Fechar
Publicidade

Sábado, 14 de Dezembro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Setecidades

setecidades@dgabc.com.br | 4435-8319

Acidente em churrascaria queima menino de 3 anos em São Caetano


Guilherme Russo
Do Diário do Grande ABC

08/03/2010 | 07:00


Uma refeição de domingo se transformou em tragédia por volta das 16h de ontem, em São Caetano. Um menino de 3 anos, que almoçava acompanhado da mãe e do namorado dela, teve 70% do corpo queimado depois que um garçom da Galeteria São Caetano, na altura do número 1.074 da Avenida Goiás, tentou encher de álcool em gel o fogareiro do réchaud que estava sobre a mesa. O rapaz usou uma garrafa com capacidade para seis litros do produto.

Tentando apagar as labaredas sobre o menino, a mãe acabou com ambas as mãos chamuscadas. As chamas se espalharam e o namorado dela sofreu queimaduras no rosto, no pescoço e nas mãos.

Gerente do restaurante, Daniel Salvador, 27, contou aos guardas-civis municipais que atenderam a ocorrência que a garrafa de álcool estava pela metade, com aproximadamente três litros do produto, quando o garçom tentou preencher o fogareiro.

Ao Diário, ele disse que pouco antes do acidente o namorado da mulher havia chamado o garçom, pois o fogareiro que aquecia porção de maminha havia se apagado. "Foi um acidente. A gente não sabe o que aconteceu. Foi tudo muito rápido", argumentou o gerente.

Salvador revelou que o desespero tomou conta dos clientes que estavam nas mesas da calçada, onde ocorreu o acidente. Segundo o gerente, as pessoas jogaram baldes com água e gelo sobre o menino. Um frequentador que tentou abafar as chamas teve a camisa incendiada.

Quando se deu conta do que acontecia, Salvador pegou um extintor do local e correu para fora para despejar o conteúdo em cima do menino. A atitude enfureceu o perito que analisou a cena do acidente. "Você é louco de jogar pó químico em cima de uma criança!", criticou o policial, nervoso pela possibilidade de intoxicação do menor.

O garoto foi levado ao pronto-socorro infantil do Hospital Márcia Braido em estado grave, de onde foi transferido no fim da tarde. Sua mãe e o namorado dela foram atendidos no Hospital de Emergências Albert Sabin.

A Polícia Civil abriu inquérito para investigar o acidente no DP Sede de São Caetano. O garçom preferiu não conversar com a reportagem. Ele não foi preso. Dois extintores vencidos e a garrafa de álcool foram apreendidos.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Acidente em churrascaria queima menino de 3 anos em São Caetano

Guilherme Russo
Do Diário do Grande ABC

08/03/2010 | 07:00


Uma refeição de domingo se transformou em tragédia por volta das 16h de ontem, em São Caetano. Um menino de 3 anos, que almoçava acompanhado da mãe e do namorado dela, teve 70% do corpo queimado depois que um garçom da Galeteria São Caetano, na altura do número 1.074 da Avenida Goiás, tentou encher de álcool em gel o fogareiro do réchaud que estava sobre a mesa. O rapaz usou uma garrafa com capacidade para seis litros do produto.

Tentando apagar as labaredas sobre o menino, a mãe acabou com ambas as mãos chamuscadas. As chamas se espalharam e o namorado dela sofreu queimaduras no rosto, no pescoço e nas mãos.

Gerente do restaurante, Daniel Salvador, 27, contou aos guardas-civis municipais que atenderam a ocorrência que a garrafa de álcool estava pela metade, com aproximadamente três litros do produto, quando o garçom tentou preencher o fogareiro.

Ao Diário, ele disse que pouco antes do acidente o namorado da mulher havia chamado o garçom, pois o fogareiro que aquecia porção de maminha havia se apagado. "Foi um acidente. A gente não sabe o que aconteceu. Foi tudo muito rápido", argumentou o gerente.

Salvador revelou que o desespero tomou conta dos clientes que estavam nas mesas da calçada, onde ocorreu o acidente. Segundo o gerente, as pessoas jogaram baldes com água e gelo sobre o menino. Um frequentador que tentou abafar as chamas teve a camisa incendiada.

Quando se deu conta do que acontecia, Salvador pegou um extintor do local e correu para fora para despejar o conteúdo em cima do menino. A atitude enfureceu o perito que analisou a cena do acidente. "Você é louco de jogar pó químico em cima de uma criança!", criticou o policial, nervoso pela possibilidade de intoxicação do menor.

O garoto foi levado ao pronto-socorro infantil do Hospital Márcia Braido em estado grave, de onde foi transferido no fim da tarde. Sua mãe e o namorado dela foram atendidos no Hospital de Emergências Albert Sabin.

A Polícia Civil abriu inquérito para investigar o acidente no DP Sede de São Caetano. O garçom preferiu não conversar com a reportagem. Ele não foi preso. Dois extintores vencidos e a garrafa de álcool foram apreendidos.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;