Nacional Titulo
Novos horizontes no tratamento de artrose
07/07/2011 | 14:14
Compartilhar notícia


Novos horizontes no tratamento de artrose

Por Dr. Márcio Hiroaki Kume*

São Paulo, 07 (AE) - A artrose, degeneração da articulação, é um grave problema de saúde com prevalência crescente. Está diretamente relacionada a fatores como obesidade e envelhecimento da população, grandes tendências no mundo de hoje.
As lesões cartilaginosas não-tratadas podem evoluir para a artrose. Antigamente, havia uma indicação muito maior de procedimentos como a artroplastia (substituição de articulações por próteses ou implantes). O problema é que elas são cirurgias abertas com maior morbidade e riscos para o paciente, sendo indicada apenas para os casos graves de artrose.
Atualmente, com o avanço da medicina minimamente invasiva é possível tratar lesões articulares leves a moderadas através da artroscopia, que permite pequenos cortes, diminuindo lesões e melhorando a reabilitação pós-operatória dos pacientes. Juntamente com as técnicas de artroscopia, surgiram novos tratamentos e abordagens terapêuticas para as lesões de cartilagem, que se dividem em conservadoras ou cirúrgicas.
O tratamento conservador caracteriza-se pela educação do paciente em relação a fatores que podem propiciar ou agravar a artrose como excesso de peso, exercícios físicos inadequados e/ou em excesso, fortalecimento muscular ou mudança de atividades inadvertidamente. Além disso, pode-se optar pela utilização de órteses (aparelhos imobilizadores ou de apoio) para auxílio na reabilitação. Outra forma de tratamento conservador é por meio de medicamentos orais ou injetáveis como anti-inflamatórios, analgésicos ou condroprotetores, cujo efeito é proteger cartilagem.
A indicação da cirurgia baseia-se no tamanho da lesão, no local, no estado do lado oposto / contrário à lesão, na existência de tratamentos prévios e na qualidade do osso abaixo da cartilagem. Cada método de tratamento cirúrgico, utilizado isolado ou conjuntamente, possui indicações precisas; no entanto, apresenta também suas limitações.
A chave do sucesso para o tratamento dessas lesões iniciais ou severas depende do médico especialista entender a história natural das lesões, a individualização de cada paciente, de suas doenças associadas e, obviamente, na indicação precisa do melhor tratamento, seja ele conservador ou cirúrgico. O objetivo final dos tratamentos é melhorar a qualidade da vida do paciente, pois não importa apenas quanto tempo iremos viver e sim, como vamos viver o resto de nossas vidas.
Acredito que a medicina atual ainda esteja distante da fórmula da juventude ou de podermos reverter o processo de envelhecimento ou de desgaste articular. Entretanto, novas pesquisas com células-tronco bem como o desenvolvimento de novas técnicas para o tratamento de cartilagem podem melhorar e muito a qualidade de vida de nossos pacientes.
A melhor forma de prevenir ou de tratar artrose é consultar seu ortopedista precocemente, mudando um pouco o conceito de medicina apenas terapêutica (procurá-lo apenas quando incomoda) e enfatizando a nossa medicina preventiva, uma vez que os tratamentos ortopédicos em moléstias iniciais são muito mais benéficos e os resultados, muito melhores.

*Dr. Márcio Hiroaki Kume é coordenador do Grupo de Traumatologia Esportiva e Cirurgia Artroscópica do Hospital Santa Cruz (Curitiba - PR).



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.


;