Fechar
Publicidade

Quarta-Feira, 14 de Novembro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Economia

soraiapedrozo@dgabc.com.br | 4435-8057

Cesta básica da região sobe mais do que a inflação no 1º semestre

Tânia Rêgo/Agência Brasil Diário do Grande ABC - Notícias e informações do Grande ABC: Santo André, São Bernardo, São Caetano, Diadema, Mauá, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra

Dados da Craisa mostram variação de 3,56% entre janeiro e junho; INPC chegou a 2,57%


Yara Ferraz
do Diário do Grande ABC

28/07/2018 | 07:05


A cesta básica no Grande ABC registrou aumento maior do que a inflação neste ano. Enquanto, o INPC (Índice Nacional de Preços ao Consumidor) acumulado do primeiro semestre chegou a 2,57%, em junho. Já para o consumidor, comparando o primeiro e o sexto mês, o aumento foi de 3,56% na hora de pagar as compras no mercado.

O levantamento é feito pela Craisa (Companhia Regional de Abastecimento Integrado de Santo André) e considera a cotação de 34 itens. Apesar de o valor de junho ter chegado à maior alta do ano, custando média de R$ 617,09, por conta da greve dos caminhoneiros, que encareceu diversos produtos, hoje o consumidor ainda paga mais caro do que no início de 2018 (mais informações na arte acima). Atualmente, a cesta custa R$ 597,89, ou seja, R$ 20 a mais do que em janeiro.

A principal vilã no carrinho de supermercado foi a cebola, que registrou a maior alta neste ano. Em comparação com 2017, houve aumento de 48,51% no preço do produto, que no ano passado custava média de R$ 2,26 o quilo e agora chega a R$ 3,36.

Segundo o engenheiro da Craisa e coordenador da pesquisa, Fábio Vezzá De Benedetto, a variação do preço é causada por conta da ausência de planejamento agrícola no Brasil. “Em 2016, a cebola estava super cara e agora subiu de novo. É um problema de falta de planejamento, não só no Brasil, mas que também atinge a Argentina, que é o principal fornecedor quando não tem este produto no País. Quando o preço sobe, muita gente começa a plantar. Aí cai, e também diminui o plantio. São necessárias políticas de abastecimento para manter a produção adequada a demanda”, explicou. Ele ressaltou também que em alguns casos são os problemas climáticos os responsáveis pela elevação.

Além da cebola, a sardinha também teve alta (12,64%) e o leite de 11,54%. “Quanto ao leite, é normal aumentar de preço durante este período. Não chove tanto e o gado precisa ser alimentado com ração,porque o pasto é insuficiente para alimentar o rebanho. Então, a produção também cai.”

Em contrapartida, a principal queda em relação ao ano passado foi no feijão (-19,28%). O produto teve altas expressivas durante 2017, principalmente por conta das condições climáticas que atrapalharam as colheitas. “Agora esta questão já está normalizada com as novas safras.”

Entre altas e baixas, a tendência é que os preços se normalizem e o valor da cesta básica diminua no resto deste ano, principalmente em comparação com junho.

Apesar da pressão dos preços para cima do último mês, a média da cesta no primeiro semestre deste ano, que fica em R$ 574,38 é menor do que no mesmo período do ano passado (R$ 578,25).

A tendência é que não suba mesmo por conta da demanda fraca, já que os consumidores também deixam de comprar alguns itens por estarem com pouco dinheiro, a não ser que tenha algum problema climático. O governo também precisa ter cuidado para que não aconteça outro imprevisto, como foi a greve dos caminhoneiros, que pressionou os preços. Mas, normalmente nesta época do ano, não há nada que prejudique os preços dos alimentos básicos”, pontuou.  



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.


Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;