Fechar
Publicidade

Sexta-Feira, 21 de Janeiro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

setecidades@dgabc.com.br | 4435-8319

Moradores de Mauá reclamam de obra particular

Claudinei Plaza/DGABC Diário do Grande ABC - Notícias e informações do Grande ABC: Santo André, São Bernardo, São Caetano, Diadema, Mauá, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra

Vizinhos apontam queda de cimento e madeiras no quintal devido ausência de tela de proteção


Aline Melo
Do Diário do Grande ABC

14/12/2019 | 07:00


A construção de um conjunto de apartamentos na Rua Nelson Barbosa Ferreira, 93, Vila Noêmia, em Mauá, tem tirado o sossego dos vizinhos do empreendimento. Em dois imóveis da Rua Queiroz Pedroso, paralela à obra, os moradores têm convivido desde março com queda de cimento, pregos, pedaços de madeira e todo tipo de material que se usa em construção civil.

Proprietária do imóvel no número 540 da Queiroz Pedroso, a dona de casa Eliete Caetano, 54 anos, reclamou da grande quantidade de cimento que caiu sobre o seu telhado. Uma telha foi quebrada e os prejuízos vão se acumulando. “Não tem recuo. A obra está colada no meu muro. Não tem uma rede de proteção. Já reclamamos na Prefeitura, mas até agora, nada”, afirmou.

Na casa ao lado, no número 562, a queda de uma madeira cheia de pregos tinha potencial para um acidente com muitos ferimentos. A vendedora Toioko Nakayama Konishi, 62, mostrou o objeto que, por sorte, não atingiu ninguém. “Se meu marido ou eu estivéssemos aqui cuidando das plantas teríamos nos machucado”, afirmou. A munícipe contou que quase diariamente tem retirado cimento das folhas de suas plantas. “A gente tentou falar com os pedreiros, mas eles foram muito malcriados”, reclamou a mulher.

Os vizinhos afirmam que a obra está irregular, por não ter sido observado recuos com relação aos outros imóveis. O presidente da Associação dos Engenheiros e Arquitetos do Grande ABC, Luiz Augusto Moretti, explicou que, de maneira geral, deve-se manter recuo de um metro e meio nas laterais e cinco metros na frente. A Luops (Lei de Uso e Ocupação de Solo) de Mauá prevê que o recuo de fundo seja dispensado para edificações cuja elevação tenha altura igual ou inferior a sete metros. A obra em questão tem mais de dez metros de altura. A lei admite redução ou supressão do recuo de fundo apenas quando a divisa confronte com área verde, o que não é o caso.

Na placa localizada na obra, o arquiteto Marcos Rigo Volpi está indicado como responsável pelo projeto. Procurado, ele informou que o proprietário do imóvel é que deveria responder aos questionamentos. Gustavo Derbatolo não retornou aos contatos do Diário até o fechamento desta edição. 

A Prefeitura informou que a partir do momento que tomou conhecimento da situação encaminhou fiscalização ao local, porém, não havia ninguém na obra para recebê-la. “Notificaremos o engenheiro responsável pelo empreendimento”, prometeu, em nota.



Quer receber em primeira mão as notícias das sete cidades do Grande ABC?

Entre no nosso grupo de WhatsApp. 
Clique aqui.
 

Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.


Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;