Fechar
Publicidade

Sábado, 13 de Agosto

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

esportes@dgabc.com.br | 4435-8384

Uniformes LGBT+ de Bahia e Vasco são sucesso nas arquibancadas



28/06/2022 | 11:30


Poderia ser só mais um gol de Germán Cano pelo Vasco. Mas o argentino ficou marcado por uma comemoração na vitória por 2 a 1 sobre o Brusque em 2021, em que os três pontos conquistados pouco serão lembrados na história. Foi a primeira partida do clube em que os jogadores utilizaram um uniforme em apoio à população LGBT+ em 28 de junho, Dia Internacional do Orgulho LGBT. Além disso, na celebração do gol, o atacante ergueu a bandeirinha de escanteio, nas cores arco-íris, em um gesto que viralizou nas redes sociais. Desde então, a comercialização da camisa foi um sucesso nas arquibancadas de São Januário.

O mesmo fenômeno aconteceu com a do Bahia, nos jogos na Arena Fonte Nova, que foi lançada meses antes. A reportagem do Estadão conversou com vários torcedores dos dois clubes que usaram o uniforme em partidas nos estádios brasileiros e nenhum relatou qualquer problema de discriminação.

"A camisa se tornou uma peça muito histórica para nós do Bahia. Estamos sem lote até. Ela é muito mais vendida pelo mercado informal em vários pontos de Salvador. Muita gente ainda procura e estamos tentando ver se faremos um novo lote. A camisa é da nossa torcida e o clube autorizou o uso e depois passou a vender na loja oficial. Todos usam sem qualquer importunação", explica Onã Rudá, fundador da LGBT Tricolor, que lançou a camisa em parceria com o clube baiano. O Bahia registrou mais de 500 vendas de camisas.

Para realizar a série de ações no ano passado, o Vasco consultou o grupo Vasco LGBTQ+ para saber o que o coletivo achava das ideias e se tinha sugestões para contribuir com o projeto. "Participamos de uma reunião com o Horácio Júnior (vice-presidente de Responsabilidade Social e História), eles foram extremamente incríveis com a gente. Ajudamos a escrever o manifesto. A instituição esteve muito aberta e disposta a entender nosso local de fala e nossas opiniões. A gente se sente seguro no estádio com tantas camisas coloridas pela torcida, inclusive é bem emocionante ver tantos torcedores usando com tanto orgulho, saber que torcedores de outros times também quiseram comprar nossas camisas para mostrar apoio e respeito é muito gratificante", explica a torcedora Beatriz França.

O diretor de Relações Públicas do Vasco, Marcus Pinto, lembrou a importância da defesa das causas sociais na história do clube e destacou que a camisa LGBT+, que teve mais de 20 mil unidades vendidas, foi abraçada pela torcida. "A camisa foi e é um sucesso de vendas e os torcedores a utilizam sem qualquer problema. Não temos um ranking de camisas mais vendidas, mas essa já ultrapassou a marca de 20 mil unidades. A história do Vasco se confunde com a história de lutas a favor de causas sociais, como a Resposta Histórica de 1924 contra o racismo, e no caso específico da camisa não poderia ser diferente", disse.

As camisas LGBT+ de Bahia e Vasco também caíram no gosto de torcedores famosos como a cantora Teresa Cristina e o comediante Fábio Porchat, ambos do time carioca, e a campeã olímpica na maratona aquática Ana Marcela Cunha, da equipe baiana, que usaram as redes sociais para divulgar as camisas. À época do lançamento, o então meia do Vasco João Pedro publicou em seu Instagram, orgulhoso, uma foto com suas duas mães vestindo a camisa especial para a data.

Nesta terça-feira é comemorado o Dia Internacional do Orgulho LGBT e, no último fim de semana, Fluminense e Vasco jogaram suas partidas com uniformes em apoio à causa e à luta contra a discriminação. Antes da partida contra o Operário pela Série B, o clube de São Januário ainda levou bandeiras e realizou um show pirotécnico nas cores arco-íris.

Na sexta-feira, o Vasco também realizou um manifesto, com suas principais torcidas organizadas, pela mudança de comportamento nos estádios em relação à causa. O vice-presidente de marketing e novos negócios do clube, Vitor Roma, entende que ações como essas precisam ser sempre exploradas mas não como forma de gerar engajamento. "Mostramos que estamos sempre um passo à frente. A questão do respeito, a inclusão, é o mote desta campanha, mas ela vem de um negócio mais englobado, que é o Vasco lutando pelas causas corretas", diz o executivo, que complementa: "Esse manifesto não acaba hoje".

Outros times também usaram no ano passado camisas com detalhes com o arco-íris em apoio ao Dia Internacional do Orgulho LGBT, mas só Bahia e Vasco comercializaram esses uniformes. Já em setembro de 2021, o Flamengo lançou um uniforme voltado à causa, mas a camisa comemorativa na cor roxa e apenas com uma pequena bandeira arco-íris recebeu algumas críticas.

Na última semana, o ídolo do São Paulo Richarlyson se assumiu bissexual, sendo o primeiro jogador ou ex-atleta da elite do futebol brasileiro a tomar esse importante passo. A barreira do preconceito ainda existe e dificulta que vários jogadores possam se assumir publicamente, sem medo de represálias.

Nos últimos anos, a maioria dos principais clubes brasileiros tem feito publicações em suas redes sociais em apoio à comunidade LGBT+, mas ainda há agremiações que resistem. O próprio conteúdo das postagens pode ser muitas vezes "suavizado", com símbolos e palavras "escondidas" ou com textos menos contundentes, como foi visto no último dia 17 de maio, Dia Internacional da Luta Contra a Homofobia.

Dentre os conteúdos mais elogiados na data, os rivais Atlético-MG e Cruzeiro chamaram atenção para os graves casos de violência contra a população LGBT+ em uma postura mais combativa ao preconceito. Um levantamento do Observatório de Mortes e Violências contra LGBTI+, divulgado na primeira quinzena de maio, mostrou que pelo menos cinco pessoas LGBTI+ foram vítimas de homicídio no País a cada semana em 2021. Ao todo, foram 262 assassinatos, aumento de 21,9% em relação ao ano anterior, quando o total foi de 215.



Quer receber em primeira mão as notícias das sete cidades do Grande ABC?

Entre no nosso grupo de WhatsApp. 
Clique aqui.
 

Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.


Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;