Fechar
Publicidade

Segunda-Feira, 15 de Agosto

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

economia@dgabc.com.br | 4435-8057

Inflação vai estourar a meta pelo 2º ano consecutivo, admite BC



30/06/2022 | 10:20


O Banco Central (BC) admitiu oficialmente que a meta de inflação será descumprida pelo segundo ano seguido em 2022, como consta em Relatório Trimestral de Inflação (RTI) do segundo trimestre, divulgado nesta quinta-feira, 30. A probabilidade de a inflação superar o teto da meta neste ano passou de 88%, em março, para 100% em junho. Para 2023, o BC estimou que a probabilidade de superar o teto pulou de 12% para 29%.

Este cenário indica um IPCA, o índice oficial da inflação, de 8,8% para este ano e 4,0% no próximo. Em 2022, a meta central de inflação é de 3,50% e será oficialmente cumprida se o índice oscilar entre 2% e 5%. Já para o próximo ano, a meta foi fixada em 3,25%, e será considerada formalmente cumprida se oscilar entre 1,75% e 4,75%.

Quando o teto da meta de inflação é superado, o Banco Central tem de escrever uma carta pública explicando as razões. Em janeiro deste ano, o presidente do BC, Roberto Campos Neto, justificou que o estouro da meta em 2021 aconteceu por causa do aumento dos preços de "commodities" (produtos básicos com cotação internacional, como alimentos e minério), da energia e da falta de insumos. Em 2021, o IPCA somou 10,06%, o maior desde 2015. Com isso, ficou bem acima do teto da meta para 2021, que era de 5,25%.

O relatório de inflação do segundo trimestre, originalmente, deveria ter sido divulgado no dia 23, mas, devido à greve dos servidores do BC, foi adiada para esta quinta, prazo final.

O cenário, porém, não considera o efeito das medidas tributárias propostas pelo governo para baixar os preços de itens essenciais, como combustíveis e energia. No mercado, a aprovação da limitação da cobrança de ICMS para esses produtos a 17% ou 18% tem provocado revisão de baixa forte para 2022, mas de alta para 2023.

Para tentar cumprir a meta do próximo ano, o BC elevou neste mês a taxa básica de juros para 13,25% ao ano, o maior patamar desde 2016. A instituição também indicou que a Selic ficará alta por um período maior de tempo.

PIB

Embora o relatório de inflação tenha sido divulgado somente nesta quinta-feira, na semana passada o diretor de Política Econômica, Diogo Guillen, antecipou alguns números do relatório em entrevista coletiva.

Na ocasião, o Banco Central elevou de 1% para 1,7% sua estimativa de crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) deste ano.

A previsão do Banco Central para o crescimento da economia brasileira supera a divulgada pelo governo federal. Pelas projeções do Ministério da Economia, o PIB deve crescer 1,5% neste ano.

Já para o segundo semestre deste ano, porém, o Banco Central espera desaceleração da atividade econômica. Segundo a instituição, a incerteza permanece maior do que a usual em razão da guerra na Ucrânia e dos riscos crescentes de desaceleração da economia global.



Quer receber em primeira mão as notícias das sete cidades do Grande ABC?

Entre no nosso grupo de WhatsApp. 
Clique aqui.
 

Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.


Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;