Fechar
Publicidade

Domingo, 8 de Dezembro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Política

politica@dgabc.com.br | 4435-8391

A importância da ciência


Do Diário do Grande ABC

24/09/2019 | 13:21


O projeto da professora universitária Solange Damaceno, que nos laboratórios da UFABC (Universidade Federal do ABC) desenvolveu braço mecânico 139 vezes mais barato que as próteses de membros superiores humanos comercializadas no mercado, deixa evidente a importância da ciência. Exatamente por isso é que preocupa tanto a possibilidade de o governo federal interromper o pagamento de bolsas do CNPq (Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico), como relataram a este Diário, em sua edição de ontem, alguns pesquisadores do Grande ABC.

Embora o protótipo desenvolvido pela mestre em engenharia mecânica e sistema de controle da UFABC ainda não tenha sido regulamentado pela Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária), já é possível vislumbrar sua utilização no futuro. Especialmente por causa do preço: R$ 6.000. Imensamente mais em conta que os modelos similares atualmente disponíveis no mercado, que chegam a custar R$ 836 mil! Em um Estado onde 3.010 tiveram os membros superiores amputados, pode-se ter ideia da revolução que modelo menos oneroso pode causar ao bem-estar dos cidadãos.

Como se vê, a universidade é celeiro de soluções dos problemas cotidianos. Não apenas a UFABC. Ciência e educação são segmentos muito importantes para não receberem tratamento especial dos governantes. Promulgada 21 anos atrás, em 1988, a Constituição da República cuida do segundo, ao garantir o repasse de 25% do orçamento à área, mas é omissa quanto ao primeiro. É nesse vácuo que atuam gestores pouco preocupados com o avanço das ciências.

Eventual descontinuidade do programa de bolsas científicas pode até não provocar reflexos imediatos, mas, a longo prazo, os efeitos seriam devastadores. O apagão na ciência impactaria nas mais variadas áreas, da agricultura à economia. O risco é o Brasil se tornar ainda mais periférico no competitivo mercado global – que, cada vez com mais velocidade, gira em torno das oportunidades criadas pelo desenvolvimento tecnológico.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

A importância da ciência

Do Diário do Grande ABC

24/09/2019 | 13:21


O projeto da professora universitária Solange Damaceno, que nos laboratórios da UFABC (Universidade Federal do ABC) desenvolveu braço mecânico 139 vezes mais barato que as próteses de membros superiores humanos comercializadas no mercado, deixa evidente a importância da ciência. Exatamente por isso é que preocupa tanto a possibilidade de o governo federal interromper o pagamento de bolsas do CNPq (Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico), como relataram a este Diário, em sua edição de ontem, alguns pesquisadores do Grande ABC.

Embora o protótipo desenvolvido pela mestre em engenharia mecânica e sistema de controle da UFABC ainda não tenha sido regulamentado pela Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária), já é possível vislumbrar sua utilização no futuro. Especialmente por causa do preço: R$ 6.000. Imensamente mais em conta que os modelos similares atualmente disponíveis no mercado, que chegam a custar R$ 836 mil! Em um Estado onde 3.010 tiveram os membros superiores amputados, pode-se ter ideia da revolução que modelo menos oneroso pode causar ao bem-estar dos cidadãos.

Como se vê, a universidade é celeiro de soluções dos problemas cotidianos. Não apenas a UFABC. Ciência e educação são segmentos muito importantes para não receberem tratamento especial dos governantes. Promulgada 21 anos atrás, em 1988, a Constituição da República cuida do segundo, ao garantir o repasse de 25% do orçamento à área, mas é omissa quanto ao primeiro. É nesse vácuo que atuam gestores pouco preocupados com o avanço das ciências.

Eventual descontinuidade do programa de bolsas científicas pode até não provocar reflexos imediatos, mas, a longo prazo, os efeitos seriam devastadores. O apagão na ciência impactaria nas mais variadas áreas, da agricultura à economia. O risco é o Brasil se tornar ainda mais periférico no competitivo mercado global – que, cada vez com mais velocidade, gira em torno das oportunidades criadas pelo desenvolvimento tecnológico.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;