Política Titulo Foragido da Justiça
Dirigente é suspeito de se apropriar de helicóptero e esvaziar contas
14/06/2024 | 07:16
Compartilhar notícia
FOTO: Divulgação/Solidariedade


Foragido da Justiça, o presidente do Solidariedade, Eurípedes Júnior, é suspeito de envolvimento no sumiço de um helicóptero avaliado em R$ 3,5 milhões do PROS - legenda incorporada pelo Solidariedade -, no desmonte da sede e do parque gráfico do antigo partido e também em esquema de furto mediante fraude que teria resultado no "esvaziamento de contas da agremiação" às vésperas de sua destituição da presidência do PROS.

O dirigente foi o principal alvo da Operação Fundo no Poço, aberta nesta quarta-feira, 12, pela Polícia Federal. Agentes tentaram cumprir um mandado de prisão contra Eurípedes, mas ele não foi encontrado. A ofensiva apura a suspeita de desvio de R$ 36 milhões dos fundos partidário e eleitoral do Solidariedade nas eleições de 2022 e possíveis candidatura laranjas lançadas no Distrito Federal (mais informações nesta página). O presidente do partido é citado nas investigações como "líder da organização criminosa".

O Estadão procurou o Solidariedade e a defesa de Eurípedes Júnior, mas não houve resposta até a publicação deste texto. O espaço segue aberto.

A operação que atingiu o presidente do Solidariedade foi autorizada pelo juiz Lizandro Garcia Gomes Filho, da 1.ª Zona Eleitoral de Brasília. Ao decretar a prisão preventiva do dirigente, o magistrado destacou indícios que apontam desvio de dinheiro público em benefício de Eurípedes e de familiares e aliados dele.

Equipamentos

O "desmantelamento" da sede e do parque gráfico do PROS foi destacado pelo juiz no decreto de prisão preventiva de Eurípedes. Segundo Gomes Filho, o dirigente poderia "comprometer a produção da prova com o ímpeto de embaraçar o prosseguimento das investigações".

A PF indica que o ex-presidente do PROS e hoje presidente do Solidariedade "determinou um desmonte" do parque gráfico da legenda em Planaltina (GO) às vésperas do julgamento do Tribunal de Justiça do Distrito Federal e dos Territórios que o destituiu da presidência daquele partido.

Os investigadores disseram ter encontrado uma nota fiscal que indica que os equipamentos foram vendidos por R$ 868 mil. No entanto, segundo a PF, a avaliação dos equipamentos supera R$ 15 milhões, "a denotar desvio de valores em favor do grupo investigado". O relatório da PF assinala que, além do maquinário, também foram retirados da sede do partido dez veículos, um helicóptero, computadores e até aparelhos de ar-condicionado.

Contas

A PF ainda analisou retiradas financeiras de R$ 3 milhões das contas do PROS após o afastamento de Eurípedes - depois foi informado o estorno à Fundação da Ordem Social, vinculada ao partido. A PF classificou essa movimentação como "grave indicativo de organização criminosa".

"Ao ser afastado por decisão judicial do comando do partido, no dia 8 de março de 2022, (Eurípedes) buscou esvaziar as contas da agremiação, procedendo à transferência de valores do Fundo Partidário para a Fundação da Ordem Social, onde ainda teria poderes de gestão e direção", diz a PF.

Os investigadores descrevem Eurípedes como chefe de organização criminosa "estruturalmente ordenada com o objetivo de desviar e se apropriar de recursos dos fundos partidário e eleitoral". Segundo relatório da Fundo no Poço, ele "gere o partido como um bem particular, auferindo enriquecimento ilícito pessoal e familiar por meio do desvio e apropriação dos recursos públicos destinados à atividade político-partidária".

Viagens

De acordo com as investigações, esses recursos repassados ao partido que teriam sido desviados bancaram viagens de Eurípedes e familiares. A mulher do dirigente, a mãe, um irmão, a cunhada, um primo e sobrinhos também são investigados. Alguns ocupam cargos no Solidariedade.

Diversos destinos são listados no inquérito - Emirados Árabes, França, República Dominicana, Estados Unidos, México e Itália. Dois deles chamaram a atenção da PF: Miami e Orlando. Isso porque quase sempre as viagens tinham escala no Panamá, um paraíso fiscal. Os federais apuram se integrantes da família do dirigente mantêm contas em offshores.

O fluxo de viagens e o paradeiro até então incerto do helicóptero registrado em nome do PROS levaram o juiz Gomes Filho a determinar a apreensão dos passaportes de todos os investigados, por ver risco de fuga. A aeronave foi apreendida anteontem.

Gomes Filho também fez um alerta ao destacar em sua decisão a proximidade das eleições municipais. "O Solidariedade irá gerir verba eleitoral milionária, com grave risco de perduração dos atos criminosos, dada a percepção de que o acusado, familiares e pessoas de seu relacionamento permanecem integrando importantes cargos no partido, com forte suspeita de que persistem em plena atividade criminosa nos mesmos moldes perpetrados no então PROS", disse.




Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.


;