Fechar
Publicidade

Segunda-Feira, 27 de Maio

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Cultura & Lazer

cultura@dgabc.com.br | 4435-8364

'Foi a pior noite da minha vida', diz Pitty sobre o aborto

Denis Maciel/DGABC Diário do Grande ABC - Notícias e informações do Grande ABC: Santo André, São Bernardo, São Caetano, Diadema, Mauá, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra

Do Diário OnLine

19/10/2009 | 16:15


Em uma entrevista reveladora à revista TPM de outubro, a roqueira Pitty confessou que nunca usou drogas e que não é tão rebelde quanto parece.

"Já barbarizei muito. Mas nem foi de sexo e drogas. Era de não querer regras mesmo. Ficava mal de me sentir controlada. Aquela arrogância da adolescência. Ao mesmo tempo, não era idiota, não me metia em confusão. Nessa época descobri a maconha. A galera fumava, eu não tinha vontade. Achava ridículo. Se todo mundo fumava, queria ser do contra", afirmou.

Pitty também comentou sobre sua relação com o atual namorado Daniel Weksler, baterista do NX Zero, e falou que não esperava que o relacionamento fosse se tornar algo sério e que queria curtir sua fase de solteira. "Quando nos conhecemos eu tinha 28 e ele, 20. Foi num VMB, em 2006, numa noite em que eu tinha sido superpremiada".

"Menino bonito, bom papo, acabamos ficando juntos nessa noite, mas pra mim não ia passar disso. Estava pela primeira vez na vida solteira e pensava: ‘Agora vou barbarizar, botar pra f... Vou transar com todo mundo e beijar todas as bocas que aparecerem'. Mas não conseguia, não sou assim. E aí acordei no dia seguinte pensando no Daniel... Ele me ligou, a gente saiu e descobri que ele era muito mais que um menino bonitinho", completou.

A cantora também contou detalhes da noite em que sofreu um aborto espontâneo em 2007. "Fiz um show e, na volta, senti uma cólica. Quando cheguei em São Paulo vi que estava muito forte e pedi um ultrassom. Quando cheguei lá a moça falou: 'Não tem mais batimento'. Demorei para entender, não queria aceitar. Queria encontrar motivos. Foi a pior noite da minha vida", revelou.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

'Foi a pior noite da minha vida', diz Pitty sobre o aborto

Do Diário OnLine

19/10/2009 | 16:15


Em uma entrevista reveladora à revista TPM de outubro, a roqueira Pitty confessou que nunca usou drogas e que não é tão rebelde quanto parece.

"Já barbarizei muito. Mas nem foi de sexo e drogas. Era de não querer regras mesmo. Ficava mal de me sentir controlada. Aquela arrogância da adolescência. Ao mesmo tempo, não era idiota, não me metia em confusão. Nessa época descobri a maconha. A galera fumava, eu não tinha vontade. Achava ridículo. Se todo mundo fumava, queria ser do contra", afirmou.

Pitty também comentou sobre sua relação com o atual namorado Daniel Weksler, baterista do NX Zero, e falou que não esperava que o relacionamento fosse se tornar algo sério e que queria curtir sua fase de solteira. "Quando nos conhecemos eu tinha 28 e ele, 20. Foi num VMB, em 2006, numa noite em que eu tinha sido superpremiada".

"Menino bonito, bom papo, acabamos ficando juntos nessa noite, mas pra mim não ia passar disso. Estava pela primeira vez na vida solteira e pensava: ‘Agora vou barbarizar, botar pra f... Vou transar com todo mundo e beijar todas as bocas que aparecerem'. Mas não conseguia, não sou assim. E aí acordei no dia seguinte pensando no Daniel... Ele me ligou, a gente saiu e descobri que ele era muito mais que um menino bonitinho", completou.

A cantora também contou detalhes da noite em que sofreu um aborto espontâneo em 2007. "Fiz um show e, na volta, senti uma cólica. Quando cheguei em São Paulo vi que estava muito forte e pedi um ultrassom. Quando cheguei lá a moça falou: 'Não tem mais batimento'. Demorei para entender, não queria aceitar. Queria encontrar motivos. Foi a pior noite da minha vida", revelou.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;