Fechar
Publicidade

Domingo, 8 de Dezembro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Internacional

internacional@dgabc.com.br | 4435-8301

Aliado de Trump, Roger Stone é condenado por júri



15/11/2019 | 14:18


Amigo de longa data e aliado do presidente americano, Donald Trump, Roger Stone foi condenado nesta sexta-feira por um júri popular. Ele era acusado de mentir ao Congresso dos Estados Unidos e testemunhar adulterações, mas deve permanecer livre até sua sentença, em 6 de fevereiro, quando pode pegar até 20 anos de prisão.

Stone foi indiciado em janeiro como parte da investigação do advogado especial Robert Mueller sobre a intervenção russa nas eleições de 2016. Os promotores alegaram que ele mentiu para os legisladores sobre o WikiLeaks, adulterou testemunhas e obstruiu uma investigação do Comitê de Inteligência da Câmara dos Representantes.

Seu julgamento destacou como os associados da campanha de Trump estavam ansiosos para coletar informações sobre e-mails dos EUA que o país diz que foram invadidos pela Rússia e depois fornecidos ao WikiLeaks. Stone foi considerado como um "ponto de acesso" ao WikiLeaks e frequentemente se gabava de ter acesso privilegiado ao fundador do WikiLeaks, Julian Assange. Stone nega as acusações. Fonte: Associated Press.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Aliado de Trump, Roger Stone é condenado por júri


15/11/2019 | 14:18


Amigo de longa data e aliado do presidente americano, Donald Trump, Roger Stone foi condenado nesta sexta-feira por um júri popular. Ele era acusado de mentir ao Congresso dos Estados Unidos e testemunhar adulterações, mas deve permanecer livre até sua sentença, em 6 de fevereiro, quando pode pegar até 20 anos de prisão.

Stone foi indiciado em janeiro como parte da investigação do advogado especial Robert Mueller sobre a intervenção russa nas eleições de 2016. Os promotores alegaram que ele mentiu para os legisladores sobre o WikiLeaks, adulterou testemunhas e obstruiu uma investigação do Comitê de Inteligência da Câmara dos Representantes.

Seu julgamento destacou como os associados da campanha de Trump estavam ansiosos para coletar informações sobre e-mails dos EUA que o país diz que foram invadidos pela Rússia e depois fornecidos ao WikiLeaks. Stone foi considerado como um "ponto de acesso" ao WikiLeaks e frequentemente se gabava de ter acesso privilegiado ao fundador do WikiLeaks, Julian Assange. Stone nega as acusações. Fonte: Associated Press.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;