Fechar
Publicidade

Sábado, 4 de Dezembro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

cultura@dgabc.com.br | 4435-8364

Festa das palavras


Luciane Mediato
Especial para o Diário

21/03/2011 | 07:37


A poesia é considerada por muitos como a arte plástica das palavras. Uma espécie de função social que desperta, liberta e traz os sentimentos para a consciência. Gênero literário que acompanha a evolução da humanidade desde Platão. Mas, em meio às redes sociais, televisão, cinema e tantos best-sellers lançandos, surge o debate sobre o papel desta arte na contemporaneidade.

E no Dia Internacional da Poesia, celebrado hoje, o doutor em literatura e professor da USP Jaime Ginzburg explica que o modo como vemos a poesia está ligado às duas grandes guerras mundiais: "Depois desses fatos houve um desencantamento da humanidade em sustentar um projeto literário. Neste período, se colocou em dúvida se poderíamos fazer algo para que a autodestruição acabasse."

Para reverter essa descrença na arte de escrever, alguns poetas fizeram com que as pessoas renovassem o papel da palavra. Eles deixaram os idealismos românticos e deram um toque de humanização nos textos. Um dos nomes em destaque desta transformação é o alemão Paul Celan autor de "Prisão da Palavra", trabalho no qual chama atenção para as dificuldades de conciliar a experiência humana com a linguagem. "Celan dizia que mesmo a poesia que ele escrevia, cinza como a decomposição da matéria, tinha que perdurar. Uma metáfora e uma mensagem à sociedade, que, mesmo após as grandes guerras, deve seguir", declara o professor.

Um dos poemas mais importantes de Paul Celan é "Fuga da Morte" que traz à linguagem e à consciência lírica o horror dos campos de concentração nazistas. Obra que desmentia os boatos de que depois Auschwitz não havia mais lugar para a poesia no mundo. "Esse poema é um poderoso apelo sobre os que se preocupam com a linguagem, principalmente a poética, que muitas vezes é marginalizada pela sociedade da tecnologia", diz Ginzburg.

No entanto, mesmo com essas mudanças no jeito de produzir a poesia, Ginzburg ressalta que o gênero é pouco conhecido. "Em uma sociedade de leitura rara os poemas não são a preferência. Isso é resultado da indústria da cultura de massa que trabalha com a percepção do imediato. A definição do gênero lírico precisa de contemplação. Os textos que tratam da interioridade fazem com que o leitor pense nele mesmo. A poesia provoca a humanização do ser humano".

Além de trabalhar a subjetividade, a poesia se destaca pelas múltiplas possibilidades que oferece. Um exemplo disso é a peculiaridade que ela ganha na América Latina, de raízes entrelaçadas à sua história de lutas sociais. "As obras latino-americanas têm caráter histórico muito forte de violência e perseguição política, o que contribui para textos de resistência à repressão e contestação à ordem vigente."

Autores que se destacam com obras contra a repressão no Brasil são: Carlos Drumond de Andrade, Mario de Andrade, Hilda Hilst e Guimarães Rosa.



Quer receber em primeira mão as notícias das sete cidades do Grande ABC?

Entre no nosso grupo de WhatsApp. 
Clique aqui.
 

Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.


Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;