Fechar
Publicidade

Terça-Feira, 2 de Junho

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Política

politica@dgabc.com.br | 4435-8391

Auricchio fortalece PSDB e aliados de olho no projeto de reeleição

Celso Luiz/DGABC Diário do Grande ABC - Notícias e informações do Grande ABC: Santo André, São Bernardo, São Caetano, Diadema, Mauá, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra

Ala do prefeito de S.Caetano reforçou bancada tucana, trouxe ex-vereadores e filiou alto escalão


Fábio Martins
Do Diário do Grande ABC

09/04/2020 | 00:01


No período de desfecho da janela partidária, o grupo do prefeito de São Caetano, José Auricchio Júnior (PSDB), fortaleceu as fileiras do tucanato e legendas aliadas de olho no projeto de reeleição. As negociações envolveram ampliação da bancada do próprio PSDB, que subiu para seis vereadores com a entrada de Pio Mielo (presidente da Câmara, ex-MDB), trouxe ex-parlamentares, incluindo três ex-dirigentes do Legislativo, além de filiar parte do alto escalão. As tratativas em torno do arco de alianças contabiliza PSDB, PL, Cidadania e Podemos – e ainda mantêm conversas com Avante.

O PSDB formou a maior bancada em 2016, com cinco cadeiras e manteve a ala. Com o acréscimo de Pio, a perspectiva do bloco é eleger sete vereadores no pleito municipal de outubro. Além do dirigente da Câmara, angariou as entradas dos ex-parlamentares Fábio Soares (2.223 votos, terceiro mais votado na disputa, então pelo PV), Roberto do Proerd (1.502 sufrágios, pelo MDB, mas ficou fora da lista) e Severo Neto (1.230 adesões nas urnas, pelo Pros) – o trio entrará na chapa. Além deles, resgataram os ex-presidentes de Câmara Flávio Rstom, Gérsio Sartori e Cláudio Demambro – o último já teve longa estadia no tucanato e chegou a ser candidato ao Paço pela sigla em duas ocasiões: 1996 e 2000.

Parcela significativa do primeiro e segundo escalões do Paço também assinou ficha de filiação no PSDB, incluindo Geová Maria Faria (Mobilidade Urbana), Marcelo Ferreira de Souza (diretor de Trânsito), o superintendente do Saesa (Sistema de Água, Esgoto e Saneamento Ambiental, ex-DAE), Rodrigo Toscano e o reitor da USCS (Universidade Municipal de São Caetano), Marcos Bassi – a titular de Saúde e ex-prefeiturável, Regina Maura Zetone, já era filiada. A maioria não deve postular cargo eletivo, embora Bassi seja cotado em plano majoritário.

Pio alegou que não trabalhava, anteriormente, com expectativa de sair do MDB, contudo, deixou a legenda depois de incompatibilidade de objetivos da estadual, na figura do deputado Jorge Caruso, secretário-geral da sigla, que criticou proximidade com o governo. “Houve inquietação, que acabou precipitando a mudança. Recebi vários convites, mas gosto de atuar em partido de grande porte e fui convencido em conversa franca com o prefeito, diante de plano de fortalecimento do projeto de cidade. Acredito na visão da qualidade da gestão, no trabalho do Beto (Vidoski, PSDB, vice-prefeito), da saúde, com a Regina (Maura), na parceria da USCS.”

Integrante da coordenação, Beto Vidoski, que se recuperou da Covid-19 nos últimos dias, estima fazer 15 vereadores na coligação – das 19 vagas possíveis – com o “reforço do time”. “Tivemos entradas importantes. A ideia é ampliar (a base) ou, ao menos, manter (o número).” O PL ganhou Dr. Seraphim, Moacir Rubira, Caio Funaki, Mauricio Fernandes e Caio Salgado. O Cidadania tem Marcel Munhoz, Tite Campanella, Magali Selva e Sidão do Sindicato. O Podemos, por sua vez, confirmou Suely Nogueira, Paulo Bottura e Edison Parra.  



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Auricchio fortalece PSDB e aliados de olho no projeto de reeleição

Ala do prefeito de S.Caetano reforçou bancada tucana, trouxe ex-vereadores e filiou alto escalão

Fábio Martins
Do Diário do Grande ABC

09/04/2020 | 00:01


No período de desfecho da janela partidária, o grupo do prefeito de São Caetano, José Auricchio Júnior (PSDB), fortaleceu as fileiras do tucanato e legendas aliadas de olho no projeto de reeleição. As negociações envolveram ampliação da bancada do próprio PSDB, que subiu para seis vereadores com a entrada de Pio Mielo (presidente da Câmara, ex-MDB), trouxe ex-parlamentares, incluindo três ex-dirigentes do Legislativo, além de filiar parte do alto escalão. As tratativas em torno do arco de alianças contabiliza PSDB, PL, Cidadania e Podemos – e ainda mantêm conversas com Avante.

O PSDB formou a maior bancada em 2016, com cinco cadeiras e manteve a ala. Com o acréscimo de Pio, a perspectiva do bloco é eleger sete vereadores no pleito municipal de outubro. Além do dirigente da Câmara, angariou as entradas dos ex-parlamentares Fábio Soares (2.223 votos, terceiro mais votado na disputa, então pelo PV), Roberto do Proerd (1.502 sufrágios, pelo MDB, mas ficou fora da lista) e Severo Neto (1.230 adesões nas urnas, pelo Pros) – o trio entrará na chapa. Além deles, resgataram os ex-presidentes de Câmara Flávio Rstom, Gérsio Sartori e Cláudio Demambro – o último já teve longa estadia no tucanato e chegou a ser candidato ao Paço pela sigla em duas ocasiões: 1996 e 2000.

Parcela significativa do primeiro e segundo escalões do Paço também assinou ficha de filiação no PSDB, incluindo Geová Maria Faria (Mobilidade Urbana), Marcelo Ferreira de Souza (diretor de Trânsito), o superintendente do Saesa (Sistema de Água, Esgoto e Saneamento Ambiental, ex-DAE), Rodrigo Toscano e o reitor da USCS (Universidade Municipal de São Caetano), Marcos Bassi – a titular de Saúde e ex-prefeiturável, Regina Maura Zetone, já era filiada. A maioria não deve postular cargo eletivo, embora Bassi seja cotado em plano majoritário.

Pio alegou que não trabalhava, anteriormente, com expectativa de sair do MDB, contudo, deixou a legenda depois de incompatibilidade de objetivos da estadual, na figura do deputado Jorge Caruso, secretário-geral da sigla, que criticou proximidade com o governo. “Houve inquietação, que acabou precipitando a mudança. Recebi vários convites, mas gosto de atuar em partido de grande porte e fui convencido em conversa franca com o prefeito, diante de plano de fortalecimento do projeto de cidade. Acredito na visão da qualidade da gestão, no trabalho do Beto (Vidoski, PSDB, vice-prefeito), da saúde, com a Regina (Maura), na parceria da USCS.”

Integrante da coordenação, Beto Vidoski, que se recuperou da Covid-19 nos últimos dias, estima fazer 15 vereadores na coligação – das 19 vagas possíveis – com o “reforço do time”. “Tivemos entradas importantes. A ideia é ampliar (a base) ou, ao menos, manter (o número).” O PL ganhou Dr. Seraphim, Moacir Rubira, Caio Funaki, Mauricio Fernandes e Caio Salgado. O Cidadania tem Marcel Munhoz, Tite Campanella, Magali Selva e Sidão do Sindicato. O Podemos, por sua vez, confirmou Suely Nogueira, Paulo Bottura e Edison Parra.  

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;