Fechar
Publicidade

Sábado, 8 de Agosto

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Cultura & Lazer

cultura@dgabc.com.br | 4435-8364

Investigação na casa de Prince revelou diversas embalagens com analgésico opioide, diz site



18/04/2017 | 00:11


Em abril do ano passado, o mundo perdeu Prince, um dos maiores artistas do mundo da música. Além de triste, sua morte é cercada de mistérios até hoje, com uma investigação mais detalhada ainda tentando esclarecer o que realmente houve, principalmente porque remédios a mais podem ter ajudado a tirar sua vida.

Agora, foi revelado que dias após sua morte, Prince teve sua casa em Chanhassen, Minnesota, investigada. Na procura, foram descobertas diversas pílulas brancas que estavam com uma etiqueta escrita Watson 853, que continham Hidrocodona-acetaminofeno, segundo informações da Us Weekly. O medicamento é considerado um analgésico opioide, algo que pode ser ainda mais forte que morfina, por exemplo.

Os documentos, que foram revelados nessa segunda-feira, dia 17, ainda indicavam que Prince recentemente tinha um passado de passar por diversas recaídas as quais se acredita ser o resultado do abuso de medicamentos prescritos. Além dessas embalagens com as pílulas foram encontrados sacos plásticos com envelopes de remédios e a informação de que um guarda-costas do músico escrevia as prescrições para ele também foi divulgada.

Inclusive, um dia antes da morte de Prince, esse guarda-costas havia comprado medicamentos em uma farmácia local. O Dr. Michael Schulenberg revelou à polícia que havia prescrito Oxycodone para o astro no dia em que ele sofreu uma overdose durante uma viagem em seu jatinho particular, uma semana antes de morrer, e esses pedidos médicos estavam sob o nome do guarda-costas.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Investigação na casa de Prince revelou diversas embalagens com analgésico opioide, diz site


18/04/2017 | 00:11


Em abril do ano passado, o mundo perdeu Prince, um dos maiores artistas do mundo da música. Além de triste, sua morte é cercada de mistérios até hoje, com uma investigação mais detalhada ainda tentando esclarecer o que realmente houve, principalmente porque remédios a mais podem ter ajudado a tirar sua vida.

Agora, foi revelado que dias após sua morte, Prince teve sua casa em Chanhassen, Minnesota, investigada. Na procura, foram descobertas diversas pílulas brancas que estavam com uma etiqueta escrita Watson 853, que continham Hidrocodona-acetaminofeno, segundo informações da Us Weekly. O medicamento é considerado um analgésico opioide, algo que pode ser ainda mais forte que morfina, por exemplo.

Os documentos, que foram revelados nessa segunda-feira, dia 17, ainda indicavam que Prince recentemente tinha um passado de passar por diversas recaídas as quais se acredita ser o resultado do abuso de medicamentos prescritos. Além dessas embalagens com as pílulas foram encontrados sacos plásticos com envelopes de remédios e a informação de que um guarda-costas do músico escrevia as prescrições para ele também foi divulgada.

Inclusive, um dia antes da morte de Prince, esse guarda-costas havia comprado medicamentos em uma farmácia local. O Dr. Michael Schulenberg revelou à polícia que havia prescrito Oxycodone para o astro no dia em que ele sofreu uma overdose durante uma viagem em seu jatinho particular, uma semana antes de morrer, e esses pedidos médicos estavam sob o nome do guarda-costas.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;