Fechar
Publicidade

Sábado, 11 de Julho

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

diarinho@dgabc.com.br | 4435-8396

Reencontro com o clima gelado

DGABC Diário do Grande ABC - Notícias e informações do Grande ABC: Santo André, São Bernardo, São Caetano, Diadema, Mauá, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra

Temporada mais fria do ano tem início e é necessário ficar de olho em certos cuidados


Luís Felipe Soares
Do Diário do Grande ABC

20/06/2020 | 23:59


É hora de apostar em cobertas grossas, blusas, gorros e pantufas. O inverno está pronto para esfriar o tempo em meio à pandemia e ele costuma dividir opiniões, tendo pessoas que gostam desse tipo de clima e quem prefira aproveitar o máximo o calor ao longo do ano.

A fria estação começou ontem, logo após o fim do outono. O período segue durante cerca de três meses, até 22 de setembro. No Brasil, as temperaturas mais baixas ocorrem na região Sul, formada pelos Estados do Paraná, Santa Catarina e Rio Grande do Sul, com algumas cidades chegando a apresentar geadas, neve e marcas abaixo de zero em algumas ocasiões. O tempo mais gelado da história do País foi registrado em 1945, na cidade de Xanxerê, localizada no Oeste de Santa Catarina e que registrou -11,6°C.

São Paulo faz parte da região Sudeste (ao lado de Minas Gerais, Rio de Janeiro e Espírito Santo), bem acima do Sul, e também costuma apresentar baixos números ao longo desse tempo. No ano passado, a mínima chegou a 6,5ºC, em uma manhã de julho registrada pelo Inmet (Instituto Nacional de Meteorologia). O Grande ABC geralmente acompanha essa queda de temperatura e é comum que frentes frias apareçam para deixar o corpo tremendo.

Maria Carolina Bertinet, 10 anos, de São Caetano, é fã desse tipo de clima. “A parte mais legal é tomar sopa, chocolate quente e fondue. Já a parte chata é tomar banhos pela manhã”, conta a menina. Geralmente, sua rotina durante a estação inclui, além das atividades escolares e de deveres em casa, assistir à TV debaixo das cobertas, usar blusas quentinhas e comer comidas quentes. “Nos dias gelados eu tenho vontade de fazer muitas coisas para me aquecer, e nos dias quente eu não tenho vontade de fazer nada, porque cada vez que eu me mexo fica mais calor.”

Quando pensa no inverno, imagina vento, cobertores e neve, este último a fazendo recordar da vez em que mais sentiu frio durante uma viagem para a Europa, onde as temperaturas podem ser bem mais baixas do que as do Brasil. “Foi quando eu fui para uma viagem de férias para a França. Nós (a família) fomos para uma montanha brincar e conhecer a neve. Nesse dia eu senti muito, mas muito frio, principalmente nas minhas mãos, porque eu estava sem luvas. Foi muito legal conhecer a neve. É, sem dúvida, uma aventura congelante.”

Alguns cuidados especiais são necessários quando o tempo está bem gelado. Um dos aspectos mais comuns é que a pele fica mais ressecada (com pouca umidade), com o alto consumo de água e o uso de cremes hidratantes – há itens específicos para crianças – aparecendo entre os cuidados. O costume de ficar coberto dos pés à cabeça também deve ser observado. Certas doenças são capazes de surgir da facilidade de micro-organismos crescerem em ambientes escuros e abafados, então é preciso deixar que as áreas ‘respirem’ um pouco. 

Movimento da Terra ao redor do Sol gera as estações

A chegada do tempo mais frio do que o comum tem explicação científica. Na verdade, é inverno em um hemisfério quando o período de Sol é menor, ou seja, há menos aquecimento, uma vez que as noites são mais longas do que os dias.

Tudo ocorre por causa do movimento de translação da Terra, ou seja, as voltas que ela dá ao redor do Sol. O decorrer de um ano conta com mudanças onde o Hemisfério Norte e o Hemisfério Sul estão mais voltados à estrela central. Por isso que quando é verão de um lado, o inverno ocorre do outro, com os períodos de transição sendo caracterizados por primavera e outono. As estações são inversas nos dois pontos. Outro detalhe importante envolve a inclinação de 23 graus do planeta em relação à radiação dos raios solares. 

De maneira geral, o inverno é marcado por quedas de temperatura e baixo nível de chuvas. É comum a chegada de frentes frias, com o surgimento posterior de massas de ar frio, sendo que as chamadas inversões térmicas (fenômeno que ocorre quando ar gelado é impedido de circular em área de camada de ar quente, como acontece nas cidades) geram neblinas e nevoeiros.

Clima gelado tem destaque no universo da animação ‘Frozen’

O clima gelado acaba sendo bem chamativo dentro do universo de Frozen – Uma Aventura Congelante (2013). A produção da Disney se passa no fictício reino de Arendelle, nome dado como referência à cidade de Arendal, na Noruega, país que serve de inspiração para o cenário, inclusive com o frio típico do local.

A popularidade do desenho fez com que uma continuação fosse produzida. Frozen 2 (2019) esteve em cartaz nos cinemas brasileiros no começo do ano e mostra informações sobre a família de irmãs Anna e Elsa, a origem dos poderes da irmã mais velha e os segredos de uma antiga floresta mágica. O filme está no catálogo do streaming Amazon Prime Video e pode ser visto por assinantes.

Figura secundária na história, o boneco de neve Olaf ganhou protagonismo durante a pandemia da Covid-19. Ele estrela a série on-line At Home With Olaf (Em Casa com o Olaf, em tradução), com pequenos vídeos de diversões solo do personagem. O material traz ele brincando com bolas de neve, dançando no gelo e pescando, entre outras atividades. Os vídeos estão no YouTube dos estúdios Disney (www.youtube.com/disneyanimation) e, mesmo não tendo dublagem nem legenda, ajudam a passar o tempo com algumas risadas.

Consultoria de Eduarda Porello, médica dermatologista.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Reencontro com o clima gelado

Temporada mais fria do ano tem início e é necessário ficar de olho em certos cuidados

Luís Felipe Soares
Do Diário do Grande ABC

20/06/2020 | 23:59


É hora de apostar em cobertas grossas, blusas, gorros e pantufas. O inverno está pronto para esfriar o tempo em meio à pandemia e ele costuma dividir opiniões, tendo pessoas que gostam desse tipo de clima e quem prefira aproveitar o máximo o calor ao longo do ano.

A fria estação começou ontem, logo após o fim do outono. O período segue durante cerca de três meses, até 22 de setembro. No Brasil, as temperaturas mais baixas ocorrem na região Sul, formada pelos Estados do Paraná, Santa Catarina e Rio Grande do Sul, com algumas cidades chegando a apresentar geadas, neve e marcas abaixo de zero em algumas ocasiões. O tempo mais gelado da história do País foi registrado em 1945, na cidade de Xanxerê, localizada no Oeste de Santa Catarina e que registrou -11,6°C.

São Paulo faz parte da região Sudeste (ao lado de Minas Gerais, Rio de Janeiro e Espírito Santo), bem acima do Sul, e também costuma apresentar baixos números ao longo desse tempo. No ano passado, a mínima chegou a 6,5ºC, em uma manhã de julho registrada pelo Inmet (Instituto Nacional de Meteorologia). O Grande ABC geralmente acompanha essa queda de temperatura e é comum que frentes frias apareçam para deixar o corpo tremendo.

Maria Carolina Bertinet, 10 anos, de São Caetano, é fã desse tipo de clima. “A parte mais legal é tomar sopa, chocolate quente e fondue. Já a parte chata é tomar banhos pela manhã”, conta a menina. Geralmente, sua rotina durante a estação inclui, além das atividades escolares e de deveres em casa, assistir à TV debaixo das cobertas, usar blusas quentinhas e comer comidas quentes. “Nos dias gelados eu tenho vontade de fazer muitas coisas para me aquecer, e nos dias quente eu não tenho vontade de fazer nada, porque cada vez que eu me mexo fica mais calor.”

Quando pensa no inverno, imagina vento, cobertores e neve, este último a fazendo recordar da vez em que mais sentiu frio durante uma viagem para a Europa, onde as temperaturas podem ser bem mais baixas do que as do Brasil. “Foi quando eu fui para uma viagem de férias para a França. Nós (a família) fomos para uma montanha brincar e conhecer a neve. Nesse dia eu senti muito, mas muito frio, principalmente nas minhas mãos, porque eu estava sem luvas. Foi muito legal conhecer a neve. É, sem dúvida, uma aventura congelante.”

Alguns cuidados especiais são necessários quando o tempo está bem gelado. Um dos aspectos mais comuns é que a pele fica mais ressecada (com pouca umidade), com o alto consumo de água e o uso de cremes hidratantes – há itens específicos para crianças – aparecendo entre os cuidados. O costume de ficar coberto dos pés à cabeça também deve ser observado. Certas doenças são capazes de surgir da facilidade de micro-organismos crescerem em ambientes escuros e abafados, então é preciso deixar que as áreas ‘respirem’ um pouco. 

Movimento da Terra ao redor do Sol gera as estações

A chegada do tempo mais frio do que o comum tem explicação científica. Na verdade, é inverno em um hemisfério quando o período de Sol é menor, ou seja, há menos aquecimento, uma vez que as noites são mais longas do que os dias.

Tudo ocorre por causa do movimento de translação da Terra, ou seja, as voltas que ela dá ao redor do Sol. O decorrer de um ano conta com mudanças onde o Hemisfério Norte e o Hemisfério Sul estão mais voltados à estrela central. Por isso que quando é verão de um lado, o inverno ocorre do outro, com os períodos de transição sendo caracterizados por primavera e outono. As estações são inversas nos dois pontos. Outro detalhe importante envolve a inclinação de 23 graus do planeta em relação à radiação dos raios solares. 

De maneira geral, o inverno é marcado por quedas de temperatura e baixo nível de chuvas. É comum a chegada de frentes frias, com o surgimento posterior de massas de ar frio, sendo que as chamadas inversões térmicas (fenômeno que ocorre quando ar gelado é impedido de circular em área de camada de ar quente, como acontece nas cidades) geram neblinas e nevoeiros.

Clima gelado tem destaque no universo da animação ‘Frozen’

O clima gelado acaba sendo bem chamativo dentro do universo de Frozen – Uma Aventura Congelante (2013). A produção da Disney se passa no fictício reino de Arendelle, nome dado como referência à cidade de Arendal, na Noruega, país que serve de inspiração para o cenário, inclusive com o frio típico do local.

A popularidade do desenho fez com que uma continuação fosse produzida. Frozen 2 (2019) esteve em cartaz nos cinemas brasileiros no começo do ano e mostra informações sobre a família de irmãs Anna e Elsa, a origem dos poderes da irmã mais velha e os segredos de uma antiga floresta mágica. O filme está no catálogo do streaming Amazon Prime Video e pode ser visto por assinantes.

Figura secundária na história, o boneco de neve Olaf ganhou protagonismo durante a pandemia da Covid-19. Ele estrela a série on-line At Home With Olaf (Em Casa com o Olaf, em tradução), com pequenos vídeos de diversões solo do personagem. O material traz ele brincando com bolas de neve, dançando no gelo e pescando, entre outras atividades. Os vídeos estão no YouTube dos estúdios Disney (www.youtube.com/disneyanimation) e, mesmo não tendo dublagem nem legenda, ajudam a passar o tempo com algumas risadas.

Consultoria de Eduarda Porello, médica dermatologista.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;