Romano Prodi, para falar sobre a situação da Argentina e do Mercosul.

O presidente argentino exporá suas propostas para seu mandato, entre elas a criação do programa 'Fome mais urgente', e sua vontade de relançar o Mercosul junto com o colega brasileiro, Luiz Inácio Lula da Silva, e dar continuidade às negociações com a União Européia (UE) para um acordo de associação que inclua o livre comércio.

Prodi expressará o apoio da Comissão Européia ao novo governo e a seu programa de reformas.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;