Fechar
Publicidade

Quarta-Feira, 12 de Maio

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Política

politica@dgabc.com.br | 4435-8391

Clóvis Volpi revela herança de R$ 238,8 mi em dívidas

Nario Barbosa/DGABC Diário do Grande ABC - Notícias e informações do Grande ABC: Santo André, São Bernardo, São Caetano, Diadema, Mauá, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra

Prefeito de Ribeirão cita que restos a pagar chegam a R$ 87,3 mi e secretário de Finanças prevê equacionar quadro em 20 anos


Daniel Tossato
Do Diário do Grande ABC

05/02/2021 | 00:02


O prefeito de Ribeirão Pires, Clóvis Volpi (PL), divulgou ontem o balanço financeiro da gestão e informou que herdou do governo de Adler Kiko Teixeira (PSDB) a administração com R$ 238,8 milhões em dívidas, sendo R$ 87,3 milhões em restos a pagar. Volpi classificou o trabalho do antecessor como “uma catástrofe”.

O volume do passivo representa 64% do orçamento deste ano previsto para Ribeirão Pires (R$ 372,8 milhões) – e a gestão Volpi acredita que herdou peça orçamentária superestimada, ou seja, o total de ingresso de receita não se confirmará. Nas contas da Prefeitura, será preciso passar período de 20 anos para que haja o equílibrio financeiro no Paço.

Volpi discorreu sobre os números em entrevista coletiva ao lado de secretários de pastas que apresentaram os maiores problemas orçamentários – Finanças, Saúde, Infraestrutura, Educação e Esporte. “Quando lançamos a candidatura, sabíamos que teríamos muitos problemas pela frente. Mas recebemos uma Prefeitura com muito mais dificuldade do que imaginávamos. Vamos demorar muito para colocar a casa em ordem. É uma catástrofe administrativa, um verdadeiro desmando. E aviso que talvez não tenhamos chegado ao ponto final desses desmandos”, pontuou Volpi.

“Eu já tive a honra de exercer diversos postos públicos, fui vereador, deputado, estive no poder Executivo estadual (foi adjunto de Esporte, Lazer e Juventude). É o pior cenário que já vi na minha vida”, comentou Volpi.

Segundo Eduardo Pacheco, secretário de Finanças de Ribeirão, dos R$ 87,3 milhões em restos a pagar – dívida de curto prazo de serviços executados recentemente sem pagamento –, R$ 52 milhões foram contraídos no ano passado, quando Kiko buscou a reeleição, sem sucesso. “ Não quero fazer ilações, mas causa estranheza esse número ter aumentado muito em ano de eleição”, discorreu.

Pacheco listou que o rombo do Imprerp (Instituto Municipal de Previdência de Ribeirão Pires) atinge a marca de R$ 41,1 milhões. Ele também comentou que foi apurado que o governo Kiko não empregou o percentual mínimo em educação, em desconformidade com a Constituição Federal. Nas contas do atual governo, em vez dos 25% constitucionais, a gestão de Kiko despendeu 22% na área. Confirmado esse cenário, as contas serão reprovadas pelo TCE (Tribunal de Contas do Estado), abrindo, inclusive, margem para denúncia de improbidade administrativa.

“É preciso acertar a casa e as contas e, dessa forma, prevemos que pode levar 20 anos para balancear as finanças. Essa é a forma que encontramos para conseguir acertar as contas sem que haja deficit para as contas da Prefeitura. Não temos condições de pagar essa dívida em prazo menor. Vinte anos é o tempo mínimo que encontramos para acertar essa dívida sem prejudicar o pagamento dos outros funcionamentos do Executivo, como o pagamento de funcionários, por exemplo”, emendou Pacheco, relembrando planejamento de Volpi de enxugar o número de secretarias, reduzir a folha de pagamento e buscar renegociar a dívida com fornecedores.

Diante do prisma financeiro, Volpi e Pacheco alertaram que devem levar o relatório para conhecimento do Ministério Público. “Vimos uma gestão de pessoas que não tinham o menor zelo, menor controle financeiro, menor conhecimento do conceito de cidadania e responsabilidade com o cidadão que está na ponta. Por isso peço paciência porque vai demorar um pouco para implementar o que desenhamos. Mas não fugiremos de nossas responsabilidades”, comentou Volpi.

O chefe do Executivo, que já sinalizou não querer disputar a reeleição em 2024, pediu que seus sucessores tenham entendimento de que não é possível deixar de seguir uma linha de contenção de gastos se o objetivo for sanear as contas públicas municipais.

Kiko não retornou aos contatos da equipe do Diário para comentar as acusações de seu sucessor. 



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Clóvis Volpi revela herança de R$ 238,8 mi em dívidas

Prefeito de Ribeirão cita que restos a pagar chegam a R$ 87,3 mi e secretário de Finanças prevê equacionar quadro em 20 anos

Daniel Tossato
Do Diário do Grande ABC

05/02/2021 | 00:02


O prefeito de Ribeirão Pires, Clóvis Volpi (PL), divulgou ontem o balanço financeiro da gestão e informou que herdou do governo de Adler Kiko Teixeira (PSDB) a administração com R$ 238,8 milhões em dívidas, sendo R$ 87,3 milhões em restos a pagar. Volpi classificou o trabalho do antecessor como “uma catástrofe”.

O volume do passivo representa 64% do orçamento deste ano previsto para Ribeirão Pires (R$ 372,8 milhões) – e a gestão Volpi acredita que herdou peça orçamentária superestimada, ou seja, o total de ingresso de receita não se confirmará. Nas contas da Prefeitura, será preciso passar período de 20 anos para que haja o equílibrio financeiro no Paço.

Volpi discorreu sobre os números em entrevista coletiva ao lado de secretários de pastas que apresentaram os maiores problemas orçamentários – Finanças, Saúde, Infraestrutura, Educação e Esporte. “Quando lançamos a candidatura, sabíamos que teríamos muitos problemas pela frente. Mas recebemos uma Prefeitura com muito mais dificuldade do que imaginávamos. Vamos demorar muito para colocar a casa em ordem. É uma catástrofe administrativa, um verdadeiro desmando. E aviso que talvez não tenhamos chegado ao ponto final desses desmandos”, pontuou Volpi.

“Eu já tive a honra de exercer diversos postos públicos, fui vereador, deputado, estive no poder Executivo estadual (foi adjunto de Esporte, Lazer e Juventude). É o pior cenário que já vi na minha vida”, comentou Volpi.

Segundo Eduardo Pacheco, secretário de Finanças de Ribeirão, dos R$ 87,3 milhões em restos a pagar – dívida de curto prazo de serviços executados recentemente sem pagamento –, R$ 52 milhões foram contraídos no ano passado, quando Kiko buscou a reeleição, sem sucesso. “ Não quero fazer ilações, mas causa estranheza esse número ter aumentado muito em ano de eleição”, discorreu.

Pacheco listou que o rombo do Imprerp (Instituto Municipal de Previdência de Ribeirão Pires) atinge a marca de R$ 41,1 milhões. Ele também comentou que foi apurado que o governo Kiko não empregou o percentual mínimo em educação, em desconformidade com a Constituição Federal. Nas contas do atual governo, em vez dos 25% constitucionais, a gestão de Kiko despendeu 22% na área. Confirmado esse cenário, as contas serão reprovadas pelo TCE (Tribunal de Contas do Estado), abrindo, inclusive, margem para denúncia de improbidade administrativa.

“É preciso acertar a casa e as contas e, dessa forma, prevemos que pode levar 20 anos para balancear as finanças. Essa é a forma que encontramos para conseguir acertar as contas sem que haja deficit para as contas da Prefeitura. Não temos condições de pagar essa dívida em prazo menor. Vinte anos é o tempo mínimo que encontramos para acertar essa dívida sem prejudicar o pagamento dos outros funcionamentos do Executivo, como o pagamento de funcionários, por exemplo”, emendou Pacheco, relembrando planejamento de Volpi de enxugar o número de secretarias, reduzir a folha de pagamento e buscar renegociar a dívida com fornecedores.

Diante do prisma financeiro, Volpi e Pacheco alertaram que devem levar o relatório para conhecimento do Ministério Público. “Vimos uma gestão de pessoas que não tinham o menor zelo, menor controle financeiro, menor conhecimento do conceito de cidadania e responsabilidade com o cidadão que está na ponta. Por isso peço paciência porque vai demorar um pouco para implementar o que desenhamos. Mas não fugiremos de nossas responsabilidades”, comentou Volpi.

O chefe do Executivo, que já sinalizou não querer disputar a reeleição em 2024, pediu que seus sucessores tenham entendimento de que não é possível deixar de seguir uma linha de contenção de gastos se o objetivo for sanear as contas públicas municipais.

Kiko não retornou aos contatos da equipe do Diário para comentar as acusações de seu sucessor. 

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;