Fechar
Publicidade

Quarta-Feira, 18 de Maio

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

diarinho@dgabc.com.br | 4435-8396

Confira os bichos mais visitados do zoológico


Do Diário do Grande ABC

02/01/2011 | 07:56


Está sem fazer nada? Convença um adulto a levá-lo ao Zoológico de São Paulo. É pertinho e um dos programas mais legais para as férias. Lá vivem cerca de 3.200 animais de 300 espécies. Os felinos são os que mais chamam a atenção do público por sua beleza. Mas nem sempre é fácil encontrá-los durante o dia. Como têm hábitos noturnos, é melhor deixar para passar pela área deles no fim da tarde. Aliás uma boa pedida é participar da visita noturna, ocasião em que é possível observá-los mais de perto, conhecer seus hábitos e ouvir

Os rugidos, acompanhado de monitores. Os grandões também são os campeões de visitação, bem como os macacos, que são os mais peraltas do lugar. A girafinha Safira é atração à parte. Nasceu com 1,75 m e cresceu muito. Com três meses, já tem quase a

Metade da altura da mãe. Conheça a seguir um pouco sobre os dez bichos mais visitados do parque.

Hipopótamo - O Hipopotamus amphibius passa quase o dia todo dentro da água e à noite sai dos rios para se alimentar. É herbívoro, devorando até 40 kg de vegetação de uma vez. Pesa cerca de 4.500 kg, sendo o terceiro maior mamífero terrestre do planeta. O filhote nasce com 30 kg, depois de gestação de 240 dias (oito meses). Apesar da aparência tranquila, é perigoso. Ataca para defender seu território e proteger os filhotes. Apesar de grandão, é muito ágil. Produz uma secreção, como suor, que depois fica vermelha e serve para proteger a pele do sol, porque vive em regiões muito quentes. Marca seu território com cocô e agita a cauda sobre o monte para melhor espalhá-lo. No Zoológico de São Paulo há três fêmeas. Uma delas, a Teteia, é o animal mais velho de lá. Tem a mesma idade do parque, 52 anos. Já passou por dez gestações.

 

Lobo-guará - O lobo-guará (Chrysocyon brachyurus) é bem diferente dos demais integrantes da família canidae. Tem pelo laranja-avermelhado, orelhas pontudas, patas alongadas e jeito desengonçado de caminhar. Enquanto a maioria dos lobos vive em bando, é agressiva e só come carne, o guará é solitário, tímido e come de tudo, como pequenos animais e frutas. Habita o cerrado brasileiro e corre risco de extinção, por causa da destruição do habitat e por ser caçado pelos fazendeiros para evitar que ele ataque as galinhas quando não encontra comida.

Anta - A anta (Tapirus terrestris) é o maior mamífero terrestre brasileiro. É robusta, com 1,20 m de altura e 300 kg. Tem olhos pequenos e um tipo de crina, mas a característica mais marcante é a narina longa e flexível, que parece tromba. Possui hábitos noturnos, porém também exerce atividades diurnas. Come variedade de folhas, frutos, brotos, caules, espalhando sementes por onde passa por meio do cocô. Apesar do tamanhão, é ágil e quando se assusta corre em direção à mata ou salta na água, sendo excelente nadador. É solitária e só procura parceiro na época reprodutiva, emitindo alguns sons para localizá-lo. A gestação dura 13 meses e nasce um filhote. O bebê é bem diferente; a pelagem marrom tem manchas e listras brancas ou amareladas, que somem depois.

Macaco-barrigudo - O macaco-barrigudo (Lagothrix lagotricha) tem esse nome por apresentar barriga saliente, mas, apesar disso, é musculoso e ágil, podendo saltar de uma árvore para outra. Vive na Floresta Amazônica, onde come de tudo, sementes, flores, néctar, insetos, pequenos animais e frutas. Tem o corpo revestido por pelos e longa cauda chamada de preênsil, capaz de ajudá-lo a apoiar seu corpo e pendurar-se nos galhos. Vive, em média, 24 anos, sempre em grupos de cerca de 30 indivíduos. O macaco-barrigudo é um animal de hábitos diurnos que pode emitir sons para se comunicar com os companheiros. A destruição de florestas e a caça predatória, além da venda de filhotes como bichos de estimação, são as principais ameaças a esta espécie de primata.

 

Leão - Chamado de rei dos animais por causa da juba, o leão (Panthera leo) é o maior felino da savana africana. Só o macho tem juba, que serve para protegê-lo nas brigas e para atrair as fêmeas. Acredita-se que elas preferem as maiores e mais escuras. Vive em grupos formados por várias fêmeas, filhotes e um ou poucos machos. As tarefas são divididas: os machos defendem o bando e o território, as fêmeas cuidam dos filhotes e caçam para todos. Esse felino não é perseguido por nenhum outro animal, alimentando-se de zebras, antílopes, veados e girafas. Tem excelente audição, longas garras e caninos pontudos. Vive em média 20 anos. O macho chega a pesar 250 kg. Está ameaçado de extinção pela destruição das matas, só vivendo livre em parques e reservas.

Onça-pintada - Considerada o maior felino das Américas, a Panthera onca pode pesar 130 kg. No Brasil está espalhada por vários habitats, de florestas como Amazônica e Mata Atlântica a ambientes abertos como pantanal e cerrado. Vive solitária e só é encontrada aos pares em época de reprodução ou enquanto a fêmea está cuidando dos filhotes. Tem mais atividade à noite, mas dependendo da oferta de alimentos também pode caçar de dia. A característica física mais marcante da onça-pintada é a pelagem dourada, com muitas manchas chamadas rosetas. Por causa disso, foi muito caçada para fazer casaco de pele.

Sucuri-verde - A temida anacônda é a sucuri-verde, a segunda maior serpente do planeta, com 9 m e 150 kg. Apesar da fama de assassina, só ataca o homem se sentir-se ameçada. Carne humana não está entre as suas preferidas, já que ela não nos reconhece como presa. Não é venenosa, como a maioria das serpentes gigantes. Ela captura as presas e as mata por constrição, ou seja, enrola seu corpo na vítima e comprime com força até ela não conseguir mais respirar. A sucuri é excelente nadadora, passando grande parte do tempo na água, onde tem mais agilidade para caçar. Alimenta-se de aves aquáticas, roedores, lagartos, capivaras, veados e até jacarés. Vive na América do Sul, sendo mais comum no Brasil em áreas alagadas do Pantanal, onde encontra muito alimento e temperatura agradável. Como é réptil, não consegue controlar a temperatura do corpo como os mamíferos. Como o nome diz, o corpo é verde-escuro, com manchas pretas nos olhos e narina.

Tigre-branco - O tigre-branco não é albino (diz-se de quem não tem pigmentação na pele) como muitos pensam nem subespécie separada. É uma variação do tigre-de-bengala (Panthera tigris tigris), considerado raro. Tem olhos azuis e pelagem branca com listras cor de chocolate. O filhote também nasce assim, depois de gestação de cerca de 100 dias. Fica com a mãe por cerca de oito meses. O adulto pode pesar 250 kg e medir até 2,6 m da cabeça à cauda. Alimenta-se de mamíferos de médio e grande portes como cervos, porcos selvagens e búfalos. Vive solitário e precisa de área de cerca de 150 quilômetros quadrados para explorar, caçar e encontrar abrigo. É um dos felinos mais ameaçados de estinção por causa da caça e destruição das matas. A maioria dos tigres-brancos vive em zoológicos ou parques especiais, já que ele tem dificuldade para se camuflar em liberdade devido à coloração dos pelos. No Zoo de São Paulo há três tigres-brancos - Baboo e Tainá, casal de irmãos que veio da França, e Titan, macho trazido da Argentina. Vive, em média, 20 anos.

Elefante - Considerado o maior mamífero terrestre do planeta, o elefante-africano pode chegar a 7.000 kg; o filhote já nasce com mais de 100 kg depois de gestação de 20 a 22 meses. Tem enormes presas, como dentes, que saem da boca chamadas marfim. A caça do animal para retirada do marfim e a destruição do habitat ameaçam a sobrevivência da espécie na natureza. A longa e flexível tromba serve para respirar, farejar, brigar, se comunicar, sugar água - chupa a água e depois a joga dentro da boca - e até para pegar comida e objetos. A cor do pelo varia do cinza ao marrom-avermelhado dependendo da cor do solo onde vive. Adora tomar banho de lama para proteger a pele de insetos e do sol. Come de 70 a 150 kg de folhagens e frutas e bebe de 80 a 100 l de água por dia. Há duas espécies, o africano e o asiático, de acordo com o local onde vive. O do zoo paulista é africano.

Girafa - A girafa é uma das grandes atrações de todos os parques. Isso ocorre porque esse mamífero é o animal mais alto do planeta. A fêmea chega a 4,3 m e o macho a 5,3 m de altura. Seu longo pescoço só tem sete vértebras cervicais, a mesma quantidade de ossinhos do pescoço humano. Vive em grupos de cerca de 15 indivíduos. Caminha bastante e é veloz; numa corrida, atinge a velocidade de 56 km/h.

Faz parte de um grupo de animais chamado de ruminantes, ou seja, tem quatro estômagos, como a vaca, que regurgita a comida de volta do estômago à boca, mastigando-a de novo. Usa a longa língua de 45 cm para arrancar folhas das árvores; a preferida é a acácia. Come depressa grande quantidade para fugir dos leões. Para se defender, dá violentos coices. O macho usa os cornos, que parecem anteninhas, para atingir o adversário da mesma espécie, quando também trocam cabeçadas e coices. É o animal mais atento do mundo, dormindo só duas horas por noite, em pé ou ajoelhado e com o pescoço apoiado.

A gestação dura média de 420 dias (14 meses), nascendo um filhote, raramente dois. O bebê mede cerca de 1,70 m e pesa 50 kg. Vinte minutos após o parto, já se levanta. A mãe cuida dele intensamente por uma hora, lambendo-o todo para que a siga e fuja dos predadores. O leopardo está sempre de olho nos filhotes. Seu nome científico é Giraffa camelopardalis.



Quer receber em primeira mão as notícias das sete cidades do Grande ABC?

Entre no nosso grupo de WhatsApp. 
Clique aqui.
 

Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.


Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;