Fechar
Publicidade

Sábado, 22 de Fevereiro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Economia

soraiapedrozo@dgabc.com.br | 4435-8057

Com dinheiro e incentivos, montadoras retomam mercado


Leone Farias
Do Diário do Grande ABC

13/09/2009 | 07:00


Passado um ano do recrudescimento da crise global, as fabricantes de veículos estão mais preparadas para caminhar sem o incentivo tributário oferecido pelo governo. A partir de outubro, gradualmente será retirada a redução do IPI (Imposto sobre Produtos Industrializados) dos carros.

O incentivo era considerado necessário, depois da freada brusca nas vendas no fim do ano passado. Sob impacto das turbulências que secaram o crédito internacional e reduziram a confiança dos consumidores, a indústria buscou ajuda para se reerguer.

Uma das medidas de apoio foi o corte no IPI – que entrou em vigor em janeiro inicialmente por três meses e foi prorrogado duas vezes para estimular os consumidores a comprarem carros.

Houve ainda oferta de linhas de crédito que somaram R$ 8 bilhões (R$ 4 bilhões do governo federal e outros R$ 4 bilhões do governo paulista), anunciadas em novembro para os bancos de montadoras financiarem a compra de veículos. E a redução gradual da taxa básica de juros ao longo deste ano.

Com isso, o setor automotivo brasileiro foi retomando aos poucos o ritmo de comercialização no mercado interno, chegando a 1,993 milhão de unidades vendidas (de janeiro a agosto), 2,7% mais que no mesmo período de 2008, de acordo com a Anfavea (Associação Nacional dos Fabricantes de Veículos Automotores).

“Isso nos dá hoje uma situação confortável. Aos poucos, o setor vai se recuperando”, assinala André Beer, consultor especializado no segmento e ex-presidente da Anfavea. Ele projeta que neste ano o setor deve superar os números do ano passado e chegar a 3 milhões de unidades.

O presidente do Sincodives (Sindicato dos Concessionários e Distribuidores de Veículos do Estado de São Paulo), Octávio Vallejo, destaca ainda a (relativa) manutenção dos postos de trabalho e da renda.

Dados do IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística) mostram que o emprego na indústria chegou a cair (5,4% neste ano até julho), mas em ritmo bem inferior ao da produção industrial (12%). Além disso, o consumo das famílias cresceu 2,3% no semestre frente a igual período de 2008, impulsionado pelo aumento da massa salarial e da melhora do crédito.

A recuperação no mercado doméstico não significa que os efeitos da crise desapareceram. “Ainda temos de trabalhar bastante para atingir os níveis de produção e de investimentos em que estávamos no ano passado”, diz o economista do Iedi (Instituto de Estudos para o Desenvolvimento Industrial) Rogério César de Souza.

As fabricantes ainda sentem a retração das exportações (queda de 44,4% nos primeiros sete meses). “Só agora começa a reação em outros países”, cita Beer. Em agosto, houve alta de 21,8% frente a julho nas vendas externas de veículos.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Com dinheiro e incentivos, montadoras retomam mercado

Leone Farias
Do Diário do Grande ABC

13/09/2009 | 07:00


Passado um ano do recrudescimento da crise global, as fabricantes de veículos estão mais preparadas para caminhar sem o incentivo tributário oferecido pelo governo. A partir de outubro, gradualmente será retirada a redução do IPI (Imposto sobre Produtos Industrializados) dos carros.

O incentivo era considerado necessário, depois da freada brusca nas vendas no fim do ano passado. Sob impacto das turbulências que secaram o crédito internacional e reduziram a confiança dos consumidores, a indústria buscou ajuda para se reerguer.

Uma das medidas de apoio foi o corte no IPI – que entrou em vigor em janeiro inicialmente por três meses e foi prorrogado duas vezes para estimular os consumidores a comprarem carros.

Houve ainda oferta de linhas de crédito que somaram R$ 8 bilhões (R$ 4 bilhões do governo federal e outros R$ 4 bilhões do governo paulista), anunciadas em novembro para os bancos de montadoras financiarem a compra de veículos. E a redução gradual da taxa básica de juros ao longo deste ano.

Com isso, o setor automotivo brasileiro foi retomando aos poucos o ritmo de comercialização no mercado interno, chegando a 1,993 milhão de unidades vendidas (de janeiro a agosto), 2,7% mais que no mesmo período de 2008, de acordo com a Anfavea (Associação Nacional dos Fabricantes de Veículos Automotores).

“Isso nos dá hoje uma situação confortável. Aos poucos, o setor vai se recuperando”, assinala André Beer, consultor especializado no segmento e ex-presidente da Anfavea. Ele projeta que neste ano o setor deve superar os números do ano passado e chegar a 3 milhões de unidades.

O presidente do Sincodives (Sindicato dos Concessionários e Distribuidores de Veículos do Estado de São Paulo), Octávio Vallejo, destaca ainda a (relativa) manutenção dos postos de trabalho e da renda.

Dados do IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística) mostram que o emprego na indústria chegou a cair (5,4% neste ano até julho), mas em ritmo bem inferior ao da produção industrial (12%). Além disso, o consumo das famílias cresceu 2,3% no semestre frente a igual período de 2008, impulsionado pelo aumento da massa salarial e da melhora do crédito.

A recuperação no mercado doméstico não significa que os efeitos da crise desapareceram. “Ainda temos de trabalhar bastante para atingir os níveis de produção e de investimentos em que estávamos no ano passado”, diz o economista do Iedi (Instituto de Estudos para o Desenvolvimento Industrial) Rogério César de Souza.

As fabricantes ainda sentem a retração das exportações (queda de 44,4% nos primeiros sete meses). “Só agora começa a reação em outros países”, cita Beer. Em agosto, houve alta de 21,8% frente a julho nas vendas externas de veículos.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;