Fechar
Publicidade

Domingo, 18 de Novembro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Internacional

internacional@dgabc.com.br | 4435-8301

Presidente do Zimbábue culpa oposição pela violência que deixa ao menos 3 mortos

TSVANGIRAYI MUKWAZHI/ASSOCIATED PRESS/ESTADÃO CONTEÚDO Diário do Grande ABC - Notícias e informações do Grande ABC: Santo André, São Bernardo, São Caetano, Diadema, Mauá, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra

Partido de oposição afirmou estar "chocado" com o que aconteceu na capital Harare



01/08/2018 | 17:11


O presidente do Zimbábue, Emmerson Mnangagwa, culpou os partidários da oposição pela violência na capital, que começou com protestos contra os resultados eleitorais parlamentares divulgados nesta quarta-feira, 1º, e terminou em confrontos, com as forças armadas lançando gás lacrimogêneo e atirando contra os manifestantes. Ao menos três pessoas foram mortas.

Em declaração divulgada pela mídia estatal, Mnangagwa disse que a oposição, do candidato Nelson Chamisa, é a responsável pelo caos "que deve atrapalhar o processo eleitoral".

O partido de oposição Movimento pela Mudança Democrática (MDC) afirmou estar "chocado" com o que aconteceu na capital Harare. Um porta-voz do MDC disse que o grupo está preocupado. "Estamos seriamente querendo saber o que isso significa. Estamos em guerra?" A oposição ressaltou que condena a violência, em todas as suas formas.

O MDC e os grupos de observadores internacionais pediram que o resultado da eleição presidencial seja divulgado o mais rápido possível. A Comissão Eleitoral do Zimbábue disse que os resultados serão apresentados nesta quinta-feira, 2.

Uma ação de segurança foi colocada em prática depois que Exército e polícia ocuparam as ruas da capital para dispersar centenas de manifestantes. Segundo a porta-voz da polícia, Charity Charamba, o Exército foi convocado porque as forças policiais eram "incapazes de lidar" com a multidão.

Charity também acusou os manifestantes de "destruição maciça de propriedade". Enquanto isso, muitos zimbabuanos expressaram choque diante do fato de que os militares utilizaram munição contra a população desarmada.

Até o momento, três mortes foram confirmadas. Um dos corpos foi identificado como o de Ishmeil Kumeni, de 42 anos. Ele era um vendedor de rua e foi baleado.

Segundo o presidente do grupo Médicos de Zimbábue pelos Direitos Humanos, Brighton Chizhande, uma das mortes foi causada por um ferimento a bala próximo do coração, e relatos de outras quatro possíveis mortes são acompanhados.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.


Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;