Fechar
Publicidade

Segunda-Feira, 25 de Outubro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Economia

economia@dgabc.com.br | 4435-8057

Com término da greve, exportação é recorde



11/07/2006 | 08:54


As exportações bateram na semana passada a marca recorde de US$ 3,56 bilhões para uma única semana. O resultado é explicado pelo fim da greve dos auditores fiscais da Receita Federal. Os embarques de mercadorias, se encontravam represados, ganharam velocidade e puxaram para cima o valor das exportações. O resultado histórico das vendas externas brasileiras na primeira semana de julho assegurou o superávit de US$ 1,69 bilhão. Foi o melhor saldo semanal do ano e o segundo maior da série do Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior, atrás apenas do superávit de US$ 1,97 bilhão, registrado na quinta semana de julho de 2005.

As importações alcançaram na primeira semana US$ 1,86 bilhão. No ano, o saldo comercial já atingiu US$ 21,22 bilhões, valor que está acima dos US$ 20,03 bilhões obtidos no mesmo período do ano passado. Números mais favoráveis para a balança comercial já eram esperados com o fim da greve, mas o resultado surpreendeu o mercado financeiro e influenciou ontem uma queda maior do dólar frente ao real. Os fiscais da Receita ficaram em greve por 60 dias, movimento que causou grandes transtornos nos portos e aeroportos, retardando tantos os embarques como os desembarques de mercadorias.

O movimento dos auditores só foi interrompido na semana passada, depois que o governo baixou uma MP (medida provisória) incluindo a categoria no grupo de servidores que receberão reajuste salarial. Segundo o presidente do Unafisco (Sindicato Nacional dos Auditores Fiscais), Carlos André Nogueira, a normalização dos despachos aduaneiros deve levar até 15 dias, dependendo de cada localidade onde a paralisação foi mais forte.

Em alguns locais, como o porto de Santos e o aeroporto de Cumbica, onde os fiscais não pararam por tempo indeterminado, o estoque represado de mercadorias é menor e a normalização, disse Nogueira, ocorrerá mais rapidamente. Já em Manaus, nos aeroportos do Rio de Janeiro e Campinas (Viracopos) e nos portos de Vitória, Itajaí e Rio Grande, a greve teve mais força e deve demorar mais tempo para os despachos entrarem na normalidade.

O presidente do Unafisco destacou, no entanto, que cerca de 85% dos despachos aduaneiros são feitos pelo canal verde (livre) e não são afetados pela paralisação dos fiscais. “Os números são fantásticos e animadores, mas estão em boa parte influenciados pelo fim da greve”, avaliou o vice-presidente da AEB (Associação de Comércio Exterior do Brasil), José Augusto de Castro. Segundo ele, o resultado excepcional não deve se repetir na próxima semana.

De acordo com os dados divulgados ontem pelo governo, a média diária das exportações na primeira semana do mês, de US$ 712,2 milhões, também é recorde. Apresentaram no período um crescimento de 35,2% em comparação à média de julho de 2005, de US$ 526,8 milhões. Houve aumento nas vendas externas das três categorias de produtos: semimanufaturados (45,0%), básicos (35,5%) e manufaturados (31,4%).

No grupo de semimanufaturados, o crescimento foi puxado pelas vendas de itens como ligas de alumínio, ouro em forma semimanufaturada e alumínio em bruto. Já a expansão das exportações de básicos refletiu maiores embarques de produtos como milho em grãos, petróleo em bruto, minério de ferro e soja em grão. No grupo dos manufaturados, as maiores vendas são de óxidos e hidróxidos de alumínio, álcool etílico, óleos combustíveis, máquinas e aparelhos para terraplanagem, bombas e compressores, polímeros plásticos, laminados planos de ferro e aço, motores e geradores, motores para veículos e autopeças.

Em relação a junho deste ano, as exportações apresentaram aumento de 30,8%. As importações, pela média diária, tiveram na primeira semana deste mês um aumento de 29,5% sobre a média de julho de 2005 (US$ 288,5 milhões). Nesse período comparativo, aumentaram os gastos principalmente de produtos siderúrgicos (107,7%), cobre (87,3%), combustíveis e lubrificantes (77,0%), farmacêuticos (74,1%), equipamentos mecânicos (23,3%), químicos orgânicos e inorgânicos (21,7%), instrumentos de ótica (19,8%) e plásticos (12,7%). Em relação a junho de 2005, as importações na primeira semana de julho de 2006 registraram expansão de 6,7%, puxadas sobretudo por maiores compras de químicos-orgânicos e inorgânicos (45,5%), adubos e fertilizantes (27,8%), siderúrgicos (20,7%) e combustíveis e lubrificantes (18,1%).



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.


Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;