Fechar
Publicidade

Domingo, 21 de Julho

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Setecidades

setecidades@dgabc.com.br | 4435-8319

Consórcio aguarda sexto aditivo de contrato para a Linha 18-Bronze

Vem ABC é a vencedora de PPP, no valor de R$ 4,26 bi, destinada à construção do ramal


Daniel Macário
do Diário do Grande ABC

11/04/2019 | 07:00


Diante das indefinições a respeito do futuro da Linha 18-Bronze do Metrô, que ligará o Grande ABC à Capital, o Consórcio Vem ABC aguarda a assinatura do sexto aditivo do contrato firmado com o Estado em 2014 para a construção do ramal.

Após sucessivos atrasos para o início das intervenções, o Palácio dos Bandeirantes tem postergado, desde novembro do ano passado, a assinatura do convênio. A informação foi confirmada pelo diretor-presidente do Consórcio Vem ABC, Maciel Paiva.

Embora o grupo vencedor da PPP (Parceria Público-Privada) – formado pelas empresas Primav, Cowan, Encalso e Benito Roggio – tenha recebido, no fim do ano passado, carta de aceite enviada pelo governo estadual para efetivar a prorrogação do contrato, no valor de R$ 4,26 bilhões, Paiva relata que, há cinco meses, a STM (Secretaria dos Transportes Metropolitanos) congelou o processo. “Estamos aguardando a assinatura.”

Desde fevereiro, representantes do grupo empresarial têm articulado junto ao Estado reuniões com o secretário de Transportes Metropolitanos, Alexandre Baldy, a respeito do futuro do contrato. No entanto, como resposta, receberam negativas para o encontro.

A recusa ocorre em meio ao processo de revisão do projeto original da Linha 18, que prevê a construção de sistema de monotrilho. Em visita feita no mês passado, em São Bernardo, o governador João Doria (PSDB) firmou compromisso de apresentar o resultado do estudo até junho. Na última semana, porém, o tucano sinalizou possível desistência da proposta de monotrilho. Uma das opções cogitadas é o BRT (sigla em inglês para sistema de transporte rápido por ônibus).

Após o episódio, integrantes do Consórcio Intermunicipal do Grande ABC decidiram buscar agenda junto aos integrantes do Palácio dos Bandeirantes para indicar pelo menos dois nomes do colegiado para participar do grupo de estudo sobre o futuro do ramal, sendo um quadro técnico do GT (Grupo de Trabalho) de Mobilidade e um chefe do Executivo. As negociações estão sendo articuladas pelo presidente da entidade e prefeito de Santo André, Paulo Serra (PSDB). “Os prefeitos têm a preferência que a Linha 18 saia do papel”, discursou o tucano, na terça-feira, durante assembleia dos prefeitos.

Embora esteja impedido de iniciar as obras da Linha 18-Bronze do Metrô até o fim de novembro, devido à ausência de decreto de utilidade pública que permite a desapropriação de moradias localizadas no trajeto do ramal, o Consórcio Vem ABC diz ter reduzido em pelo menos seis meses o tempo para implantação do sistema, previsto em contrato. Com isso, caso as obras sejam iniciadas ainda neste ano, a expectativa da concessionária é a de que o modal esteja pronto em período de três anos, ou seja, até 2022. A redução do tempo para implantação da Linha 18 deve-se a série de etapas já finalizadas pelo conjunto de empresas após a assinatura do acordo.

Por meio de nota, a STM informou que está empenhada em desenvolver “as melhores alternativas para aprimorar o transporte à população do Grande ABC”.  



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Consórcio aguarda sexto aditivo de contrato para a Linha 18-Bronze

Vem ABC é a vencedora de PPP, no valor de R$ 4,26 bi, destinada à construção do ramal

Daniel Macário
do Diário do Grande ABC

11/04/2019 | 07:00


Diante das indefinições a respeito do futuro da Linha 18-Bronze do Metrô, que ligará o Grande ABC à Capital, o Consórcio Vem ABC aguarda a assinatura do sexto aditivo do contrato firmado com o Estado em 2014 para a construção do ramal.

Após sucessivos atrasos para o início das intervenções, o Palácio dos Bandeirantes tem postergado, desde novembro do ano passado, a assinatura do convênio. A informação foi confirmada pelo diretor-presidente do Consórcio Vem ABC, Maciel Paiva.

Embora o grupo vencedor da PPP (Parceria Público-Privada) – formado pelas empresas Primav, Cowan, Encalso e Benito Roggio – tenha recebido, no fim do ano passado, carta de aceite enviada pelo governo estadual para efetivar a prorrogação do contrato, no valor de R$ 4,26 bilhões, Paiva relata que, há cinco meses, a STM (Secretaria dos Transportes Metropolitanos) congelou o processo. “Estamos aguardando a assinatura.”

Desde fevereiro, representantes do grupo empresarial têm articulado junto ao Estado reuniões com o secretário de Transportes Metropolitanos, Alexandre Baldy, a respeito do futuro do contrato. No entanto, como resposta, receberam negativas para o encontro.

A recusa ocorre em meio ao processo de revisão do projeto original da Linha 18, que prevê a construção de sistema de monotrilho. Em visita feita no mês passado, em São Bernardo, o governador João Doria (PSDB) firmou compromisso de apresentar o resultado do estudo até junho. Na última semana, porém, o tucano sinalizou possível desistência da proposta de monotrilho. Uma das opções cogitadas é o BRT (sigla em inglês para sistema de transporte rápido por ônibus).

Após o episódio, integrantes do Consórcio Intermunicipal do Grande ABC decidiram buscar agenda junto aos integrantes do Palácio dos Bandeirantes para indicar pelo menos dois nomes do colegiado para participar do grupo de estudo sobre o futuro do ramal, sendo um quadro técnico do GT (Grupo de Trabalho) de Mobilidade e um chefe do Executivo. As negociações estão sendo articuladas pelo presidente da entidade e prefeito de Santo André, Paulo Serra (PSDB). “Os prefeitos têm a preferência que a Linha 18 saia do papel”, discursou o tucano, na terça-feira, durante assembleia dos prefeitos.

Embora esteja impedido de iniciar as obras da Linha 18-Bronze do Metrô até o fim de novembro, devido à ausência de decreto de utilidade pública que permite a desapropriação de moradias localizadas no trajeto do ramal, o Consórcio Vem ABC diz ter reduzido em pelo menos seis meses o tempo para implantação do sistema, previsto em contrato. Com isso, caso as obras sejam iniciadas ainda neste ano, a expectativa da concessionária é a de que o modal esteja pronto em período de três anos, ou seja, até 2022. A redução do tempo para implantação da Linha 18 deve-se a série de etapas já finalizadas pelo conjunto de empresas após a assinatura do acordo.

Por meio de nota, a STM informou que está empenhada em desenvolver “as melhores alternativas para aprimorar o transporte à população do Grande ABC”.  

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;