Fechar
Publicidade

Terça-Feira, 14 de Julho

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Cultura & Lazer

cultura@dgabc.com.br | 4435-8364

Sangue rentável


Ângela Corrêa
Do Diário do Grande ABC

13/04/2010 | 07:01


A arrebatadora história de amor entre uma adolescente mortal e um vampiro que agradou em cheio a leitores carentes de doses gigantescas de melodrama, só poderia ter sido um tiro certeiro de um gigante do mercado editorial, certo? A resposta é negativa, se falarmos da série Crepúsculo, lançada em 2005. A autora, Stephenie Meyer, 36 anos, gerou os personagens após um sonho, dois anos antes da primeira publicação. Até aquele momento, nunca havia escrito uma linha. Se ocupava em cuidar do marido e de três filhos pequenos no interior do Arizona, seguindo a educação tradicional que recebeu dos pais, mórmons.

Esses e outros aspectos da mulher comum que se transformou no principal fenômeno editorial da década não passaram incólumes pelo jornalista Marc Shapiro, que escreveu Stephenie Meyer - A Biografia Não-Autorizada da Criadora da Saga ‘Crepúsculo' (Editora Jardim dos Livros, R$ 29,90, 208 páginas).

Shapiro é especialista em biografias de celebridades. Tem mais de dez publicadas. Entre elas, a da britânica J.K. Rowling, mãe de Harry Potter e, agora, milionária. Como qualquer obra do tipo escrita sem a colaboração, ele baseou-se em centenas de entrevistas e aparições de Stephenie para divulgar os livros Crepúsculo, Lua Nova. Eclipse e Amanhecer. Os quatro títulos venderam juntos mais de 90 milhões de exemplares.

O autor parte do ponto em que, já reconhecida por sua obra, a autora demonstra os primeiros sinais de cansaço diante de tanta pressão por sucesso. A partir daí, desenrola a trajetória da menina que, como Bella, a mocinha de sua saga, não era exemplo de popularidade no colégio.

Embora os pais tivessem uma visão progressista, ela e os irmãos tinham de submeter os discos a uma censura prévia. A Universidade lhe garantiu, além do diploma em Literatura Inglesa, o primeiro contato com o rock (Stephenie costuma escrever enquanto ouve a bandas como Muse, Smashing Pumpkins e Interpol).

O curso ampliou o olhar da garota, mas não fez com que abandonasse os preceitos religiosos. Casou-se virgem aos 21 anos e tornou-se dona-de-casa. Além da visão livre de sexo que conferiu a seus romances, sua visão ingênua lhe rendeu problemas. Pouco antes do lançamento de Eclipse, emprestou o valioso manuscrito a um parente. Logo, dezenas de cópias circulavam pela cidade, para desespero de sua editora.

 Bisneto se escora em sobrenome
Mais de 120 anos após o lançamento, o romance Drácula, do irlandês Bram Stoker (1847 - 1912), ganha suspeita continuação, "baseada em anotações do próprio autor", legadas a sua família. Drácula, o Morto-Vivo (Editora Ediouro, R$ 49,90, 448 páginas).

A autoria do romance é dividida pelo sobrinho-bisneto do autor, Dacre Stoker, e pelo roteirista Ian Holt, especializado no personagem dentuço imortalizado na obra do Stoker-tio (e, nos anos 1990, na adaptação de Francis Ford Coppola para as telonas).

Para esta sequência, o herdeiro Holt e Dacre criaram personagem que constaria nas anotações de Stoker: a condessa húngara Elizabeth de Bathory, conhecida por seus métodos cruéis. Dr. Van Helsing e a mocinha Mina Harker, originais do primeiro livro, também voltam.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Sangue rentável

Ângela Corrêa
Do Diário do Grande ABC

13/04/2010 | 07:01


A arrebatadora história de amor entre uma adolescente mortal e um vampiro que agradou em cheio a leitores carentes de doses gigantescas de melodrama, só poderia ter sido um tiro certeiro de um gigante do mercado editorial, certo? A resposta é negativa, se falarmos da série Crepúsculo, lançada em 2005. A autora, Stephenie Meyer, 36 anos, gerou os personagens após um sonho, dois anos antes da primeira publicação. Até aquele momento, nunca havia escrito uma linha. Se ocupava em cuidar do marido e de três filhos pequenos no interior do Arizona, seguindo a educação tradicional que recebeu dos pais, mórmons.

Esses e outros aspectos da mulher comum que se transformou no principal fenômeno editorial da década não passaram incólumes pelo jornalista Marc Shapiro, que escreveu Stephenie Meyer - A Biografia Não-Autorizada da Criadora da Saga ‘Crepúsculo' (Editora Jardim dos Livros, R$ 29,90, 208 páginas).

Shapiro é especialista em biografias de celebridades. Tem mais de dez publicadas. Entre elas, a da britânica J.K. Rowling, mãe de Harry Potter e, agora, milionária. Como qualquer obra do tipo escrita sem a colaboração, ele baseou-se em centenas de entrevistas e aparições de Stephenie para divulgar os livros Crepúsculo, Lua Nova. Eclipse e Amanhecer. Os quatro títulos venderam juntos mais de 90 milhões de exemplares.

O autor parte do ponto em que, já reconhecida por sua obra, a autora demonstra os primeiros sinais de cansaço diante de tanta pressão por sucesso. A partir daí, desenrola a trajetória da menina que, como Bella, a mocinha de sua saga, não era exemplo de popularidade no colégio.

Embora os pais tivessem uma visão progressista, ela e os irmãos tinham de submeter os discos a uma censura prévia. A Universidade lhe garantiu, além do diploma em Literatura Inglesa, o primeiro contato com o rock (Stephenie costuma escrever enquanto ouve a bandas como Muse, Smashing Pumpkins e Interpol).

O curso ampliou o olhar da garota, mas não fez com que abandonasse os preceitos religiosos. Casou-se virgem aos 21 anos e tornou-se dona-de-casa. Além da visão livre de sexo que conferiu a seus romances, sua visão ingênua lhe rendeu problemas. Pouco antes do lançamento de Eclipse, emprestou o valioso manuscrito a um parente. Logo, dezenas de cópias circulavam pela cidade, para desespero de sua editora.

 Bisneto se escora em sobrenome
Mais de 120 anos após o lançamento, o romance Drácula, do irlandês Bram Stoker (1847 - 1912), ganha suspeita continuação, "baseada em anotações do próprio autor", legadas a sua família. Drácula, o Morto-Vivo (Editora Ediouro, R$ 49,90, 448 páginas).

A autoria do romance é dividida pelo sobrinho-bisneto do autor, Dacre Stoker, e pelo roteirista Ian Holt, especializado no personagem dentuço imortalizado na obra do Stoker-tio (e, nos anos 1990, na adaptação de Francis Ford Coppola para as telonas).

Para esta sequência, o herdeiro Holt e Dacre criaram personagem que constaria nas anotações de Stoker: a condessa húngara Elizabeth de Bathory, conhecida por seus métodos cruéis. Dr. Van Helsing e a mocinha Mina Harker, originais do primeiro livro, também voltam.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;