Fechar
Publicidade

Domingo, 12 de Julho

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Esportes

esportes@dgabc.com.br | 4435-8384

Gilmar Fubá supera câncer e vai ajudar a descobrir talentos no Corinthians



25/05/2017 | 06:15


Gilmar "Fubá" está de volta ao Corinthians. O ex-volante que atuou entre 1995 e 2000 foi contratado nesta semana para integrar o departamento de captação de atletas na base. Depois de marcar época pelo estilo vigoroso e a força física - seu apelido vem do ingrediente da sua mamadeira quando era criança, pois sua mãe não tinha dinheiro para comprar leite - agora vai dar palpite nos novos talentos do clube de Parque São Jorge.

Segundo Fernando Yamada, gerente geral do departamento, ele ficará responsável por avaliar jovens na Grande São Paulo e outros Estados. Ele vai trabalhar ao lado de Marcio Bittencourt, observador técnico, e Adil, que vai atuar em Belo Horizonte. Todos são ex-jogadores do clube.

É injusto afirmar que Gilmar de Lima Nascimento era apenas um "armário". Ele também se destacou pela capacidade de marcação quando os times não abriam mão de um cão de guarda na frente da zaga. Sua função era desarmar e tocar de lado. Jogando assim, foi bastante útil no elenco bicampeão brasileiro em 1998/1999 e no Mundial de Clubes da Fifa de 2000. Esteve em campo 131 vezes, marcando apenas quatro gols naquele time que tinha Vampeta, Rincón, Edílson e Marcelinho.

Voltar ao Corinthians também significa superação pessoal para Gilmar Fubá. Meses antes de ser contratado, os amigos divulgaram fotos nas redes sociais para informar os fãs sobre as sessões de quimioterapia a que vinha sendo submetido.

Gilmar Fubá está se recuperando bem de um mieloma múltiplo, um tipo de câncer de medula óssea. Ele descobriu a doença ainda em 2016, já em estágio avançado, por conta de uma pneumonia. No início do tratamento, ele passou 40 dias internado no hospital São Luiz, em São Paulo. O ex-zagueiro Batata e o ex-volante Vampeta, hoje presidente do Audax, ajudaram na arrecadação de fundos para ajudar no tratamento do eterno companheiro.

Sempre bem humorado, o ex-jogador de 41 anos chegou a gravar um vídeo para agradecer o apoio dos torcedores e brincou com o fato de ter a doença, lembrando que os atores Reinaldo Gianecchini e o Edson Celulari também foram afetados por linfomas. "Esse tipo de doença só dá em cara bonito", afirmou.

Antes da contratação, a equipe master do clube alvinegro, capitaneada pelo meia Neto, organizava um amistoso para que a bilheteria ajudasse a financiar os medicamentos e o tratamento. Os sintomas típicos da doença são dores ósseas, anemia e problemas renais. São comuns infecções que aproveitam a fragilidade do sistema imunológico. A doença é considerada grave e sem cura, mas o tratamento retarda a evolução do quadro.

Gilmar Fubá contou aos amigos que foi difícil aceitá-la no começo, logo após o diagnóstico, mas que decidiu levar uma vida normal e "dar alegria para o povo". Durante o Campeonato Paulista, ele visitou o estádio Itaquerão para acompanhar um jogo diante do Santos, ainda na primeira fase do torneio. Os amigos contam que ele chorou. E não por causa da vitória por 1 a 0.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Gilmar Fubá supera câncer e vai ajudar a descobrir talentos no Corinthians


25/05/2017 | 06:15


Gilmar "Fubá" está de volta ao Corinthians. O ex-volante que atuou entre 1995 e 2000 foi contratado nesta semana para integrar o departamento de captação de atletas na base. Depois de marcar época pelo estilo vigoroso e a força física - seu apelido vem do ingrediente da sua mamadeira quando era criança, pois sua mãe não tinha dinheiro para comprar leite - agora vai dar palpite nos novos talentos do clube de Parque São Jorge.

Segundo Fernando Yamada, gerente geral do departamento, ele ficará responsável por avaliar jovens na Grande São Paulo e outros Estados. Ele vai trabalhar ao lado de Marcio Bittencourt, observador técnico, e Adil, que vai atuar em Belo Horizonte. Todos são ex-jogadores do clube.

É injusto afirmar que Gilmar de Lima Nascimento era apenas um "armário". Ele também se destacou pela capacidade de marcação quando os times não abriam mão de um cão de guarda na frente da zaga. Sua função era desarmar e tocar de lado. Jogando assim, foi bastante útil no elenco bicampeão brasileiro em 1998/1999 e no Mundial de Clubes da Fifa de 2000. Esteve em campo 131 vezes, marcando apenas quatro gols naquele time que tinha Vampeta, Rincón, Edílson e Marcelinho.

Voltar ao Corinthians também significa superação pessoal para Gilmar Fubá. Meses antes de ser contratado, os amigos divulgaram fotos nas redes sociais para informar os fãs sobre as sessões de quimioterapia a que vinha sendo submetido.

Gilmar Fubá está se recuperando bem de um mieloma múltiplo, um tipo de câncer de medula óssea. Ele descobriu a doença ainda em 2016, já em estágio avançado, por conta de uma pneumonia. No início do tratamento, ele passou 40 dias internado no hospital São Luiz, em São Paulo. O ex-zagueiro Batata e o ex-volante Vampeta, hoje presidente do Audax, ajudaram na arrecadação de fundos para ajudar no tratamento do eterno companheiro.

Sempre bem humorado, o ex-jogador de 41 anos chegou a gravar um vídeo para agradecer o apoio dos torcedores e brincou com o fato de ter a doença, lembrando que os atores Reinaldo Gianecchini e o Edson Celulari também foram afetados por linfomas. "Esse tipo de doença só dá em cara bonito", afirmou.

Antes da contratação, a equipe master do clube alvinegro, capitaneada pelo meia Neto, organizava um amistoso para que a bilheteria ajudasse a financiar os medicamentos e o tratamento. Os sintomas típicos da doença são dores ósseas, anemia e problemas renais. São comuns infecções que aproveitam a fragilidade do sistema imunológico. A doença é considerada grave e sem cura, mas o tratamento retarda a evolução do quadro.

Gilmar Fubá contou aos amigos que foi difícil aceitá-la no começo, logo após o diagnóstico, mas que decidiu levar uma vida normal e "dar alegria para o povo". Durante o Campeonato Paulista, ele visitou o estádio Itaquerão para acompanhar um jogo diante do Santos, ainda na primeira fase do torneio. Os amigos contam que ele chorou. E não por causa da vitória por 1 a 0.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;