Fechar
Publicidade

Terça-Feira, 27 de Julho

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Setecidades

setecidades@dgabc.com.br | 4435-8319

Começa urbanização
no Sítio Joaninha

População da área mais precária de Diadema comemora a
chegada do asfalto e das redes de abastecimento e energia


Natália Fernandjes
Do Diário do Grande ABC

24/09/2012 | 07:00


Finalmente teve início processo de urbanização na área mais precária de Diadema. Desde a última semana, as cerca de 520 famílias do Sítio Joaninha, loteamento irregular localizado na região do Eldorado, observam o começo de concretização de sonho antigo e que já estava quase esquecido.

Basta caminhar pelas ruas de terra por menos de cinco minutos para constatar os diversos problemas enfrentados diariamente pela comunidade do local. Não há saneamento e as ligações de água e energia elétrica só são possíveis graças aos famosos ‘gatos'. Assistência médica, escola, acesso ao banco e mercado ficam longe, meia hora após caminhada.

Orlando Filho

"Teremos um endereço", comemora a copeira Clarice Pita dos Santos, 49 anos. A moradora da área há mais de 18 anos acredita que o fim do sofrimento de uma vida inteira está próximo. "Nossas crianças terão um lugar melhor e mais oportunidades", diz.

A promessa é de que as obras de infraestrutura e construção de moradias - divididas em duas etapas - sejam concluídas em 2015. As melhorias são fruto de projeto de R$ 22 milhões, sendo R$ 8 milhões contrapartida municipal e o restante oriundos do PAC (Programa de Aceleração do Crescimento).

Demorou cerca de cinco anos para que a Prefeitura recebesse autorização da Cetesb (Companhia Ambiental do Estado de São Paulo) para execução de obras emergenciais. Conforme explica o secretário de Habitação e Desenvolvimento Urbano, Milton Nakamura, o licenciamento ambiental definitivo depende de resolução de entrave acerca da titularidade do terreno. "Além de estar em área de manancial, o espaço foi loteado de forma irregular" conclui.

A primeira parte das intervenções prevê melhorias de infraestrutura, como pavimentação, ligações de água e esgoto, drenagem, contenção de encostas e eliminação de áreas de risco. Cerca de 70 famílias já foram removidas e aguardam a conclusão do projeto em auxílio-aluguel. Está previsto para começar no primeiro semestre de 2013 a edificação de 200 moradias de 48 metros quadrados, além de melhorias nas demais 320.

Passados dois anos do fim das obras, o Sítio Joaninha passará por processo de regularização fundiária para que seus moradores recebam a titularidade definitiva de propriedade dos lotes. "Finalmente teremos posse daquilo que compramos enganados e que nunca tivemos", destaca o líder comunitário Erondino Cardoso.

 

Obras no loteamento Iguassu serão retomadas em janeiro

Paralisadas há três meses, as obras de urbanização do loteamento Iguassu, em Diadema, só deverão ser retomadas no começo de 2013, após ser realizada nova licitação para contratação de empreiteira.

O espaço, também localizado em área de manancial, foi o primeiro a começar a receber reestruturação no sistema viário e melhorias de infraestrutura previstas para as 130 famílias, em abril de 2011. No entanto, a empresa responsável pela execução dos serviços não deu continuidade ao trabalho.

A expectativa é de que novo processo licitatório demore cerca de quatro meses, segundo o secretário de Habitação e Desenvolvimento Urbano, Milton Nakamura. A conclusão do trabalho se dará após dez meses de sua retomada.

COMPLEXO CAVIÚNA

Também tiveram início, na última semana, melhorias de infraestrutura, reestruturação do sistema viário, além de intervenções em áreas de risco no Complexo Caviúna, na região do Inamar. A área, que reúne loteamentos como União e Ayrton Senna, concentra cerca de 1.800 famílias.

A estimativa é de que as obras demorem cerca de dois anos para serem concluídas. "Essa já foi uma área urbanizada, então só precisaremos melhorar as condições", destaca Nakamura.

O projeto de urbanização das duas áreas de mananciais de Diadema foi fruto de parceria com o governo federal, por meio do PAC (Programa de Aceleração do Crescimento). Do investimento de R$ 23,6 milhões, cerca de R$ 7 milhões são oriundos de contrapartida do município.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.


Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;