Fechar
Publicidade

Domingo, 16 de Maio

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Cultura & Lazer

cultura@dgabc.com.br | 4435-8364

História para contar


Cristie Buchdid
Do Diário do Grande ABC

06/09/2010 | 07:37


Tesouros estão bem guardados e às vezes precisam de desbravadores para tirá-los do baú e entregar essa preciosidade às mãos de todos. Nessa história, as joias são artigos publicados entre as décadas de 1960 e 1980 no Diário que fazem análise da produção cultural do Grande ABC no período.

Durante um ano de intensa pesquisa, o professor Manuel Reis vasculhou arquivos do Banco de Dados do jornal, com apoio de Ademir Medici, que assina a coluna Memória, no Diário. O resultado é o livro A Crítica de Arte no ABC (Terceira Margem), coletânea de relevância indiscutível. Reis analisou todos os artigos que expressam conteúdo opinativo sobre diversas manifestações culturais e publicou de 10% a 20%.

Nas 368 páginas estão a essência do que foi produzido, assistido ou comentado no Grande ABC sobre música, teatro, artes plásticas, cinema, fotografia, literatura e dança. Selecionar os textos não foi trabalho dos mais fáceis. Só as críticas de cinema, eram mais de mil. "O foco regional foi, portanto, o critério inicial da escolha dos textos", como citam, na Introdução, Reis e o pesquisador de história cultural e integrante da Associação Brasileira de Críticos de Arte José Armando Pereira da Silva, que tem críticas teatrais no livro. "A seleção também se baseou na importância estratégica desses artigos, priorizando as instituições culturais locais. Uma das funções do livro é ajudar a preservar a memória cultural da região", completou Reis. Ele lembrou que na época, sem internet, a mídia impressa era a única referência: "O Diário era o principal veículo de divulgação da cultura do Grande ABC".

A professora Dilma de Melo Silva traça um panorama da obra: "Apresenta completa reedição da crítica de arte publicada [...]no Diário, visando mediar a produção cultural de São Paulo e das cidades da região [...]Temos, pois, três décadas de documentação do jornalismo cultural, resumindo textos de autores atualmente reconhecidos [...]".

Segundo Reis, o livro traz "a parte mais importante do movimento teatral amador do Grande ABC. Eventos de música, os principais salões e exposições de artes plásticas da região...", resumiu.

OS AUTORES

O livro reúne artigos assinados por 11 ex-colaboradores do Diário "que são grandes nomes de suas áreas", disse Reis.

O autor tem no livro 41 de suas críticas publicadas sobre fotografia, assunto que domina a ponto de ter ministrado aulas da disciplina na Universidade Metodista de São Paulo, em São Bernardo, e na Faculdade Domus, na Capital.

Entre os textos, destaque para matéria escrita, em 1983, pela editoria de Variedades A História da Região Através da Fotografia, sobre a mostra 25 Anos de Fotojornalismo, no Salão de Exposições do Centro Cívico de Santo André, para comemorar o Jubileu de Prata do jornal, hoje com 52 anos de atividades. As imagens retratavam assuntos como problemas urbanos, questões sociais e movimento sindical.

Profissionais de renome nacional têm seus textos publicados na obra, como o diretor de teatro e da TV Globo Ulysses Cruz, que comentou dança e teatro. Também estão presentes o crítico de arte Enock Sacramento, os jornalistas Fernando Rodrigues, Antonio Prada e Carlos Hee, e os professores Heitor Capuzzo e Sandra Reimão, além de Milton Andrade (ator e diretor teatral) e Dilson Marinho (ator e cantor), já falecidos.

"É um panorama pequeno, pelo ângulo da grande história; mas intenso e importante para aqueles que viveram esse período como produtores ou observadores do fenômeno arte. Especialmente se lembrarmos que nessa travessia estão incluídos os anos de regime militar, estabelecido com o golpe de 1964 e recrudescido em termos de exceção e repressão com o Ato Institucional nº 5, de 1968. A produção simbólica pelo que carrega de inovação, crítica, liberdade e insubmissão sempre esteve na mira da ditadura, e, mesmo se eximindo em manobras de sobrevivência..." Introdução, página 11



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

História para contar

Cristie Buchdid
Do Diário do Grande ABC

06/09/2010 | 07:37


Tesouros estão bem guardados e às vezes precisam de desbravadores para tirá-los do baú e entregar essa preciosidade às mãos de todos. Nessa história, as joias são artigos publicados entre as décadas de 1960 e 1980 no Diário que fazem análise da produção cultural do Grande ABC no período.

Durante um ano de intensa pesquisa, o professor Manuel Reis vasculhou arquivos do Banco de Dados do jornal, com apoio de Ademir Medici, que assina a coluna Memória, no Diário. O resultado é o livro A Crítica de Arte no ABC (Terceira Margem), coletânea de relevância indiscutível. Reis analisou todos os artigos que expressam conteúdo opinativo sobre diversas manifestações culturais e publicou de 10% a 20%.

Nas 368 páginas estão a essência do que foi produzido, assistido ou comentado no Grande ABC sobre música, teatro, artes plásticas, cinema, fotografia, literatura e dança. Selecionar os textos não foi trabalho dos mais fáceis. Só as críticas de cinema, eram mais de mil. "O foco regional foi, portanto, o critério inicial da escolha dos textos", como citam, na Introdução, Reis e o pesquisador de história cultural e integrante da Associação Brasileira de Críticos de Arte José Armando Pereira da Silva, que tem críticas teatrais no livro. "A seleção também se baseou na importância estratégica desses artigos, priorizando as instituições culturais locais. Uma das funções do livro é ajudar a preservar a memória cultural da região", completou Reis. Ele lembrou que na época, sem internet, a mídia impressa era a única referência: "O Diário era o principal veículo de divulgação da cultura do Grande ABC".

A professora Dilma de Melo Silva traça um panorama da obra: "Apresenta completa reedição da crítica de arte publicada [...]no Diário, visando mediar a produção cultural de São Paulo e das cidades da região [...]Temos, pois, três décadas de documentação do jornalismo cultural, resumindo textos de autores atualmente reconhecidos [...]".

Segundo Reis, o livro traz "a parte mais importante do movimento teatral amador do Grande ABC. Eventos de música, os principais salões e exposições de artes plásticas da região...", resumiu.

OS AUTORES

O livro reúne artigos assinados por 11 ex-colaboradores do Diário "que são grandes nomes de suas áreas", disse Reis.

O autor tem no livro 41 de suas críticas publicadas sobre fotografia, assunto que domina a ponto de ter ministrado aulas da disciplina na Universidade Metodista de São Paulo, em São Bernardo, e na Faculdade Domus, na Capital.

Entre os textos, destaque para matéria escrita, em 1983, pela editoria de Variedades A História da Região Através da Fotografia, sobre a mostra 25 Anos de Fotojornalismo, no Salão de Exposições do Centro Cívico de Santo André, para comemorar o Jubileu de Prata do jornal, hoje com 52 anos de atividades. As imagens retratavam assuntos como problemas urbanos, questões sociais e movimento sindical.

Profissionais de renome nacional têm seus textos publicados na obra, como o diretor de teatro e da TV Globo Ulysses Cruz, que comentou dança e teatro. Também estão presentes o crítico de arte Enock Sacramento, os jornalistas Fernando Rodrigues, Antonio Prada e Carlos Hee, e os professores Heitor Capuzzo e Sandra Reimão, além de Milton Andrade (ator e diretor teatral) e Dilson Marinho (ator e cantor), já falecidos.

"É um panorama pequeno, pelo ângulo da grande história; mas intenso e importante para aqueles que viveram esse período como produtores ou observadores do fenômeno arte. Especialmente se lembrarmos que nessa travessia estão incluídos os anos de regime militar, estabelecido com o golpe de 1964 e recrudescido em termos de exceção e repressão com o Ato Institucional nº 5, de 1968. A produção simbólica pelo que carrega de inovação, crítica, liberdade e insubmissão sempre esteve na mira da ditadura, e, mesmo se eximindo em manobras de sobrevivência..." Introdução, página 11

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;