Fechar
Publicidade

Quarta-Feira, 13 de Novembro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Economia

soraiapedrozo@dgabc.com.br | 4435-8057

Bolsas de NY fecham em queda, com noticiário corporativo e Brexit no radar



22/10/2019 | 18:23


As bolsas de Nova York fecharam em território negativo nesta terça-feira. Os mercados acionários chegaram a abrir em alta, com balanços em foco, mas outras notícias do setor corporativo pressionaram as ações. Além disso, houve piora do quadro à tarde, em meio às dificuldades do governo do Reino Unido para avançar no processo de saída da União Europeia, o Brexit.

O índice Dow Jones fechou em baixa de 0,15%, em 26.788,10 pontos, o Nasdaq teve queda de 0,72%, a 8.104,30 pontos, e o S&P 500 caiu 0,36%, a 2.995,99 pontos, perdendo a marca de 3 mil pontos.

A temporada de balanços continuou a influenciar os negócios. A ação da Procter & Gamble subiu 2,60%, após balanço que superou as expectativas, e United Technologies também mostrou resultados que agradaram, com alta de 2,21% no papel. Por outro lado, McDonald's frustrou as previsões e fechou em queda de 5,04%, pressionando o índice Dow Jones.

Além disso, outras notícias de empresas pesaram. Facebook teve baixa de 3,91%, após a procuradora-geral do Estado de Nova York, Letitia James, anunciar publicamente que a lista de Estados, distritos e território que investigam a rede social por "potenciais violações antitruste" se expandiu "vastamente" pelos EUA. Papéis de tecnologia e serviços de comunicação fecharam em geral com quedas, com Microsoft em baixa de 1,49% e Twitter, de 3,91%.

Entre outras ações importantes, Boeing subiu 1,79%, recuperando em parte a perda do pregão anterior, mesmo após a agência S&P revisar a perspectiva do rating A da empresa de estável para negativa.

Na parte da tarde, o quadro piorou em Nova York, em meio às notícias sobre as dificuldades do premiê Boris Johnson para avançar com o Brexit no Reino Unido. Johnson não conseguiu aval da Câmara dos Comuns para um cronograma acelerado para aprovar um acordo no Brexit e a UE deve dar mais prazo para que ele tente uma solução.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Bolsas de NY fecham em queda, com noticiário corporativo e Brexit no radar


22/10/2019 | 18:23


As bolsas de Nova York fecharam em território negativo nesta terça-feira. Os mercados acionários chegaram a abrir em alta, com balanços em foco, mas outras notícias do setor corporativo pressionaram as ações. Além disso, houve piora do quadro à tarde, em meio às dificuldades do governo do Reino Unido para avançar no processo de saída da União Europeia, o Brexit.

O índice Dow Jones fechou em baixa de 0,15%, em 26.788,10 pontos, o Nasdaq teve queda de 0,72%, a 8.104,30 pontos, e o S&P 500 caiu 0,36%, a 2.995,99 pontos, perdendo a marca de 3 mil pontos.

A temporada de balanços continuou a influenciar os negócios. A ação da Procter & Gamble subiu 2,60%, após balanço que superou as expectativas, e United Technologies também mostrou resultados que agradaram, com alta de 2,21% no papel. Por outro lado, McDonald's frustrou as previsões e fechou em queda de 5,04%, pressionando o índice Dow Jones.

Além disso, outras notícias de empresas pesaram. Facebook teve baixa de 3,91%, após a procuradora-geral do Estado de Nova York, Letitia James, anunciar publicamente que a lista de Estados, distritos e território que investigam a rede social por "potenciais violações antitruste" se expandiu "vastamente" pelos EUA. Papéis de tecnologia e serviços de comunicação fecharam em geral com quedas, com Microsoft em baixa de 1,49% e Twitter, de 3,91%.

Entre outras ações importantes, Boeing subiu 1,79%, recuperando em parte a perda do pregão anterior, mesmo após a agência S&P revisar a perspectiva do rating A da empresa de estável para negativa.

Na parte da tarde, o quadro piorou em Nova York, em meio às notícias sobre as dificuldades do premiê Boris Johnson para avançar com o Brexit no Reino Unido. Johnson não conseguiu aval da Câmara dos Comuns para um cronograma acelerado para aprovar um acordo no Brexit e a UE deve dar mais prazo para que ele tente uma solução.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;