Fechar
Publicidade

Terça-Feira, 23 de Julho

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Internacional

internacional@dgabc.com.br | 4435-8301

Trump busca apoio em várias frentes externas

Pixabay / banco de imagens Diário do Grande ABC - Notícias e informações do Grande ABC: Santo André, São Bernardo, São Caetano, Diadema, Mauá, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra


27/06/2019 | 09:07


Donald Trump busca nesta quinta-feira, 27, em Osaka, no Japão, apoio para os vários desafios que enfrenta a política externa americana. Desde que chegou à Casa Branca, ele abriu uma série de frentes diplomáticas em diferentes crises, envolvendo Venezuela, Irã, Coreia do Norte e China.

No caso do Irã, a perspectiva de uma guerra no Golfo Pérsico não é descartada por analistas, que consideram arriscadas as movimentações militares na região. "É uma oportunidade para o presidente se envolver com vários líderes internacionais aliados para obter apoio e discutir como podemos incentivar o Irã a negociar e responder à diplomacia com diplomacia, em vez de terrorismo e chantagem nuclear", afirmou um dos negociadores americanos, durante conversa reservada com jornalistas.

Para Heather Conley, do Center for Strategic and International Studies (CSIS), Trump será questionado pelos europeus sobre os atritos com o Irã. "Os líderes vão pressioná-lo por clareza para tomarem decisões unificadas", afirmou.

Com o presidente da Rússia, Vladimir Putin, Trump deve buscar apoio para sua estratégia de pressão sobre Irã, Venezuela e Síria. "Não é um encontro formal, mas deve focar em questões de segurança regional", disse um dos negociadores de Trump, sobre a reunião com o russo.

Com relação à China, Trump tem sofrido pressão interna de agricultores americanos para flexibilizar posições na queda de braço com os chineses. O presidente, porém, pressiona a China por mudanças estruturais para proteger a propriedade intelectual de empresas americanas de tecnologia.

A Coreia do Norte também fará parte da agenda. Segundo Michael Green, vice-presidente de Ásia e Japão do CSIS, uma declaração paralela do G-20 ajudaria a aumentar a pressão sobre Pyongyang, mas Trump não tem se engajado nisso. "Eu acho que ele vê as negociações com a Coreia do Norte como um ato solo", afirmou Green. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Trump busca apoio em várias frentes externas


27/06/2019 | 09:07


Donald Trump busca nesta quinta-feira, 27, em Osaka, no Japão, apoio para os vários desafios que enfrenta a política externa americana. Desde que chegou à Casa Branca, ele abriu uma série de frentes diplomáticas em diferentes crises, envolvendo Venezuela, Irã, Coreia do Norte e China.

No caso do Irã, a perspectiva de uma guerra no Golfo Pérsico não é descartada por analistas, que consideram arriscadas as movimentações militares na região. "É uma oportunidade para o presidente se envolver com vários líderes internacionais aliados para obter apoio e discutir como podemos incentivar o Irã a negociar e responder à diplomacia com diplomacia, em vez de terrorismo e chantagem nuclear", afirmou um dos negociadores americanos, durante conversa reservada com jornalistas.

Para Heather Conley, do Center for Strategic and International Studies (CSIS), Trump será questionado pelos europeus sobre os atritos com o Irã. "Os líderes vão pressioná-lo por clareza para tomarem decisões unificadas", afirmou.

Com o presidente da Rússia, Vladimir Putin, Trump deve buscar apoio para sua estratégia de pressão sobre Irã, Venezuela e Síria. "Não é um encontro formal, mas deve focar em questões de segurança regional", disse um dos negociadores de Trump, sobre a reunião com o russo.

Com relação à China, Trump tem sofrido pressão interna de agricultores americanos para flexibilizar posições na queda de braço com os chineses. O presidente, porém, pressiona a China por mudanças estruturais para proteger a propriedade intelectual de empresas americanas de tecnologia.

A Coreia do Norte também fará parte da agenda. Segundo Michael Green, vice-presidente de Ásia e Japão do CSIS, uma declaração paralela do G-20 ajudaria a aumentar a pressão sobre Pyongyang, mas Trump não tem se engajado nisso. "Eu acho que ele vê as negociações com a Coreia do Norte como um ato solo", afirmou Green. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;