Fechar
Publicidade

Sábado, 31 de Outubro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Setecidades

setecidades@dgabc.com.br | 4435-8319

Andreense completa maratona no quintal

André Henriques/DGABC Diário do Grande ABC - Notícias e informações do Grande ABC: Santo André, São Bernardo, São Caetano, Diadema, Mauá, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra

Antônio Odivaldo de Souza, 58 anos, dá 704 voltas em percurso de 60 metros em 3h47min para alcançar os 42 quilômetros de uma prova deste tipo


Dérek Bittencourt
Do Diário do Grande ABC

13/04/2020 | 23:50


Antônio Odivaldo de Souza. Apelido: Toninho. Mas também pode chamá-lo de “Perseverante” que, com certeza, o andreense aposentado de 58 anos atenderá. Isso porque no sábado ele alcançou uma marca um tanto quanto incomum: deu 704 voltas em um percurso montado no jardim da sua casa, em Santo André, para completar os 42 quilômetros de uma maratona, em situação que levou 3h47min40s para ser concretizada. Isso não bastasse, a mulher, Patrícia Catisse, captou as imagens e o filho narrador esportivo e cerimonialista Rafael Spinelli adicionou sua voz – com ajuda da edição do amigo Léo Lucas –, transformando-o em um emocionante feito, que pode ser visto pelo QR Code abaixo (basta escaneá-lo usando a câmera do celular).

Praticante do atletismo desde os 15 anos, Toninho já desafiou provas de 10 quilômetros, 15 quilômetros, 21 quilômetros, 42 quilômetros e até mesmo ultramaratonas. Acostumado a treinos diários a pé, de bicicleta ou na academia, o aposentado se viu restrito aos exercícios caseiros quando começou a quarentena ocasionada pela pandemia do novo coronavírus. Foi então que teve uma ideia: afastou alguns móveis, deixou o carro para fora da garagem e montou na própria residência um percurso de 60 metros.

“De repente me vi em situação de não poder sair de casa e tinha que fazer alguma coisa, porque o dia passa, o corpo sente falta do exercício”, conta Toninho. “Um dia levantei cedo e resolvi fazer um treino. Primeiro, andei dois quilômetros no quintal. Pensei: se afastar uma mesa, colocar o carro para fora, dá para dar uma corridinha. Corri cinco quilômetros, depois fiz três corridas de dez. No outro dia, cheguei aos 21. Foi então que resolvi correr uma maratona no quintal”, relembra o aposentado.

Para alcançar o feito, realizou alguns treinos específicos, como fortalecer joelhos e tornozelos para o trajeto curto, travado e repleto de curvas. Experiências que adquiriu nas preparações para as grandes provas de sua vida, casos da Maratona de São Paulo de 2011 e de duas edições do Desafio das 28 Praias, no Litoral Norte, este o qual foi bicampeão da sua categoria. Além disso, correu até Aparecida em 38 horas. “Sempre gostei de me testar, de lançar um desafio”, afirma.<EM>

Toninho espera que sua disposição possa servir de exemplo e incentivo para aqueles que estão em casa em razão do isolamento social. “Às vezes a pessoa não tem essa ideia (de se exercitar em casa), mas a partir disso talvez possa pensar em correr ou praticar outros tipos de atividade no quintal ou dentro de casa. Seria bem legal se as pessoas adotassem”, admite.

A mulher, Patrícia, companheira de cicloturisno – no ano passado, ambos superaram 1.214 quilômetros pedalando até o Espírito Santo –, improvisou uma linha de chegada para que o marido finalizasse o desafio em grande estilo. E os últimos metros ganharam narração repleta de emoção na voz do filho Rafael Spinelli. “Vai Toninho, passa pela linha de chegada! Uma maratona completa no quintal de casa. Sensacional. Campeão, vencedor. Você é demais. O impossível, quando te vê, corre de medo. Parabéns, Toninho! Que feito!”

No fim do vídeo, o aposentado manda uma mensagem aos colegas corredores. “Abraço a todos os atletas amadores e profissionais que não estão podendo fazer seus treinos como gostariam nas ruas, clubes, academiras, parques. Mas, com fé em Deus, logo estaremos vencendo esse vírus e poderemos voltar ao normal”, diz.

Toninho explica que, apesar de estar fora do grupo de risco, está há 20 dias sem sair de casa – exceção feita a três oportunidades “de no máximo 30 minutos cada.” “As pessoas têm de abraçar essa quarentena para que a gente não viva a situação que estão vivendo lá fora. Somos privilegiados por tê-los como exemplo”, finaliza. 



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Andreense completa maratona no quintal

Antônio Odivaldo de Souza, 58 anos, dá 704 voltas em percurso de 60 metros em 3h47min para alcançar os 42 quilômetros de uma prova deste tipo

Dérek Bittencourt
Do Diário do Grande ABC

13/04/2020 | 23:50


Antônio Odivaldo de Souza. Apelido: Toninho. Mas também pode chamá-lo de “Perseverante” que, com certeza, o andreense aposentado de 58 anos atenderá. Isso porque no sábado ele alcançou uma marca um tanto quanto incomum: deu 704 voltas em um percurso montado no jardim da sua casa, em Santo André, para completar os 42 quilômetros de uma maratona, em situação que levou 3h47min40s para ser concretizada. Isso não bastasse, a mulher, Patrícia Catisse, captou as imagens e o filho narrador esportivo e cerimonialista Rafael Spinelli adicionou sua voz – com ajuda da edição do amigo Léo Lucas –, transformando-o em um emocionante feito, que pode ser visto pelo QR Code abaixo (basta escaneá-lo usando a câmera do celular).

Praticante do atletismo desde os 15 anos, Toninho já desafiou provas de 10 quilômetros, 15 quilômetros, 21 quilômetros, 42 quilômetros e até mesmo ultramaratonas. Acostumado a treinos diários a pé, de bicicleta ou na academia, o aposentado se viu restrito aos exercícios caseiros quando começou a quarentena ocasionada pela pandemia do novo coronavírus. Foi então que teve uma ideia: afastou alguns móveis, deixou o carro para fora da garagem e montou na própria residência um percurso de 60 metros.

“De repente me vi em situação de não poder sair de casa e tinha que fazer alguma coisa, porque o dia passa, o corpo sente falta do exercício”, conta Toninho. “Um dia levantei cedo e resolvi fazer um treino. Primeiro, andei dois quilômetros no quintal. Pensei: se afastar uma mesa, colocar o carro para fora, dá para dar uma corridinha. Corri cinco quilômetros, depois fiz três corridas de dez. No outro dia, cheguei aos 21. Foi então que resolvi correr uma maratona no quintal”, relembra o aposentado.

Para alcançar o feito, realizou alguns treinos específicos, como fortalecer joelhos e tornozelos para o trajeto curto, travado e repleto de curvas. Experiências que adquiriu nas preparações para as grandes provas de sua vida, casos da Maratona de São Paulo de 2011 e de duas edições do Desafio das 28 Praias, no Litoral Norte, este o qual foi bicampeão da sua categoria. Além disso, correu até Aparecida em 38 horas. “Sempre gostei de me testar, de lançar um desafio”, afirma.<EM>

Toninho espera que sua disposição possa servir de exemplo e incentivo para aqueles que estão em casa em razão do isolamento social. “Às vezes a pessoa não tem essa ideia (de se exercitar em casa), mas a partir disso talvez possa pensar em correr ou praticar outros tipos de atividade no quintal ou dentro de casa. Seria bem legal se as pessoas adotassem”, admite.

A mulher, Patrícia, companheira de cicloturisno – no ano passado, ambos superaram 1.214 quilômetros pedalando até o Espírito Santo –, improvisou uma linha de chegada para que o marido finalizasse o desafio em grande estilo. E os últimos metros ganharam narração repleta de emoção na voz do filho Rafael Spinelli. “Vai Toninho, passa pela linha de chegada! Uma maratona completa no quintal de casa. Sensacional. Campeão, vencedor. Você é demais. O impossível, quando te vê, corre de medo. Parabéns, Toninho! Que feito!”

No fim do vídeo, o aposentado manda uma mensagem aos colegas corredores. “Abraço a todos os atletas amadores e profissionais que não estão podendo fazer seus treinos como gostariam nas ruas, clubes, academiras, parques. Mas, com fé em Deus, logo estaremos vencendo esse vírus e poderemos voltar ao normal”, diz.

Toninho explica que, apesar de estar fora do grupo de risco, está há 20 dias sem sair de casa – exceção feita a três oportunidades “de no máximo 30 minutos cada.” “As pessoas têm de abraçar essa quarentena para que a gente não viva a situação que estão vivendo lá fora. Somos privilegiados por tê-los como exemplo”, finaliza. 

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;