Fechar
Publicidade

Domingo, 28 de Novembro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

cultura@dgabc.com.br | 4435-8364

Exposição conta história de vida do jornalista Vladimir Herzog

Divulgação Diário do Grande ABC - Notícias e informações do Grande ABC: Santo André, São Bernardo, São Caetano, Diadema, Mauá, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra

Ocupação na Capital acontece de hoje até 20 de outubro, de terça a sexta-feira, das 9h às 20h


Miriam Gimenes
Do Diário do Grande ABC

14/08/2019 | 07:24


A imagem de Vladimir Herzog enforcado nos porões do Doi-Codi (Destacamento de Operações de Informação – Centro de Operações de Defesa Interna), em São Paulo, registrada em 1975, é a mais emblemática do período da ditadura militar no Brasil. Ainda hoje o silêncio e a dor que ela carrega ecoam de maneira negativa na história do País e, principalmente, dos familiares do jornalista, editor e quase cineasta retratado.

De modo a jogar luz na sua história, que passou a ser internacionalmente conhecida desde então, será inaugurada hoje, às 20h, a Ocupação Vladimir Herzog, no Itaú Cultural, em São Paulo. A mostra reúne e exibe trabalhos de sua autoria no cinema, teatro e fotografia e segue o percurso da vida do jornalista desde que, pequeno, saiu com a família de sua terra natal Osijek, hoje Croácia, na antiga Iugoslávia, até se tornar um ícone da luta por justiça e pelos direitos humanos.

Claudiney Ferreira, gerente do núcleo de audiovisual e literatura e integrante do núcleo curatorial da Ocupação, explica que a ideia foi responder as perguntas: quem foi, de fato, Vladimir Herzog? Por que o caso dele se tornou emblemático? “Fomos atrás disso, não só no acervo do instituto (Vladimir Herzog), como também na Unesp, rádio e TV Cultura, na BBC de Londres e surgiram duas linhas. Como jornalista o diferencial de Herzog, de acordo com quem entrevistamos, foi do rigor na apuração e no texto. O limava à exaustão. Zuenir Ventura (jornalista e escritor) disse que ele foi o maior editor com quem trabalhou. A outra coisa que era realmente a paixão dele era o cinema, principalmente o documentário social”, explica Ferreira.

O público poderá apreciar fotografias com enquadramentos que demonstravam um olhar particular dele para as coisas, lugares e pessoas. Também, uma peça de teatro em áudio em que Vladimir é um dos atores e suas respostas com desenhos esquemáticos e análises de filmes para uma prova de ingresso em um curso de cinema com o documentarista sueco Arne Sucksdorff (1917-2001). Estas aulas resultaram na realização do primeiro e único minidocumentário de Herzog, Marimbás, em 1960.

Essa paixão pelo cinema é a mais pulsante na mostra. “O Vlado se preparou a vida inteira para ser um cineasta. E a Clarice (Herzog, viúva) disse: ‘Quando foi morto, ele estava pronto’, finaliza o curador. Entre os achados da pesquisa e que está na mostra, acrescenta, está o roteiro de um documentário que Vlado preparava sobre Canudos e Antônio Conselheiro, que finalizou pouco antes de ser assassinado.

Ocupação Vladimir Herzog – Exposição. No Itaú Cultural – Avenida Paulista, 149. De hoje até 20 de outubro, de terça-feira a sexta-feira, das 9h às 20h, e sábados, domingos e feriados, das 11h às 20h. Gratuito. 



Quer receber em primeira mão as notícias das sete cidades do Grande ABC?

Entre no nosso grupo de WhatsApp. 
Clique aqui.
 

Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.


Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;