Fechar
Publicidade

Sábado, 25 de Junho

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Saúde não pode esperar


Do Diário do Grande ABC

17/05/2022 | 23:59


É grave o quadro verificado em farmácias públicas do Grande ABC, onde a falta de medicamentos coloca em risco a vida de pacientes das sete cidades. É comum os moradores da região voltarem dos pontos de distribuição com as mãos abanando. Episódios de atrasos e falhas na entrega são cada vez mais frequentes. As principais explicações para a situação calamitosa apontam para a responsabilidade do governo federal, que realiza as compras dos produtos via SUS (Sistema Único de Saúde). Mas não se pode livrar da culpa o Estado e os próprios municípios. A obrigação de garantir o tratamento adequado aos doentes é difusa entre todos os entes federativos. Ninguém pode se eximir.


A lista de medicamentos dispensados pelos governos federal e estadual é composta de 300 itens, 134 deles comprados e distribuídos pela União. A secretaria paulista de Saúde contou à equipe do Diário que, no primeiro trimestre de 2022, houve demora ou envio abaixo da demanda de 29 remédios consumidos por pacientes do Grande ABC – 22 de responsabilidade do Ministério da Saúde. Entre as substâncias em falta nas prateleiras das farmácias públicas estão as utilizadas nos tratamentos de Alzheimer, Parkinson e leucemia. Quem possui condições de comprar as drogas em estabelecimentos privados consegue driblar o problema, ainda que momentaneamente, mas e quem não tem?


Todas as instâncias envolvidas na distribuição de remédios na região reconhecem o problema. Prefeituras, Estado e governo federal alegaram que adotam medidas para assegurar que ninguém fique sem medicamentos por período que coloque em risco a vida dos pacientes. Dada a quantidade de reclamações recolhidas pela equipe de reportagem, especialmente nos últimos dias, nota-se que os esforços têm sido insuficientes. Não se pode aceitar nenhuma justificativa que divirja do atendimento imediato das necessidades da população. Trata-se de direito constitucional – e pelo qual, diferentemente do que prega o senso comum, a sociedade paga na forma de impostos pesadíssimos. 



Quer receber em primeira mão as notícias das sete cidades do Grande ABC?

Entre no nosso grupo de WhatsApp. 
Clique aqui.
 

Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.


Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;