Fechar
Publicidade

Domingo, 21 de Julho

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Política

politica@dgabc.com.br | 4435-8391

Vem ABC exigirá R$ 13 bi de ressarcimento

Consórcio vencedor da licitação de 2014 declara que valor equivale a ganhos com 25 anos de operação


Fábio Martins
Daniel Tossato
Do dgabc.com.br

04/07/2019 | 09:00


O Consórcio Vem ABC, vencedor da licitação encerrada em 2014 para construir o monotrilho na Linha 18-Bronze do Metrô, avisou que buscará ressarcimento de R$ 13 bilhões, valor que o grupo estima que registraria de lucro com os 25 anos de operação do modal.

Formado pelas empresas Primav, Cowan, Encalso e Benito Roggio, o bloco era a parte privada na PPP (Parceria Público-Privada) assinada pelo governador Geraldo Alckmin (PSDB) em agosto de 2014. Concordou, no elo com o Estado, em executar o projeto por R$ 4,26 bilhões (dinheiro da época). Mas a obra não andou um centímetro sequer, pois o governo estadual não conseguiu empréstimo internacional (depois nacional) para as desapropriações.

“Nossa expectativa era, após 25 anos de exploração da Linha 18, receber algo em volta de R$ 13 bilhões. E eu acrescento mais 25% em cima deste valor, para atualizar este número. Achamos justo requerer algo assim”, disse Maciel Paiva, diretor-presidente do Consórcio Vem ABC. “No acordo há multa contratual que prevê pagamento de R$ 270 milhões caso o poder público quebre o contrato, como ocorreu. Tratamos esse valor apenas como simbólico. Queremos algo que se assemelhe à nossa expectativa de retorno”, emendou ele, dizendo que ainda não foi notificado pelo Estado sobre o rompimento contratual.

Na entrevista coletiva de ontem, concedida no Palácio dos Bandeirantes, quando o governador do Estado de São Paulo, João Doria (PSDB), revelou que o modal adotado seria o BRT (sistema de ônibus de alta velocidade, na sigla em inglês), o vice-governador Rodrigo Garcia (DEM) afirmou que tentará buscar saída “sem impacto” entre as partes. “Vamos buscar o entendimento. Até porque temos relação com as empresas, vamos tentar um processo amigável”, defendeu Rodrigo Garcia.

O Consórcio Vem ABC alegou que já gastou pouco mais de R$ 60 milhões para montar a empresa que administraria a Linha 18, na construção de equipe e para realização dos estudos que embasavam o modal.

O presidente do grupo evitou, entretanto, fornecer detalhes da estratégia jurídica a ser tomada – por exemplo, se o consórcio pretende, via Justiça, contestar o rompimento do acordo ou segurar a relicitação. Maciel Paiva comentou apenas que aguardará o ofício do Estado sobre a quebra do contrato para se reunir com a equipe jurídica e traçar o plano pelo ressarcimento.

Ontem, Doria chegou a declarar que, mesmo que o monotrilho tivesse seguido até o fim do planejamento, sua conclusão seria impossível, já que o fornecedor dos trens do monotrilho acabou “falindo”. A informação foi rebatida por Maciel. “Está totalmente equivocado. Foi o fornecedor dos trens da Linha 17-Ouro do Metrô, (que tem previsão de ligar o aeroporto de Congonhas, em Guarulhos, até a Estação Morumbi). Acredito que ele está confundindo os projetos”, avaliou Maciel, que afirmou também que já tinha conversas com possíveis fornecedores de trens para operar na Linha 18. 



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Vem ABC exigirá R$ 13 bi de ressarcimento

Consórcio vencedor da licitação de 2014 declara que valor equivale a ganhos com 25 anos de operação

Fábio Martins
Daniel Tossato
Do dgabc.com.br

04/07/2019 | 09:00


O Consórcio Vem ABC, vencedor da licitação encerrada em 2014 para construir o monotrilho na Linha 18-Bronze do Metrô, avisou que buscará ressarcimento de R$ 13 bilhões, valor que o grupo estima que registraria de lucro com os 25 anos de operação do modal.

Formado pelas empresas Primav, Cowan, Encalso e Benito Roggio, o bloco era a parte privada na PPP (Parceria Público-Privada) assinada pelo governador Geraldo Alckmin (PSDB) em agosto de 2014. Concordou, no elo com o Estado, em executar o projeto por R$ 4,26 bilhões (dinheiro da época). Mas a obra não andou um centímetro sequer, pois o governo estadual não conseguiu empréstimo internacional (depois nacional) para as desapropriações.

“Nossa expectativa era, após 25 anos de exploração da Linha 18, receber algo em volta de R$ 13 bilhões. E eu acrescento mais 25% em cima deste valor, para atualizar este número. Achamos justo requerer algo assim”, disse Maciel Paiva, diretor-presidente do Consórcio Vem ABC. “No acordo há multa contratual que prevê pagamento de R$ 270 milhões caso o poder público quebre o contrato, como ocorreu. Tratamos esse valor apenas como simbólico. Queremos algo que se assemelhe à nossa expectativa de retorno”, emendou ele, dizendo que ainda não foi notificado pelo Estado sobre o rompimento contratual.

Na entrevista coletiva de ontem, concedida no Palácio dos Bandeirantes, quando o governador do Estado de São Paulo, João Doria (PSDB), revelou que o modal adotado seria o BRT (sistema de ônibus de alta velocidade, na sigla em inglês), o vice-governador Rodrigo Garcia (DEM) afirmou que tentará buscar saída “sem impacto” entre as partes. “Vamos buscar o entendimento. Até porque temos relação com as empresas, vamos tentar um processo amigável”, defendeu Rodrigo Garcia.

O Consórcio Vem ABC alegou que já gastou pouco mais de R$ 60 milhões para montar a empresa que administraria a Linha 18, na construção de equipe e para realização dos estudos que embasavam o modal.

O presidente do grupo evitou, entretanto, fornecer detalhes da estratégia jurídica a ser tomada – por exemplo, se o consórcio pretende, via Justiça, contestar o rompimento do acordo ou segurar a relicitação. Maciel Paiva comentou apenas que aguardará o ofício do Estado sobre a quebra do contrato para se reunir com a equipe jurídica e traçar o plano pelo ressarcimento.

Ontem, Doria chegou a declarar que, mesmo que o monotrilho tivesse seguido até o fim do planejamento, sua conclusão seria impossível, já que o fornecedor dos trens do monotrilho acabou “falindo”. A informação foi rebatida por Maciel. “Está totalmente equivocado. Foi o fornecedor dos trens da Linha 17-Ouro do Metrô, (que tem previsão de ligar o aeroporto de Congonhas, em Guarulhos, até a Estação Morumbi). Acredito que ele está confundindo os projetos”, avaliou Maciel, que afirmou também que já tinha conversas com possíveis fornecedores de trens para operar na Linha 18. 

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;