Fechar
Publicidade

Domingo, 12 de Julho

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Economia

soraiapedrozo@dgabc.com.br | 4435-8057

Trabalhadores da Bridgestone fecham acordo da PLR

Denis Maciel/DGABC Diário do Grande ABC - Notícias e informações do Grande ABC: Santo André, São Bernardo, São Caetano, Diadema, Mauá, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra

Após dois dias em estado de greve, quantia foi negociada em R$ 10 mil; operários terão mais um mês de contrato suspenso


Flavia Kurotori
Do Diário do Grande ABC

03/06/2020 | 17:46


Em assembleia realizada na tarde desta quarta-feira (3), os trabalhadores da Bridgestone, em Santo André, aceitaram a proposta da PLR (Participação nos Lucros e Resultados) de R$ 10 mil oferecida pela empresa. Os funcionários estavam em estado de greve desde segunda-feira pedindo negociação do valor. Na ocasião, também foi aprovado mais 30 dias de suspensão dos contratos de trabalho, totalizando quatro meses.

Segundo Márcio Ferreira, presidente do Sindicato dos Borracheiros da Grande São Paulo, a PLR, referente a 2019, será paga em duas parcelas - a primeira, de R$ 9.000 na próxima semana e, em dezembro, R$ 1.000. Além disso, a companhia também irá pagar os dias em que os operários ficaram parados.

Em relação à campanha salarial, cuja reivindicação é de reajuste de 5% e vale-alimentação de R$ 200 (atualmente em R$ 120), o acordo será feito quando a suspensão do contrato de trabalho finalizar, ou seja, após agosto, uma vez que a Bridgestone aderiu à MP (Medida Provisória) 936, que autoriza a modalidade, desde maio. Entretanto, a data-base, em 1º de junho foi mantida, ou seja, o reajuste será retroativo.

"Juntou a situação do mercado (de pneus, cujas vendas caíram até 50% na pandemia) e a sanitária por causa do aumento de casos e aprovaram mais um mês de suspensão", afirmou Ferreira. O sindicalista destacou que dos 3.200 funcionários, 90% (cerca de 2.280) foram atingidos pela medida. "Apenas quem trabalha na produção de pneus para SUVs vai continuar trabalhando", explicou.

A equipe do Diário questionou a Bridgestone e aguarda retorno. 



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Trabalhadores da Bridgestone fecham acordo da PLR

Após dois dias em estado de greve, quantia foi negociada em R$ 10 mil; operários terão mais um mês de contrato suspenso

Flavia Kurotori
Do Diário do Grande ABC

03/06/2020 | 17:46


Em assembleia realizada na tarde desta quarta-feira (3), os trabalhadores da Bridgestone, em Santo André, aceitaram a proposta da PLR (Participação nos Lucros e Resultados) de R$ 10 mil oferecida pela empresa. Os funcionários estavam em estado de greve desde segunda-feira pedindo negociação do valor. Na ocasião, também foi aprovado mais 30 dias de suspensão dos contratos de trabalho, totalizando quatro meses.

Segundo Márcio Ferreira, presidente do Sindicato dos Borracheiros da Grande São Paulo, a PLR, referente a 2019, será paga em duas parcelas - a primeira, de R$ 9.000 na próxima semana e, em dezembro, R$ 1.000. Além disso, a companhia também irá pagar os dias em que os operários ficaram parados.

Em relação à campanha salarial, cuja reivindicação é de reajuste de 5% e vale-alimentação de R$ 200 (atualmente em R$ 120), o acordo será feito quando a suspensão do contrato de trabalho finalizar, ou seja, após agosto, uma vez que a Bridgestone aderiu à MP (Medida Provisória) 936, que autoriza a modalidade, desde maio. Entretanto, a data-base, em 1º de junho foi mantida, ou seja, o reajuste será retroativo.

"Juntou a situação do mercado (de pneus, cujas vendas caíram até 50% na pandemia) e a sanitária por causa do aumento de casos e aprovaram mais um mês de suspensão", afirmou Ferreira. O sindicalista destacou que dos 3.200 funcionários, 90% (cerca de 2.280) foram atingidos pela medida. "Apenas quem trabalha na produção de pneus para SUVs vai continuar trabalhando", explicou.

A equipe do Diário questionou a Bridgestone e aguarda retorno. 

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;