Fechar
Publicidade

Quinta-Feira, 23 de Maio

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Economia

soraiapedrozo@dgabc.com.br | 4435-8057

Dólar chega a R$ 4 e já é encontrado por R$ 4,28 nas casas de câmbio

Marcello Casal Jr/Agência Brasil Diário do Grande ABC - Notícias e informações do Grande ABC: Santo André, São Bernardo, São Caetano, Diadema, Mauá, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra


21/08/2018 | 16:51


Com a divulgação das pesquisas eleitorais, o dólar continua sua trajetória de alta nesta terça-feira, 21. Por volta das 14 horas, o dólar turismo já era encontrado por até R$ 4,28 nas casas de câmbio, segundo levantamento da site MeuCâmbio.com.br.

Já o dólar comercial ultrapassou a marca dos R$ 4 às 15h30. Às 15h55, operava a R$ 4,0218 - maior cotação desde 19 de fevereiro de 2016, quando atingiu máxima a R$ 4,0634 durante a sessão.

A moeda norte-americana chegou a R$ 4 pela primeira vez na história em 2015, no dia 22 de setembro.

O patamar inédito foi atingido naquele pregão por conta do risco político no País. A preocupação com a crise fiscal brasileira dominava o mercado e a avaliação dos investidores era que o governo da então presidente, Dilma Rousseff, não seria capaz de passar ajustes no Congresso.

O dólar comercial é utilizado por empresas, bancos e governos para operações no mercado de câmbio, como transferências financeiras, exportações, importações, entre outros.

Já o dólar turismo é utilizado para viagens, transações de turismo no exterior e débitos em moeda estrangeira no cartão de crédito. Ele é mais caro pois é calculado com base no dólar comercial mais os custos das casas de câmbio com questões logísticas, administrativas e com seguro em caso de roubo, uma vez que as transações com dólar turismo são feitas em "dinheiro vivo". Já as transações com dólar comercial são feitas de forma eletrônica.

Assim como no câmbio, a Bolsa também enfrenta um dia difícil. As ações das companhias brasileiras negociadas na B3 seguem operando em prejuízo em relação ao último pregão e o Ibovespa, índice com os principais papéis do mercado local, opera em baixa.

Pesquisas eleitorais

O operador de câmbio e derivativos do banco Paulista Alberto Felix de Oliveira Neto diz que o cenário trazido pelas últimas pesquisas eleitorais - MDA e Ibope, nesta segunda-feira, 20 - ampara preocupações entre investidores sobre quem vai para o segundo turno na eleição presidencial. "O mercado teme o aumento das intenções de votos em Lula e o risco de transferência de votos do petista para Fernando Haddad. Bolsonaro e Haddad no segundo turno trazem grande desconforto aos investidores", afirma.

Na segunda-feira, a moeda americana fechou a R$ 3,9571 - a maior cotação desde 29 de fevereiro de 2016 (R$ 3,9984). Diante da persistente valorização, investidores mostram cautela em meio à desconfiança e comentários de que o Banco Central pode intervir para conter a escalada da moeda. Em alta em sete das últimas oito sessões, o dólar acumulou ganho de 5,12% ante o real no período até a segunda-feira.

Bolsa de Valores

Principal índice de ações do País, o Ibovespa marcou sucessivas mínimas a despeito das altas de seus pares no mercado dos Estados Unidos. "A Bolsa está acompanhando o estresse do mercado que ainda reverbera o resultado das pesquisas eleitorais que mostram Bolsonaro e o PT no segundo turno. É um movimento totalmente interno", disse Álvaro Bandeira, sócio e economista-chefe da ModalMais.

Às 16 horas, o Ibovespa perdia 1,44%, aos 75.248,66 pontos. A queda é generalizada nas ações que integram o índice. Ações preferenciais da Petrobrás e ordinárias do Banco do Brasil - termômetros eleitorais - recuavam 2,23% e 3,32%, respectivamente.

No exterior, as bolsas de Nova York avançam, com investidores na expectativa pela retomada do diálogo entre Estados Unidos e China, na quarta-feira. Os agentes também repercutem as críticas de Donald Trump à iniciativa do Federal Reserve (Fed, o banco central norte-americano) de apertar a política monetária.

Em entrevista à Reuters, o presidente afirmou não estar "emocionado" com os aumentos de juros do Fed, sugerindo que o BC norte-americano deveria suspender a normalização de sua política, enquanto ele implementa suas políticas protecionistas. (Com informações da Dow Jones Newswires)



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Dólar chega a R$ 4 e já é encontrado por R$ 4,28 nas casas de câmbio


21/08/2018 | 16:51


Com a divulgação das pesquisas eleitorais, o dólar continua sua trajetória de alta nesta terça-feira, 21. Por volta das 14 horas, o dólar turismo já era encontrado por até R$ 4,28 nas casas de câmbio, segundo levantamento da site MeuCâmbio.com.br.

Já o dólar comercial ultrapassou a marca dos R$ 4 às 15h30. Às 15h55, operava a R$ 4,0218 - maior cotação desde 19 de fevereiro de 2016, quando atingiu máxima a R$ 4,0634 durante a sessão.

A moeda norte-americana chegou a R$ 4 pela primeira vez na história em 2015, no dia 22 de setembro.

O patamar inédito foi atingido naquele pregão por conta do risco político no País. A preocupação com a crise fiscal brasileira dominava o mercado e a avaliação dos investidores era que o governo da então presidente, Dilma Rousseff, não seria capaz de passar ajustes no Congresso.

O dólar comercial é utilizado por empresas, bancos e governos para operações no mercado de câmbio, como transferências financeiras, exportações, importações, entre outros.

Já o dólar turismo é utilizado para viagens, transações de turismo no exterior e débitos em moeda estrangeira no cartão de crédito. Ele é mais caro pois é calculado com base no dólar comercial mais os custos das casas de câmbio com questões logísticas, administrativas e com seguro em caso de roubo, uma vez que as transações com dólar turismo são feitas em "dinheiro vivo". Já as transações com dólar comercial são feitas de forma eletrônica.

Assim como no câmbio, a Bolsa também enfrenta um dia difícil. As ações das companhias brasileiras negociadas na B3 seguem operando em prejuízo em relação ao último pregão e o Ibovespa, índice com os principais papéis do mercado local, opera em baixa.

Pesquisas eleitorais

O operador de câmbio e derivativos do banco Paulista Alberto Felix de Oliveira Neto diz que o cenário trazido pelas últimas pesquisas eleitorais - MDA e Ibope, nesta segunda-feira, 20 - ampara preocupações entre investidores sobre quem vai para o segundo turno na eleição presidencial. "O mercado teme o aumento das intenções de votos em Lula e o risco de transferência de votos do petista para Fernando Haddad. Bolsonaro e Haddad no segundo turno trazem grande desconforto aos investidores", afirma.

Na segunda-feira, a moeda americana fechou a R$ 3,9571 - a maior cotação desde 29 de fevereiro de 2016 (R$ 3,9984). Diante da persistente valorização, investidores mostram cautela em meio à desconfiança e comentários de que o Banco Central pode intervir para conter a escalada da moeda. Em alta em sete das últimas oito sessões, o dólar acumulou ganho de 5,12% ante o real no período até a segunda-feira.

Bolsa de Valores

Principal índice de ações do País, o Ibovespa marcou sucessivas mínimas a despeito das altas de seus pares no mercado dos Estados Unidos. "A Bolsa está acompanhando o estresse do mercado que ainda reverbera o resultado das pesquisas eleitorais que mostram Bolsonaro e o PT no segundo turno. É um movimento totalmente interno", disse Álvaro Bandeira, sócio e economista-chefe da ModalMais.

Às 16 horas, o Ibovespa perdia 1,44%, aos 75.248,66 pontos. A queda é generalizada nas ações que integram o índice. Ações preferenciais da Petrobrás e ordinárias do Banco do Brasil - termômetros eleitorais - recuavam 2,23% e 3,32%, respectivamente.

No exterior, as bolsas de Nova York avançam, com investidores na expectativa pela retomada do diálogo entre Estados Unidos e China, na quarta-feira. Os agentes também repercutem as críticas de Donald Trump à iniciativa do Federal Reserve (Fed, o banco central norte-americano) de apertar a política monetária.

Em entrevista à Reuters, o presidente afirmou não estar "emocionado" com os aumentos de juros do Fed, sugerindo que o BC norte-americano deveria suspender a normalização de sua política, enquanto ele implementa suas políticas protecionistas. (Com informações da Dow Jones Newswires)

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;