Fechar
Publicidade

Quarta-Feira, 5 de Agosto

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

|

Mundo pós-pandemia


Dom Pedro Cipollini

05/07/2020 | 00:01


A pandemia do coronavírus (declarada em 11 de março de 2020) é o primeiro evento verdadeiramente global. Deixará uma marca profunda em nosso tempo. Vai afetar nossa forma de pensar o poder, a economia, a sociedade e a vida.

É a própria alma da sociedade, ou seja, a relação inter-humana, que é posta em causa e o mundo que sairá deste acontecimento será diferente. Melhor ou pior? Quem sabe? Dependerá desta geração e da próxima.

As imagens das filas, de pessoas com máscaras, de doentes em hospitais, e caixões de mortos indo para o sepultamento ficarão na memória por muito tempo. O contágio da doença aumentou o fosso socioeconômico e aponta para o distanciamento entre países pobres e ricos, após a pandemia.

A pobreza global aumentará este ano pela primeira vez em duas décadas, segundo dados de instituições internacionais. Vai atingir perto de 8% da população e significará mais fome. Esta sim, outra pandemia por vir, seguindo a clássica trilogia apocalíptica: peste, fome e guerra.

Neste contexto dramático, em que somente aqui no Grande ABC já morreram mais de 1.000 pessoas, é preciso optar pela vida, para se evitar o pior. Pior? Sim, sempre pode piorar! Jesus Cristo indica a sacralidade da vida humana diante de todas as outras opções.

Há uma diferença essencial entre uma política feita em nome da vida, e outra que faz da morte de alguns, condição da vida de outros. Foi por isso que, apesar da dificuldade de aceitar o autoisolamento do clero, e o cancelamento das celebrações presenciais nas igrejas, vimos nesta medida a retidão e o bom-senso. Caso contrário, nos tornaríamos nós próprios instrumentos de contágio.

A solidariedade é nossa resposta de fé à tristeza e ao drama que se abateram sobre nossas comunidades, e sobre o mundo todo. “Estamos todos no mesmo barco e precisamos remar juntos” (papa Francisco). O voluntariado adquire hoje toda sua beleza e força diante desta crise. Voluntariado feito de renúncias, generosidade, sacrifício e amor. Estas são as forças inspiradoras da graça de Deus, que pode fazer tudo renascer: “Eis que faço novas todas as coisas” (Ap. 21,5).

Deus age, assim como fez após o dilúvio, após o êxodo, após a morte de Jesus na Cruz... É neste fazer novas todas as coisas que os cristãos têm papel importante, missão ‘espiritual’. É dar alma aos acontecimentos em favor da justiça e da paz, construções contínuas, a serem sempre recomeçadas e nunca terminadas na história direcionada para o Reino de Deus.

Em qualquer situação humana a testemunha atesta o que foi dito e feito por outro. E nós somos testemunhas de Jesus Cristo, Filho de Deus que morreu e ressuscitou: está vivo! Com Ele o domínio da morte acabou. Por isso, tranquilizemo-nos uns aos outros quanto à vitória final do amor. Jesus disse: “Meu Pai age sempre e eu também trabalho” (Jo 5,17). Precisamos discernir a ação de Deus mesmo em meio a esta pandemia e perceber o que Ele pede de nós para o futuro.

Ouso enumerar aqui algumas intuições de muitas pessoas neste tempo, com o olhar voltado para o futuro que se anuncia no pós-pandemia: Não apostar no mito de um progresso ilimitado que prescinde de Deus. A família humana deve ser solidária em todos os âmbitos da existência. Uma ecologia integral que preserve a criação, a casa comum, é tarefa urgente. Educar as mentes, mas, antes, os corações. 

O ser humano deve reconhecer seus limites e fragilidades: não somos donos de nossas vidas. A par dos direitos e liberdade, existem os deveres e responsabilidades sociais uns com os outros. Que Deus nos dê coragem e nos ajude. 

Para Ele nada é impossível.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Mundo pós-pandemia

Dom Pedro Cipollini

05/07/2020 | 00:01


A pandemia do coronavírus (declarada em 11 de março de 2020) é o primeiro evento verdadeiramente global. Deixará uma marca profunda em nosso tempo. Vai afetar nossa forma de pensar o poder, a economia, a sociedade e a vida.

É a própria alma da sociedade, ou seja, a relação inter-humana, que é posta em causa e o mundo que sairá deste acontecimento será diferente. Melhor ou pior? Quem sabe? Dependerá desta geração e da próxima.

As imagens das filas, de pessoas com máscaras, de doentes em hospitais, e caixões de mortos indo para o sepultamento ficarão na memória por muito tempo. O contágio da doença aumentou o fosso socioeconômico e aponta para o distanciamento entre países pobres e ricos, após a pandemia.

A pobreza global aumentará este ano pela primeira vez em duas décadas, segundo dados de instituições internacionais. Vai atingir perto de 8% da população e significará mais fome. Esta sim, outra pandemia por vir, seguindo a clássica trilogia apocalíptica: peste, fome e guerra.

Neste contexto dramático, em que somente aqui no Grande ABC já morreram mais de 1.000 pessoas, é preciso optar pela vida, para se evitar o pior. Pior? Sim, sempre pode piorar! Jesus Cristo indica a sacralidade da vida humana diante de todas as outras opções.

Há uma diferença essencial entre uma política feita em nome da vida, e outra que faz da morte de alguns, condição da vida de outros. Foi por isso que, apesar da dificuldade de aceitar o autoisolamento do clero, e o cancelamento das celebrações presenciais nas igrejas, vimos nesta medida a retidão e o bom-senso. Caso contrário, nos tornaríamos nós próprios instrumentos de contágio.

A solidariedade é nossa resposta de fé à tristeza e ao drama que se abateram sobre nossas comunidades, e sobre o mundo todo. “Estamos todos no mesmo barco e precisamos remar juntos” (papa Francisco). O voluntariado adquire hoje toda sua beleza e força diante desta crise. Voluntariado feito de renúncias, generosidade, sacrifício e amor. Estas são as forças inspiradoras da graça de Deus, que pode fazer tudo renascer: “Eis que faço novas todas as coisas” (Ap. 21,5).

Deus age, assim como fez após o dilúvio, após o êxodo, após a morte de Jesus na Cruz... É neste fazer novas todas as coisas que os cristãos têm papel importante, missão ‘espiritual’. É dar alma aos acontecimentos em favor da justiça e da paz, construções contínuas, a serem sempre recomeçadas e nunca terminadas na história direcionada para o Reino de Deus.

Em qualquer situação humana a testemunha atesta o que foi dito e feito por outro. E nós somos testemunhas de Jesus Cristo, Filho de Deus que morreu e ressuscitou: está vivo! Com Ele o domínio da morte acabou. Por isso, tranquilizemo-nos uns aos outros quanto à vitória final do amor. Jesus disse: “Meu Pai age sempre e eu também trabalho” (Jo 5,17). Precisamos discernir a ação de Deus mesmo em meio a esta pandemia e perceber o que Ele pede de nós para o futuro.

Ouso enumerar aqui algumas intuições de muitas pessoas neste tempo, com o olhar voltado para o futuro que se anuncia no pós-pandemia: Não apostar no mito de um progresso ilimitado que prescinde de Deus. A família humana deve ser solidária em todos os âmbitos da existência. Uma ecologia integral que preserve a criação, a casa comum, é tarefa urgente. Educar as mentes, mas, antes, os corações. 

O ser humano deve reconhecer seus limites e fragilidades: não somos donos de nossas vidas. A par dos direitos e liberdade, existem os deveres e responsabilidades sociais uns com os outros. Que Deus nos dê coragem e nos ajude. 

Para Ele nada é impossível.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;