Fechar
Publicidade

Segunda-Feira, 17 de Fevereiro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Política

politica@dgabc.com.br | 4435-8391

Ex-secretário de Maggi vira réu por improbidade



20/12/2011 | 07:00


O juiz Luís Aparecido Bertolucci Júnior, da Vara Especializada de Ação Civil Pública e Ação Popular, aceitou ação civil pública por improbidade administrativa do Ministério Público Estadual (MPE) contra Vilceu Marchetti, que era secretário de Infraestrutura do ex-governador - e hoje senador - Blairo Maggi. Além disso, determinou a indisponibilidade de seus bens em R$ 26.365.000,00.

 

Segundo o promotor Mauro Zaque de Jesus, autor da ação, o patrimônio do ex-secretário aumentou de R$ 170 mil para R$ 26 milhões em cinco anos - entre 2005 e 2010, quando ele atuou como secretário de Estado.

 

O advogado de defesa de Marchetti, Ulisses Rabaneda, considera "completamente infundados" os argumentos do MPE. "São números irreais. Ele trabalhou por presunção", alegou, avisando que entrará com agravo de instrumento assim que receber a notificação.

 

O ex-secretário já responde a diversas ações civis públicas em que é acusado de improbidade administrativa - além de inquéritos policiais. Numa das ações, é acusado de ter favorecido a empresa Clautur Viagens e Turismo, na concessão de um linha de transportes intermunicipais. Em outra, é acusado de participar da fraude numa licitação para compra de máquinas. Em um dos inquéritos policiais é investigado por crime de lavagem de dinheiro, tendo como vítima o Estado de Mato Grosso. Existem outros cinco inquéritos policiais e ele responde ainda a uma ação popular junto à 1ª. Vara Federal.

 

O promotor Zaque não tem dúvidas do enriquecimento ilícito do ex-secretário. Segundo ele, seja em manobras de lavagem de dinheiro ou através de condutas criminosas , não há como sustentar tal patrimônio absurdamente elevado.

 

As punições contra o ex-secretário começaram em novembro, quando o Tribunal de Contas do Estado (TCE) o declarou inabilitado para o exercício de cargo na administração pública até 2016. A decisão foi por unanimidade.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Ex-secretário de Maggi vira réu por improbidade


20/12/2011 | 07:00


O juiz Luís Aparecido Bertolucci Júnior, da Vara Especializada de Ação Civil Pública e Ação Popular, aceitou ação civil pública por improbidade administrativa do Ministério Público Estadual (MPE) contra Vilceu Marchetti, que era secretário de Infraestrutura do ex-governador - e hoje senador - Blairo Maggi. Além disso, determinou a indisponibilidade de seus bens em R$ 26.365.000,00.

 

Segundo o promotor Mauro Zaque de Jesus, autor da ação, o patrimônio do ex-secretário aumentou de R$ 170 mil para R$ 26 milhões em cinco anos - entre 2005 e 2010, quando ele atuou como secretário de Estado.

 

O advogado de defesa de Marchetti, Ulisses Rabaneda, considera "completamente infundados" os argumentos do MPE. "São números irreais. Ele trabalhou por presunção", alegou, avisando que entrará com agravo de instrumento assim que receber a notificação.

 

O ex-secretário já responde a diversas ações civis públicas em que é acusado de improbidade administrativa - além de inquéritos policiais. Numa das ações, é acusado de ter favorecido a empresa Clautur Viagens e Turismo, na concessão de um linha de transportes intermunicipais. Em outra, é acusado de participar da fraude numa licitação para compra de máquinas. Em um dos inquéritos policiais é investigado por crime de lavagem de dinheiro, tendo como vítima o Estado de Mato Grosso. Existem outros cinco inquéritos policiais e ele responde ainda a uma ação popular junto à 1ª. Vara Federal.

 

O promotor Zaque não tem dúvidas do enriquecimento ilícito do ex-secretário. Segundo ele, seja em manobras de lavagem de dinheiro ou através de condutas criminosas , não há como sustentar tal patrimônio absurdamente elevado.

 

As punições contra o ex-secretário começaram em novembro, quando o Tribunal de Contas do Estado (TCE) o declarou inabilitado para o exercício de cargo na administração pública até 2016. A decisão foi por unanimidade.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;