Fechar
Publicidade

Domingo, 18 de Abril

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Esportes

esportes@dgabc.com.br | 4435-8384

Ribeirão Pires é surpreendida com fim de projeto da CBF

Nario Barbosa/DGABC Diário do Grande ABC - Notícias e informações do Grande ABC: Santo André, São Bernardo, São Caetano, Diadema, Mauá, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra

Empresa que financiava Gol do Brasil solicita a rescisão do acordo; atual gestão planeja reversão


Dérek Bittencourt
Do Diário do Grande ABC

08/01/2021 | 00:01


Os cerca de 200 alunos da rede municipal de ensino de Ribeirão Pires que participavam do programa Gol do Brasil, promovido pela CBF (Confederação Brasileira de Futebol), em parceria com a Prefeitura e a WTC, de repente ficaram órfãos do projeto. Isso porque, no fim do ano passado, em ação publicada no Diário Oficial do município, a empresa que financiava a ação social esportiva solicitou a rescisão amigável do acordo de cooperação técnica assinado em 2017.

Extraoficialmente, a justificativa é que a pandemia do novo coronavírus não permitiu a sustentação do projeto. Porém, a nova gestão da estância turística trabalha pela reversão da situação, com retorno das atividades assim que as questões envolvendo a Covid-19 permitirem.

Conforme acordo firmado entre as partes, o convênio tinha prazo de cinco anos. À cidade cabia ser responsável pela inscrição dos alunos, selecionar os professores, ceder instalações (no caso, o Centro Esportivo Vereador Valentino Redivo, na Vila Gomes), oferecer uniformes e arcar com despesas de alimentação e, transporte. A CBF entrava com a metodologia de ensino. Já a WTC investia mensalmente R$ 10 mil e buscava outras empresas para contribuir.

Quando a pandemia impediu as aulas presenciais, os profissionais do programa tentaram mantê-lo virtualmente, mas não funcionou, praticamente paralisando-o. Assim, a WTC decidiu interromper a parceria, mas a nova gestão que assumiu Ribeirão Pires na semana passada, comandada por Clóvis Volpi (PL), pretende reativá-la – inclusive com uma visita do próprio prefeito à CBF.

“Estamos em contato com a WTC, buscando a manutenção do programa de todas as formas possíveis. Pelo carinho que a WTC teve com a cidade, buscaremos a manutenção do parceiro (com ela)”, declarou o secretário de Esporte, Cultura e Turismo, Claurício Bento. “O projeto é de grande importância a cidade, Ribeirão Pires foi a primeira cidade do País a receber o programa. Nos reuniremos junto à confederação para entender sobre o programa e buscar sua continuidade”, completou.

Como citado pelo secretário, Ribeirão Pires foi escolhida como pontapé de partida para o programa – depois, Belém (Pará), Recife (Pernambuco), São Paulo e Teresópolis (Rio de Janeiro) também formaram núcleos. A proposta da CBF é que o projeto, voltado a crianças entre 6 e 13 anos, seja “uma escola, não só de futebol, mas de cidadania, um projeto de responsabilidade social”, disse, no evento de lançamento, o secretário-geral da confederação, Walter Feldman. Na oportunidade, ele explicou que a estância turística foi escolhida porque o então prefeito, Adler Kiko Teixeira (PSDB), colocou o município à disposição, garantindo a devida estrutura, para “interpretar esse sonho (da CBF) e transformá-lo em realidade”, declarou Feldman. 



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Ribeirão Pires é surpreendida com fim de projeto da CBF

Empresa que financiava Gol do Brasil solicita a rescisão do acordo; atual gestão planeja reversão

Dérek Bittencourt
Do Diário do Grande ABC

08/01/2021 | 00:01


Os cerca de 200 alunos da rede municipal de ensino de Ribeirão Pires que participavam do programa Gol do Brasil, promovido pela CBF (Confederação Brasileira de Futebol), em parceria com a Prefeitura e a WTC, de repente ficaram órfãos do projeto. Isso porque, no fim do ano passado, em ação publicada no Diário Oficial do município, a empresa que financiava a ação social esportiva solicitou a rescisão amigável do acordo de cooperação técnica assinado em 2017.

Extraoficialmente, a justificativa é que a pandemia do novo coronavírus não permitiu a sustentação do projeto. Porém, a nova gestão da estância turística trabalha pela reversão da situação, com retorno das atividades assim que as questões envolvendo a Covid-19 permitirem.

Conforme acordo firmado entre as partes, o convênio tinha prazo de cinco anos. À cidade cabia ser responsável pela inscrição dos alunos, selecionar os professores, ceder instalações (no caso, o Centro Esportivo Vereador Valentino Redivo, na Vila Gomes), oferecer uniformes e arcar com despesas de alimentação e, transporte. A CBF entrava com a metodologia de ensino. Já a WTC investia mensalmente R$ 10 mil e buscava outras empresas para contribuir.

Quando a pandemia impediu as aulas presenciais, os profissionais do programa tentaram mantê-lo virtualmente, mas não funcionou, praticamente paralisando-o. Assim, a WTC decidiu interromper a parceria, mas a nova gestão que assumiu Ribeirão Pires na semana passada, comandada por Clóvis Volpi (PL), pretende reativá-la – inclusive com uma visita do próprio prefeito à CBF.

“Estamos em contato com a WTC, buscando a manutenção do programa de todas as formas possíveis. Pelo carinho que a WTC teve com a cidade, buscaremos a manutenção do parceiro (com ela)”, declarou o secretário de Esporte, Cultura e Turismo, Claurício Bento. “O projeto é de grande importância a cidade, Ribeirão Pires foi a primeira cidade do País a receber o programa. Nos reuniremos junto à confederação para entender sobre o programa e buscar sua continuidade”, completou.

Como citado pelo secretário, Ribeirão Pires foi escolhida como pontapé de partida para o programa – depois, Belém (Pará), Recife (Pernambuco), São Paulo e Teresópolis (Rio de Janeiro) também formaram núcleos. A proposta da CBF é que o projeto, voltado a crianças entre 6 e 13 anos, seja “uma escola, não só de futebol, mas de cidadania, um projeto de responsabilidade social”, disse, no evento de lançamento, o secretário-geral da confederação, Walter Feldman. Na oportunidade, ele explicou que a estância turística foi escolhida porque o então prefeito, Adler Kiko Teixeira (PSDB), colocou o município à disposição, garantindo a devida estrutura, para “interpretar esse sonho (da CBF) e transformá-lo em realidade”, declarou Feldman. 

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;