Fechar
Publicidade

Segunda-Feira, 25 de Janeiro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Economia

soraiapedrozo@dgabc.com.br | 4435-8057

Para FMI, zona do euro não deve retirar estímulos fiscais prematuramente



30/11/2020 | 14:09


A diretora-gerente do Fundo Monetário Internacional (FMI), Kristalina Georgieva, recomendou nesta segunda-feira, 30, em entrevista coletiva que governos da zona do euro não tirem estímulos fiscais "prematuramente". Georgieva avalia que há incerteza no cenário econômico, com novas infecções de covid-19 atrapalhando a retomada. "Vimos o começo da recuperação no terceiro trimestre, mas ainda estamos abaixo do pré-crise", avaliou.

Sobre o Banco Central Europeu (BCE), indicou que apoia a intenção do conselho de "recalibrar" suas medidas de estímulo na próxima reunião, marcada para dezembro. "Se for necessário o BCE fazer mais, tem de fazê-lo", afirmou.

"Temos de reconhecer que os apoios durante a crise foram sem precedentes", indo "além do esperado" e conseguindo evitar um colapso bancário e nos empregos na zona do euro, avaliou. Segundo ela, as medidas de apoio foram generalizadas, e o objetivo agora deve ser tornar as ajudas mais direcionadas. A líder do FMI reforçou que empréstimos de má qualidade devem ser evitados e os setores com mais capacidade de geração de empregos devem ter prioridade, ainda que seja complicado enfrentar pressão e lobby.

Para ela, o pior cenário é não haver recuperação em 2021, com vacinas não sendo entregues e havendo uma terceira onda de covid-19. O FMI, segundo Georgieva, trabalha com a expectativa de disponibilidade de vacinas na zona do euro no meio de 2021 e no mundo todo até o final de 2022.

As condições atuais são estimulantes para reformas, indicou Georgieva, com especial enfoque em uma transição verde. Espanha e Itália estão tendo problemas com as dívidas, mas o momento de juros baixos pode ser utilizado para tornar a economia "mais competitiva e em trajetória de maior crescimento".

Para Georgieva, o tamanho dos fundos atuais para recuperação é adequado, a "questão é a qualidade dos gastos", avaliou. Sobre os investimentos do programa Nova Geração da União Europeia, "esperamos que ele estimule reformas", disse Georgieva, mais uma vez enfatizando uma economia verde.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Para FMI, zona do euro não deve retirar estímulos fiscais prematuramente


30/11/2020 | 14:09


A diretora-gerente do Fundo Monetário Internacional (FMI), Kristalina Georgieva, recomendou nesta segunda-feira, 30, em entrevista coletiva que governos da zona do euro não tirem estímulos fiscais "prematuramente". Georgieva avalia que há incerteza no cenário econômico, com novas infecções de covid-19 atrapalhando a retomada. "Vimos o começo da recuperação no terceiro trimestre, mas ainda estamos abaixo do pré-crise", avaliou.

Sobre o Banco Central Europeu (BCE), indicou que apoia a intenção do conselho de "recalibrar" suas medidas de estímulo na próxima reunião, marcada para dezembro. "Se for necessário o BCE fazer mais, tem de fazê-lo", afirmou.

"Temos de reconhecer que os apoios durante a crise foram sem precedentes", indo "além do esperado" e conseguindo evitar um colapso bancário e nos empregos na zona do euro, avaliou. Segundo ela, as medidas de apoio foram generalizadas, e o objetivo agora deve ser tornar as ajudas mais direcionadas. A líder do FMI reforçou que empréstimos de má qualidade devem ser evitados e os setores com mais capacidade de geração de empregos devem ter prioridade, ainda que seja complicado enfrentar pressão e lobby.

Para ela, o pior cenário é não haver recuperação em 2021, com vacinas não sendo entregues e havendo uma terceira onda de covid-19. O FMI, segundo Georgieva, trabalha com a expectativa de disponibilidade de vacinas na zona do euro no meio de 2021 e no mundo todo até o final de 2022.

As condições atuais são estimulantes para reformas, indicou Georgieva, com especial enfoque em uma transição verde. Espanha e Itália estão tendo problemas com as dívidas, mas o momento de juros baixos pode ser utilizado para tornar a economia "mais competitiva e em trajetória de maior crescimento".

Para Georgieva, o tamanho dos fundos atuais para recuperação é adequado, a "questão é a qualidade dos gastos", avaliou. Sobre os investimentos do programa Nova Geração da União Europeia, "esperamos que ele estimule reformas", disse Georgieva, mais uma vez enfatizando uma economia verde.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;