Fechar
Publicidade

Sábado, 4 de Dezembro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

setecidades@dgabc.com.br | 4435-8319

Invasão de sem-teto se consolida em Guarulhos


Samir Siviero
Do Diário do Grande ABC

02/08/2003 | 17:20


O acampamento Anita Garibaldi, em Guarulhos, é o retrato de como pode ficar o terreno da Volkswagen, em São Bernardo, se a ocupação for consolidada. Invadida há dois anos e dois meses pelo mesmo MTST (Movimento dos Trabalhadores Sem-Teto), que ocupou o terreno da Volkswagen no Grande ABC, a área de Guarulhos tem 250 mil m², igualmente divididos em 1.870 lotes de 2 x 20 m, além de um espaço destinado a ações sociais no centro do acampamento e outro onde será construída uma horta comunitária. As casas são barracos de madeira e as 19 ruas, de terra. Mas o acampamento se transformou em um bairro com cerca de 7 mil pessoas e que tem cerca de 100 lotes destinados aos mais diferenciados tipos de comércio.

Antes de chegarem à situação que estão hoje, os moradores do Anita Garibaldi, que fica próximo à rodovia Presidente Dutra, passaram quatro meses dormindo em barracas de lona, da mesma forma que acontece em São Bernardo. As redes de água são clandestinas e a energia elétrica é puxada de postes próximos ao acampamento, mas a companhia que fornece a energia para Guarulhos já estuda a implementação de postes.

De acordo com um dos coordenadores do MTST em Guarulhos, Manoel Ribeiro Teixeira, 43 anos, conhecido como Moreno, a grande maioria dos moradores é desempregada e sobrevive vendendo papelões e latinhas de alumínio. "Por isso não temos condições de viver em outro lugar. Se formos despejados daqui, vamos ficar na rua."

Com farmácia, recepção, biblioteca, galpão para eventos e padaria, além dos comércios particulares à beira do acampamento, como tapeçaria, funilaria e oficina mecânica, entre outros, os coordenadores impedem a abertura de bares no meio da comunidade para evitar desentendimentos. As cerca de mil crianças do terreno freqüentam escolas de bairros próximos e uma sala na área social é utilizada para eventos artísticos e alfabetização de adultos.

Outro ponto importante no acampamento são as cerca de 50 casas utilizadas para cultos de diferentes religiões. Com toda essa estrutura montada, porém, a ocupação de Guarulhos, continua sub judice. A última informação que os coordenadores têm é que o proprietário do terreno, Cláudio Malva Valente, estaria disposto a vender a área, desde que houvesse o comprometimento de um órgão governamental, o que não aconteceu.

"Faz um mês que cheguei aqui, mas estou com a mesma disposição de lutar por essa terra que os demais. Para quem está desempregado, há dois anos encontrar um pedacinho de terra, é como estar no céu", disse o pedreiro Leone Santos Cerqueira, 42 anos, que com a esposa e quatro filhos, dorme no chão de um dos lotes.

Vivendo no terreno desde o início da invasão, a dona de casa Luciene Bento da Silva, 42 anos, conta que passou momentos de apreensão nos primeiros meses de ocupação. "Passamos quatro meses debaixo de lonas e aos poucos os barracos foram sendo construídos."

Invadido da mesma forma que o terreno de São Bernardo, o acampamento de Guarulhos teve 300 famílias no primeiro dia da ocupação, ocorrida em 19 de maio de 2001. "Em três dias tinham 5 mil famílias no terreno, mas aos poucos elas foram desistindo e fizemos o cadastro com 1,8 mil famílias", disse uma das coordenadoras, Isaura Tarraga, 46 anos.

A disposição das barracas do terreno de Guarulhos aconteceu da mesma forma que em São Bernardo. Primeiro, a área foi tomada de forma desordenada. Depois, foi feito um cadastro e o terreno acabou dividido em ruas com espaço definido para cada casa.

Despejados – Em terreno menor, com 180 mil m², cerca de 250 famílias estão acampadas em Osasco, também em ação do MTST. Apesar de ter invadido o primeiro terreno há um ano, esse grupo foi despejado de dois terrenos e agora está em uma área próxima à rodovia Raposo Tavares há quatro meses (leia reportagem abaixo).

A primeira invasão do MTST aconteceu em 1997 em Campinas, onde cerca de 5 mil pessoas vivem atualmente em casas de alvenaria, mas em terreno judicialmente irregular. No local, existem igrejas, postos de saúde e escola, mas a distribuição de água é improvisada. A energia elétrica foi instalada no ano passado. O local, porém, passa por um processo de favelização.



Quer receber em primeira mão as notícias das sete cidades do Grande ABC?

Entre no nosso grupo de WhatsApp. 
Clique aqui.
 

Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.


Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;