Fechar
Publicidade

Quinta-Feira, 2 de Dezembro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

economia@dgabc.com.br | 4435-8057

Guedes chama Funchal e Bittencourt de 'jovens' e diz que saída é 'natural'



22/10/2021 | 16:09


O ministro da Economia, Paulo Guedes, afirmou nesta sexta-feira em pronunciamento à imprensa que o pedido de demissão do secretário especial do Tesouro e Orçamento, Bruno Funchal, e do secretário do Tesouro Nacional, Jeferson Bittencourt, e seus adjuntos, chamados pelo ministro de "jovens", é algo "natural".

"Nossos secretários que pediram pra sair, é algo natural", declarou Guedes, ao lado do presidente Jair Bolsonaro. "Entendemos os mais jovens que dizem que não pode furar o teto."

Na quinta, após o governo fechar acordo para alterar o teto de gastos como forma de viabilizar o pagamento de R$ 400 no Auxílio Brasil, Funchal, Bittencourt e seus adjuntos pediram exoneração de seus cargos por não concordarem com a mudança na regra, considerada âncora fiscal do País.

'A verdade vos libertará'

Apesar de tentar defender a manobra no teto de gastos para viabilizar o pagamento de R$ 400 do Auxílio Brasil em 2022, o ministro da Economia, Paulo Guedes, fez questão de enfatizar que a ideia não partiu da equipe econômica. Ao lado do presidente Jair Bolsonaro, o ministro citou uma frase muito usada pelo presidente para sinalizar que a mudança na regra fiscal partiu da ala política do governo.

"A verdade vos libertará. A ideia de mexer teto veio de outro lugar. A preferência da economia era manter o teto e pedir uma autorização para gastar um pouco mais, ali ao lado. Mas, tecnicamente, (a mudança no teto) é defensável", admitiu o ministro.

Guedes mais uma vez minimizou o impacto do pedido de R$ 30 bilhões em gastos extras, fora do teto, que era o desejo original da Economia. "Mas estamos falando de R$ 30 bilhões. Em um País que gastou R$ 700 bilhões no primeiro ano (2020), e um pouco mais de R$ 100 bilhões no segundo ano (2021). E gastando agora com o déficit declinando e as despesas em porcentagem do PIB declinando", argumentou.

O ministro também reconheceu falhas de comunicação da equipe econômica, mas reclamou da pressão da ala política por mais recursos quando ele estava fora do Brasil, na reunião do G-20. "Houve de certa forma uma pressão, e seria melhor isso acontecer mais organizadamente. Seria melhor que nós da Economia já tivéssemos conseguido acertar a coisa antes. Se quando eu estivesse fora a ala política não pressionasse por recursos", desabafou. "Mas gostaria de agradecer ao presidente Bolsonaro pela confiança e ao relator da PEC dos Precatórios, deputado Hugo Motta, por ter feito o trabalho dentro do espírito original da proposta", completou.



Quer receber em primeira mão as notícias das sete cidades do Grande ABC?

Entre no nosso grupo de WhatsApp. 
Clique aqui.
 

Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.


Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;