Fechar
Publicidade

Terça-Feira, 25 de Janeiro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

setecidades@dgabc.com.br | 4435-8319

Região perde 12.161 alunos dos ensinos básico e fundamental

Divulgação Diário do Grande ABC - Notícias e informações do Grande ABC: Santo André, São Bernardo, São Caetano, Diadema, Mauá, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra

Matrículas recuaram 2,7% em 2021; especialistas apontam pandemia, pirâmide etária e migração como as possíveis causas


Thainá Lana
do Diário do Grande ABC

28/11/2021 | 00:15


O Grande ABC perdeu 12.161 estudantes do ensino básico e fundamental em apenas um ano. Esse é o resultado do número de matrículas registrado nas redes pública e privada em 2021 na comparação com os dados de 2020, de acordo com levantamento do Diário que levou em conta informações do Censo Escolar do Inep (Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira). Com isso, 2,7% crianças até 15 anos não foram matriculadas nas instituições de ensino da região – neste ano foram 437.834 alunos inscritos, enquanto no ano passado o número de matrículas na mesma faixa etária chegou a 449.995 alunos – veja os dados na arte ao lado.

O ensino médio na região foi a única modalidade que apresentou crescimento no número de alunos matriculados, tanto nas instituições públicas quanto particulares. Em 2020 foram inscritos 92.213 jovens e neste ano o número caiu para 88.220 - aumento de 4,5%. 

A baixa taxa de natalidade e a migração das famílias podem ser os fatores para a queda nos números escolares, conforme aponta o chefe de gabinete da Secretaria de Educação do Estado, Henrique Pimentel. “Essa diminuição é constante entre um ano letivo e outro, até por conta da pirâmide etária (quando os estudantes avançam para outra série). A tendência é que teremos cada vez menos alunos entrando nas escolas e mais saindo, devido à baixa taxa de natalidade do País”, explica Pimentel. 

O chefe de gabinete também acredita que a pandemia da Covid-19 pode ter contribuído para migração de famílias para outros Estados. “Na pandemia muitos estudantes acabaram migrando para outros Estados com as famílias e isso também reflete no cenário de diminuição das matrículas nas escolas estaduais”, argumenta Pimentel, que também reforça a obrigatoriedade da matrícula escolar de crianças a partir de 4 anos - conforme define a lei federal 12.796/2013. 

O  ensino infantil foi a categoria escolar que apresentou maior taxa de evasão escolar da região - mais de 8.000 crianças não foram matriculadas em escolas em 2021. Thiago Zola, psicopedagogo e gerente de projetos estratégicos da Mind Lab, reforça a necessidade das crianças, na faixa etária de zero a 5 anos, de frequentarem o ensino básico. “É na escola que a criança passa a ter noções de convívio além do familiar, desenvolve a autonomia e cria laços de amizade e socialização, questões fundamentais para diversas áreas do conhecimento. É importante que o projeto pedagógico conte com jogos, brincadeiras e atividades lúdicas que, além de ensinar, divertem a criança. A educação, nessa fase, vai pavimentar todas as etapas de ensino que virão a seguir”, explica Zola

EFEITOS DA PANDEMIA 
As seis prefeituras da região, exceto a cidade de Mauá que não retornou a demanda, alegam que a pandemia pode ser um indicativo de evasão escolar nas escolas municipais do Grande ABC. A coordenadora de campo da Associação Cidade Escola Aprendiz,  Gisele Martins e a gestora estratégica, Julia Ventura, também assemelham a crise sanitária como possível explicação. “A infrequência e evasão escolares ocorrem por diferentes fatores, tanto relacionados às dinâmicas que se dão no contexto da escola, quanto fora dela (problemas sociais, familiares, urbanos, etc). A pandemia, de maneira geral, representou um agravamento importante das questões que se manifestam nessas duas esferas. Ou seja, com o fechamento das escolas, houve afastamento dos alunos, por diversas razões: falta ou acesso inadequado à tecnologia, ausência ou insuficiência de condições para o estudo em casa, desmotivação ou mesmo oferta ineficaz de ensino remoto, entre outros motivos”, esclarece Gisele.  

A redução no número de estudantes da região acende um alerta para o próximo ano letivo. Isso porque as escolas estaduais e municipais recebem anualmente repasse de verbas do Fundeb (Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica e de Valorização dos Profissionais da Educação), do governo federal. O recurso considera, entre outros fatores, o número de alunos matriculados nas instituições de ensino, e caso o próximo ano registre aumento de matrículas, as gestões estaduais e municipais terão de adequar o orçamento as necessidades e demandas das escolas.  

ESCOLAS PARTICULARES
No ensino privado da região, a evasão escolar foi ainda pior. Nessas instituições o Censo Escolar apresentou queda de 8,2% no número de matrículas de estudantes do ensino infantil e fundamental. Em 2020 foram 110.867 alunos, enquanto neste ano o número caiu para 101.722. As especialistas em educação da Associação Cidade Escola Aprendiz, Gisele Martins e Julia Ventura, justificam a baixa taxa de matrícula no ensino particular. 

“A pandemia agravou as condições socioeconômicas do Brasil, sobretudo das populações mais pobres. Esses elementos contribuíram para o agravamento das condições de acesso à educação, agudizando problemas anteriores à Covid-19. Essa realidade afeta também alunos da rede privada, em função de uma redução da capacidade financeira das famílias”, finaliza e Julia.  



Quer receber em primeira mão as notícias das sete cidades do Grande ABC?

Entre no nosso grupo de WhatsApp. 
Clique aqui.
 

Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.


Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;