Fechar
Publicidade

Segunda-Feira, 6 de Dezembro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

internacional@dgabc.com.br | 4435-8301

Mugabe nao pedirá desocupaçao de fazendas no Zimbábue


Do Diário do Grande ABC

04/05/2000 | 10:49


O presidente zimbabuano, Robert Mugabe, continua enfrentando de peito aberto a comunidade internacional, se negando a ceder às pressoes pela desocupaçao das propriedades invadidas, o fim da violência e a realizaçao de eleiçoes legislativas livres e limpas. No lançamento de seu programa eleitoral para as legislativas, cuja data ainda nao foi anunciada, o chefe de Estado lançou duras críticas na quarta-feira à antiga potência colonial, chamando os britânicos de ``mentirosos'', ao se referir à ajuda prometida para a reforma agrária do Zimbábue.

Após articular sua campanha eleitoral na redistribuiçao das terras aos negros e na radicalizaçao das críticas a Londres, Mugabe tenta reforçar sua popularidade, seriamente atingida por uma crise econômica sem precedentes no país (50% de desemprego, 60% de inflaçao e pobreza de divisas). A oposiçao também faz da crise econômica seu cavalo de batalha.

Fora do país, a comunidade internacional continua pressionando Harare para que evacue as propriedades dos brancos, ocupadas desde fevereiro, ponha fim à violência (pelo menos 13 mortos) e organize eleiçoes legislativas livres.

Vários presidentes da Africa austral, entre eles Thabo Mbeki (Africa do Sul) e Joaquim Chissano (Moçambique), contactados por Londres, se reuniram recentemente com seu colega zimbabuano para pressioná-lo. Publicamente, anunciaram seu apoio ao presidente Mugabe e pediram a Londres que mantenha seus compromissos financeiros para a reforma agrária do país.

A Uniao Européia (UE), a comunidade britânica e a ONU também intervieram e alguns inclusive cogitaram a possibilidade de aplicar sançoes contra Harare. O Reino Unido anunciou, na quarta-feira, a suspensao da entrega de material militar ao Zimbábue. A Suécia pediu uma açao firme da UE, para acabar com a violência no país.

As sançoes podem acabar sendo um tiro pela culatra. A ministra das Relaçoes Exteriores da Suécia, Anna Lindh, disse que as sançoes podem reforçar a popularidade do presidente zimbabuano. ``Creio que o que Mugabe quer sao as sançoes. Ele quer ficar ilhado'' politicamente, declarou.

Lindh quer dizer, com isso, o que observadores políticos falam de Mugabe: contra as críticas e as pressoes, Mugabe quer aparecer como o campeao dos desfavorecidos, dos milhoes de ``sem-terras'' do país, contra os 4 mil fazendeiros brancos proprietários de 70% das melhores terras.

O chefe de Estado zimbababuano apoia as invasoes de fazendas promovidas por antigos combatentes da guerra da independência. Segundo ele, as invasoes e ocupaçoes sao ``simples manifestaçoes pacíficas''.

Nesta quarta-feira, Mugabe havia afirmado que seu governo nao havia previsto expulsar nenhum branco, mas que os que quiserem voltar para a Gra-Bretanha sao livers para fazê-lo.



Quer receber em primeira mão as notícias das sete cidades do Grande ABC?

Entre no nosso grupo de WhatsApp. 
Clique aqui.
 

Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.


Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;