Fechar
Publicidade

Quarta-Feira, 20 de Novembro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Internacional

internacional@dgabc.com.br | 4435-8301

'O Brasil está junto com os Estados Unidos', diz Ernesto Araújo



19/03/2019 | 09:30


O ministro das Relações Exteriores, Ernesto Araújo, afirmou nesta segunda-feira, 18, que o melhor exemplo para o Brasil são os EUA, que podem ser grandes parceiros em várias áreas, inclusive comercial. "O Brasil está junto com os EUA. O principal exemplo dessa união é a Venezuela", disse o chanceler, que acompanha o presidente Jair Bolsonaro em visita a Washington.

Segundo Araújo, o país vizinho não tinha esperança de democracia até janeiro deste ano, com o reconhecimento de Juan Guaidó como líder político por diversos governos internacionais, incluindo Brasil e EUA. "Com Guaidó, a Venezuela tem esperança, mesmo sem instrumentos de poder", destacou.

Para o chanceler, os brasileiros querem mais cooperação com os EUA, o que pode resultar em investimentos no País. O ministro ressaltou que o Brasil quer "integração eficiente" com o Mercosul, com livre comércio e democracia, e não quer que o bloco econômico "seja contra os EUA", como, segundo ele, ocorreu em administrações anteriores. De acordo com Araújo, a nova parceria do Brasil com os EUA não significa "alterar" as relações que o País possui com a China.

Na avaliação do ministro, é natural o Brasil pleitear participação na Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE), pois a agenda econômica baseada em reforma da Previdência, privatizações, abertura comercial e investimentos em infraestrutura deve melhorar o grau de desenvolvimento do País.

O chanceler afirmou ainda que reformas no Brasil não tiveram sucesso porque não houve pressão do povo sobre políticos. Ele disse ainda que o País precisa de uma economia "aberta" e de uma "sociedade livre", e que reformas econômicas só podem ocorrer no Brasil com princípios conservadores.

Segundo ele, o País adotou posições ideológicas no passado, "o que não funciona". "O sistema não mudaria por si mesmo, somente o presidente Bolsonaro desafia o sistema", disse.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

'O Brasil está junto com os Estados Unidos', diz Ernesto Araújo


19/03/2019 | 09:30


O ministro das Relações Exteriores, Ernesto Araújo, afirmou nesta segunda-feira, 18, que o melhor exemplo para o Brasil são os EUA, que podem ser grandes parceiros em várias áreas, inclusive comercial. "O Brasil está junto com os EUA. O principal exemplo dessa união é a Venezuela", disse o chanceler, que acompanha o presidente Jair Bolsonaro em visita a Washington.

Segundo Araújo, o país vizinho não tinha esperança de democracia até janeiro deste ano, com o reconhecimento de Juan Guaidó como líder político por diversos governos internacionais, incluindo Brasil e EUA. "Com Guaidó, a Venezuela tem esperança, mesmo sem instrumentos de poder", destacou.

Para o chanceler, os brasileiros querem mais cooperação com os EUA, o que pode resultar em investimentos no País. O ministro ressaltou que o Brasil quer "integração eficiente" com o Mercosul, com livre comércio e democracia, e não quer que o bloco econômico "seja contra os EUA", como, segundo ele, ocorreu em administrações anteriores. De acordo com Araújo, a nova parceria do Brasil com os EUA não significa "alterar" as relações que o País possui com a China.

Na avaliação do ministro, é natural o Brasil pleitear participação na Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE), pois a agenda econômica baseada em reforma da Previdência, privatizações, abertura comercial e investimentos em infraestrutura deve melhorar o grau de desenvolvimento do País.

O chanceler afirmou ainda que reformas no Brasil não tiveram sucesso porque não houve pressão do povo sobre políticos. Ele disse ainda que o País precisa de uma economia "aberta" e de uma "sociedade livre", e que reformas econômicas só podem ocorrer no Brasil com princípios conservadores.

Segundo ele, o País adotou posições ideológicas no passado, "o que não funciona". "O sistema não mudaria por si mesmo, somente o presidente Bolsonaro desafia o sistema", disse.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;