Fechar
Publicidade

Segunda-Feira, 19 de Abril

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Economia

economia@dgabc.com.br | 4435-8057

Moodys: maioria dos países do G-20 não voltará a nível pré-pandemia antes de 2022



24/02/2021 | 18:12


A maioria das economias do G-20 não voltará ao nível pré-pandemia antes de 2022, aponta levantamento da agência de classificação de risco Moody's, que destaca que a recuperação continua sendo desigual entre setores e regiões. Segundo as projeções, as economias do G-20 crescerão coletivamente 5,3% em 2021 e 4,5% em 2022, após uma contração de 3,3% em 2020.

A recuperação permanecerá desigual e incompleta em 2021, com a atividade em setores de contato presencial, como viagens e turismo, ainda sendo limitada.

Se não houver cooperação entre os países, algumas nações terão dificuldades para superar a pandemia, destaca o relatório. Quanto mais a crise durar, maior será o risco de insolvência das empresas, em particular das pequenas e médias.

Mesmo com o aumento de casos no fim do ano passado e a consequente perda de força econômica, a Moodys aponta que os Estados Unidos vão liderar a recuperação da demanda global de serviços em 2021-22, impulsionada por novos estímulos. Maior controle da pandemia e um ambiente político mais previsível também contribuem para a retomada da atividade no país.

Em relação à China, a projeção é de crescimento econômico de 7,5% em 2021, acima da projeção anterior da Moodys de 7,0%, seguida de crescimento de 5,5% em 2022.

A revisão para cima na projeção de crescimento reflete, de acordo com a agência de classificação de risco da recuperação em V no ano passado, resultando em uma expansão de 2,3% do PIB real. No entanto, segundo a Moodys, as medidas rígidas de controle da pandemia na China provavelmente atrasarão a mudança nos drivers de crescimento para o consumo doméstico.

Para o Brasil, a expectativa é de expansão de 3,3% do PIB em 2021 e 2,6% em 2022, após retração estimada de 4,7% em 2020.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Moodys: maioria dos países do G-20 não voltará a nível pré-pandemia antes de 2022


24/02/2021 | 18:12


A maioria das economias do G-20 não voltará ao nível pré-pandemia antes de 2022, aponta levantamento da agência de classificação de risco Moody's, que destaca que a recuperação continua sendo desigual entre setores e regiões. Segundo as projeções, as economias do G-20 crescerão coletivamente 5,3% em 2021 e 4,5% em 2022, após uma contração de 3,3% em 2020.

A recuperação permanecerá desigual e incompleta em 2021, com a atividade em setores de contato presencial, como viagens e turismo, ainda sendo limitada.

Se não houver cooperação entre os países, algumas nações terão dificuldades para superar a pandemia, destaca o relatório. Quanto mais a crise durar, maior será o risco de insolvência das empresas, em particular das pequenas e médias.

Mesmo com o aumento de casos no fim do ano passado e a consequente perda de força econômica, a Moodys aponta que os Estados Unidos vão liderar a recuperação da demanda global de serviços em 2021-22, impulsionada por novos estímulos. Maior controle da pandemia e um ambiente político mais previsível também contribuem para a retomada da atividade no país.

Em relação à China, a projeção é de crescimento econômico de 7,5% em 2021, acima da projeção anterior da Moodys de 7,0%, seguida de crescimento de 5,5% em 2022.

A revisão para cima na projeção de crescimento reflete, de acordo com a agência de classificação de risco da recuperação em V no ano passado, resultando em uma expansão de 2,3% do PIB real. No entanto, segundo a Moodys, as medidas rígidas de controle da pandemia na China provavelmente atrasarão a mudança nos drivers de crescimento para o consumo doméstico.

Para o Brasil, a expectativa é de expansão de 3,3% do PIB em 2021 e 2,6% em 2022, após retração estimada de 4,7% em 2020.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;