Fechar
Publicidade

Segunda-Feira, 21 de Janeiro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Cultura & Lazer

cultura@dgabc.com.br | 4435-8364

Mais um dramalhão mexicano estréia no SBT


Rodrigo Teixeira
Da TV Press

02/11/2002 | 18:13


O SBT mudou de estratégia para a quarta produção em parceria com a Televisa. Pequena Travessa, que estréia nesta segunda-feira, às 20h30, é bem mais açucarada que sua antecessora Marisol e Amor e Ódio (SBT, 2001/02), que tinham histórias que caíam para o tradicional dramalhão mexicano. A nova novela do SBT tem mais a ver com a ingênua Pícara Sonhadora, produção que inaugurou em agosto de 2000 a parceria do SBT com a Televisa. Assim como Pícara, Pequena Travessa brincará com as situações tragicômicas e apostará mais no humor que no drama para conquistar o telespectador. “Vamos buscar o público infanto-juvenil com Pequena Travessa. Ao contrário de Marisol, os conflitos desta novela resultam em comédia. A idéia é que o público se divirta”, afirma o diretor geral, Jacques Lagoa.

Pequena Travessa, trama exibida pela Televisa em 1997, é de autoria de Abel Santa Cruz, o mesmo de Carrossel (SBT, 1991), Carinha de Anjo (SBT, 2001) e Pícara Sonhadora. Aliás, a protagonista escolhida pelo SBT é Bianca Rinaldi, que também protagonizou Pícara. As duas novelas têm histórias parecidas. Em Pícara, a atriz vivia Mila Lopes, uma moça pobre que se apaixonava pelo dono de uma loja e que escondia sua verdadeira identidade. Já em Pequena Travessa, a protagonista Júlia é uma moça pobre que também se apaixonará pelo filho do patrão. “Me divirto e quero passar alegria ao público. Só assim agüento gravar 40 cenas por dia”, diz Bianca.

A diversão a que Bianca se refere é que sua personagem terá duas identidades. Júlia terá de se disfarçar de homem para conseguir um emprego de office-boy. Órfã de mãe, com dois irmãos mais novos e o pai paraplégico para sustentar, Júlia também trabalha como secretária em um escritório. “Ela se atrapalhará sendo Júlio de manhã e Júlia à tarde”, afirma Bianca. Logo, a personagem descobre que o dono do escritório é o pai de Alberto (Rodrigo Veronesi), o amor de sua vida. O ator, que participou de três novelas da Record, nunca havia feito um protagonista. Assustado com o volume de cenas, Rodrigo afirma que o esforço pode valer a pena. “A projeção como protagonista compensa o sacrifício”, diz.

Enquanto a emissora aposta em um protagonista novato, o vilão de Pequena Travessa já é experimentado. Nico Puig, que viverá o contrabandista Mercúrio, se destacou na TV pela primeira vez como vilão. Era o maquiavélico Fred, de Olho por Olho (Globo, 1993). Longe da TV há três anos, quando participou de Estrela de Fogo (Record, 1999), Nico não esconde o contentamento por voltar a atuar. “Não quero decepcionar, pois esta é a oportunidade de me firmar como ator novamente”, diz.

Na verdade, Mercúrio e sua gangue formam o núcleo mais abrasileirado da novela. Segundo a adaptadora Ecila Pedroso, os diálogos deles foram a parte mais modificada da novela em relação à trama original, já que por contrato o SBT tem de seguir fielmente a história. Fora isso, Pequena Travessa segue o original mexicano ao pé da letra.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Mais um dramalhão mexicano estréia no SBT

Rodrigo Teixeira
Da TV Press

02/11/2002 | 18:13


O SBT mudou de estratégia para a quarta produção em parceria com a Televisa. Pequena Travessa, que estréia nesta segunda-feira, às 20h30, é bem mais açucarada que sua antecessora Marisol e Amor e Ódio (SBT, 2001/02), que tinham histórias que caíam para o tradicional dramalhão mexicano. A nova novela do SBT tem mais a ver com a ingênua Pícara Sonhadora, produção que inaugurou em agosto de 2000 a parceria do SBT com a Televisa. Assim como Pícara, Pequena Travessa brincará com as situações tragicômicas e apostará mais no humor que no drama para conquistar o telespectador. “Vamos buscar o público infanto-juvenil com Pequena Travessa. Ao contrário de Marisol, os conflitos desta novela resultam em comédia. A idéia é que o público se divirta”, afirma o diretor geral, Jacques Lagoa.

Pequena Travessa, trama exibida pela Televisa em 1997, é de autoria de Abel Santa Cruz, o mesmo de Carrossel (SBT, 1991), Carinha de Anjo (SBT, 2001) e Pícara Sonhadora. Aliás, a protagonista escolhida pelo SBT é Bianca Rinaldi, que também protagonizou Pícara. As duas novelas têm histórias parecidas. Em Pícara, a atriz vivia Mila Lopes, uma moça pobre que se apaixonava pelo dono de uma loja e que escondia sua verdadeira identidade. Já em Pequena Travessa, a protagonista Júlia é uma moça pobre que também se apaixonará pelo filho do patrão. “Me divirto e quero passar alegria ao público. Só assim agüento gravar 40 cenas por dia”, diz Bianca.

A diversão a que Bianca se refere é que sua personagem terá duas identidades. Júlia terá de se disfarçar de homem para conseguir um emprego de office-boy. Órfã de mãe, com dois irmãos mais novos e o pai paraplégico para sustentar, Júlia também trabalha como secretária em um escritório. “Ela se atrapalhará sendo Júlio de manhã e Júlia à tarde”, afirma Bianca. Logo, a personagem descobre que o dono do escritório é o pai de Alberto (Rodrigo Veronesi), o amor de sua vida. O ator, que participou de três novelas da Record, nunca havia feito um protagonista. Assustado com o volume de cenas, Rodrigo afirma que o esforço pode valer a pena. “A projeção como protagonista compensa o sacrifício”, diz.

Enquanto a emissora aposta em um protagonista novato, o vilão de Pequena Travessa já é experimentado. Nico Puig, que viverá o contrabandista Mercúrio, se destacou na TV pela primeira vez como vilão. Era o maquiavélico Fred, de Olho por Olho (Globo, 1993). Longe da TV há três anos, quando participou de Estrela de Fogo (Record, 1999), Nico não esconde o contentamento por voltar a atuar. “Não quero decepcionar, pois esta é a oportunidade de me firmar como ator novamente”, diz.

Na verdade, Mercúrio e sua gangue formam o núcleo mais abrasileirado da novela. Segundo a adaptadora Ecila Pedroso, os diálogos deles foram a parte mais modificada da novela em relação à trama original, já que por contrato o SBT tem de seguir fielmente a história. Fora isso, Pequena Travessa segue o original mexicano ao pé da letra.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;