Fechar
Publicidade

Terça-Feira, 29 de Setembro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Economia

soraiapedrozo@dgabc.com.br | 4435-8057

Indústria do Grande ABC reage em meio à pandemia

Divulgação/Votorantim Diário do Grande ABC - Notícias e informações do Grande ABC: Santo André, São Bernardo, São Caetano, Diadema, Mauá, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra

Uso da capacidade instalada, que em abril era de 39%, em julho avançou para 52%


Soraia Abreu Pedrozo
Do Diário do Grande ABC

16/09/2020 | 00:03


A indústria do Grande ABC está reagindo, apesar do baque provocado pela pandemia do novo coronavírus. O uso da capacidade instalada das fábricas, que era de 39% em abril, chegou a 52% em julho. “O período mais duro foi entre meados de março até meados de maio. A indústria utilizou muito pouco sua capacidade de produção e a ociosidade aumentou”, diz o coordenador de estudos do Observatório Econômico da Metodista, Sandro Maskio, referindo-se ao fato de que essa ociosidade chegou a 61% e, recentemente, recuou para 48%. No entanto, ante julho de 2019, as empresas usavam 63% de sua capacidade.

Além disso, quando se compara com o cenário nacional, onde o uso da capacidade instalada chega a 67%, a recuperação no País está mais rápida do que na região. “No Grande ABC, nossa reação foi mais lenta do que no cenário nacional por dois fatores. Um deles é a composição de nossa indústria, tem peso significativo das cadeias automotiva e petroquímica, que sofreram mais com a pandemia. Outro é o câmbio, que embora seja vantajoso para a exportação, tornou a importação extremamente cara. E a indústria da região, nas últimas décadas, tornou-se grande importadora de insumos de produção”, explica Maskio.

Quanto ao impacto no emprego das fábricas das sete cidades, de janeiro a junho foram demitidos 8.142 profissionais, sendo que no ano passado inteiro o setor cortou 4.900 vagas.
 



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Indústria do Grande ABC reage em meio à pandemia

Uso da capacidade instalada, que em abril era de 39%, em julho avançou para 52%

Soraia Abreu Pedrozo
Do Diário do Grande ABC

16/09/2020 | 00:03


A indústria do Grande ABC está reagindo, apesar do baque provocado pela pandemia do novo coronavírus. O uso da capacidade instalada das fábricas, que era de 39% em abril, chegou a 52% em julho. “O período mais duro foi entre meados de março até meados de maio. A indústria utilizou muito pouco sua capacidade de produção e a ociosidade aumentou”, diz o coordenador de estudos do Observatório Econômico da Metodista, Sandro Maskio, referindo-se ao fato de que essa ociosidade chegou a 61% e, recentemente, recuou para 48%. No entanto, ante julho de 2019, as empresas usavam 63% de sua capacidade.

Além disso, quando se compara com o cenário nacional, onde o uso da capacidade instalada chega a 67%, a recuperação no País está mais rápida do que na região. “No Grande ABC, nossa reação foi mais lenta do que no cenário nacional por dois fatores. Um deles é a composição de nossa indústria, tem peso significativo das cadeias automotiva e petroquímica, que sofreram mais com a pandemia. Outro é o câmbio, que embora seja vantajoso para a exportação, tornou a importação extremamente cara. E a indústria da região, nas últimas décadas, tornou-se grande importadora de insumos de produção”, explica Maskio.

Quanto ao impacto no emprego das fábricas das sete cidades, de janeiro a junho foram demitidos 8.142 profissionais, sendo que no ano passado inteiro o setor cortou 4.900 vagas.
 

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;