Fechar
Publicidade

Domingo, 20 de Outubro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Economia

soraiapedrozo@dgabc.com.br | 4435-8057

Salvador e região lideram atraso de dívidas bancárias



17/09/2019 | 07:02


Os moradores de um conjunto de nove municípios que fazem parte da região metropolitana de Salvador, incluindo a capital baiana, estão na liderança dos atrasos no pagamento de dívidas bancárias no Brasil. Considerando sete modalidades diferentes de crédito, estas cidades possuem o maior porcentual de atrasos no pagamento em quatro deles. Em alguns casos, como no rotativo do cartão de crédito, o índice chega a ser mais de três vezes o verificado no Distrito Federal, local com alguns dos menores porcentuais de atraso.

O levantamento foi feito pelo Estadão/Broadcast com base no Sistema de Informações de Crédito (SCR) do Banco Central. Os dados, de março deste ano, levam em conta atrasos de mais de 15 dias no pagamento de dívidas bancárias, conforme as sub-regiões do País. São consideradas todas as dívidas superiores a R$ 200. Já as sub-regiões são definidas de acordo com os dois primeiros números do CEP dos devedores, o que permite determinar exatamente onde eles estão.

No caso do cartão de crédito, a sub-região com CEP de início 42 possui o maior índice de atrasos. De toda a carteira de R$ 419,8 milhões de crédito no cartão, R$ 52,8 milhões estão em atraso superior a 15 dias, o que representa 12,57% do total. Esta é a situação dos moradores de partes de Salvador e das cidades de Madre de Deus, Lauro de Freitas, Camaçari e Dias DÁvila. Em Brasília, sub-região com o menor índice, o porcentual é de apenas 3,49%.

Tecnicamente, o Banco Central considera como caso de inadimplência apenas o crédito com mais de 90 dias de atraso. Empresas que atuam na área de análise de crédito costumam utilizar critérios diferentes, como a Serasa e o SPC.

Outros créditos

Pelos números do BC, os moradores das cidades com CEP 42 também possuem os maiores índices de atrasos no pagamento de "outros créditos" - que englobam operações como as de cheque especial, microcrédito e conta garantida, entre outros. O porcentual na sub-região é de 16,81%. Já os moradores de cidades com CEP 43 possuem os piores índices nos empréstimos sem consignação em folha (12,39%) e nos empréstimos para compra de veículos (2,28%). Isso inclui as cidades baianas de Simões Filho, Candeias, São Sebastião e São Francisco do Conde.

Por trás dos índices está a dificuldade dos moradores da região metropolitana de Salvador em pagar as contas, em um ambiente de desemprego e redução de renda. "Esta é uma região que tem atravessado um momento crítico do ponto de vista do mercado de trabalho", avalia o professor Henrique Tomé da Costa Mata, da Faculdade de Economia da Universidade Federal da Bahia (UFBA). "A taxa de desemprego é mais intensa na região metropolitana. Além disso, esta é uma região que sobrevive muito na base da informalidade, principalmente o centro urbano de Salvador."

Dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) mostram que a taxa de desemprego na região metropolitana de Salvador era de 18,6% no segundo trimestre. A taxa média do Brasil foi de 12,0%.

Mata explica que o comércio é a atividade mais importante da capital baiana, enquanto municípios do entorno, como Camaçari e Candeias, possuem parte significativa dos ganhos ligados aos royalties do petróleo, que caíram nos últimos anos.

As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Salvador e região lideram atraso de dívidas bancárias


17/09/2019 | 07:02


Os moradores de um conjunto de nove municípios que fazem parte da região metropolitana de Salvador, incluindo a capital baiana, estão na liderança dos atrasos no pagamento de dívidas bancárias no Brasil. Considerando sete modalidades diferentes de crédito, estas cidades possuem o maior porcentual de atrasos no pagamento em quatro deles. Em alguns casos, como no rotativo do cartão de crédito, o índice chega a ser mais de três vezes o verificado no Distrito Federal, local com alguns dos menores porcentuais de atraso.

O levantamento foi feito pelo Estadão/Broadcast com base no Sistema de Informações de Crédito (SCR) do Banco Central. Os dados, de março deste ano, levam em conta atrasos de mais de 15 dias no pagamento de dívidas bancárias, conforme as sub-regiões do País. São consideradas todas as dívidas superiores a R$ 200. Já as sub-regiões são definidas de acordo com os dois primeiros números do CEP dos devedores, o que permite determinar exatamente onde eles estão.

No caso do cartão de crédito, a sub-região com CEP de início 42 possui o maior índice de atrasos. De toda a carteira de R$ 419,8 milhões de crédito no cartão, R$ 52,8 milhões estão em atraso superior a 15 dias, o que representa 12,57% do total. Esta é a situação dos moradores de partes de Salvador e das cidades de Madre de Deus, Lauro de Freitas, Camaçari e Dias DÁvila. Em Brasília, sub-região com o menor índice, o porcentual é de apenas 3,49%.

Tecnicamente, o Banco Central considera como caso de inadimplência apenas o crédito com mais de 90 dias de atraso. Empresas que atuam na área de análise de crédito costumam utilizar critérios diferentes, como a Serasa e o SPC.

Outros créditos

Pelos números do BC, os moradores das cidades com CEP 42 também possuem os maiores índices de atrasos no pagamento de "outros créditos" - que englobam operações como as de cheque especial, microcrédito e conta garantida, entre outros. O porcentual na sub-região é de 16,81%. Já os moradores de cidades com CEP 43 possuem os piores índices nos empréstimos sem consignação em folha (12,39%) e nos empréstimos para compra de veículos (2,28%). Isso inclui as cidades baianas de Simões Filho, Candeias, São Sebastião e São Francisco do Conde.

Por trás dos índices está a dificuldade dos moradores da região metropolitana de Salvador em pagar as contas, em um ambiente de desemprego e redução de renda. "Esta é uma região que tem atravessado um momento crítico do ponto de vista do mercado de trabalho", avalia o professor Henrique Tomé da Costa Mata, da Faculdade de Economia da Universidade Federal da Bahia (UFBA). "A taxa de desemprego é mais intensa na região metropolitana. Além disso, esta é uma região que sobrevive muito na base da informalidade, principalmente o centro urbano de Salvador."

Dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) mostram que a taxa de desemprego na região metropolitana de Salvador era de 18,6% no segundo trimestre. A taxa média do Brasil foi de 12,0%.

Mata explica que o comércio é a atividade mais importante da capital baiana, enquanto municípios do entorno, como Camaçari e Candeias, possuem parte significativa dos ganhos ligados aos royalties do petróleo, que caíram nos últimos anos.

As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;