Fechar
Publicidade

Domingo, 8 de Dezembro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Política

politica@dgabc.com.br | 4435-8391

Kiko manda investigar contratos para construção do Teleférico e Parque Temático de Ribeirão Pires

Celso Luiz/DGABC  Diário do Grande ABC - Notícias e informações do Grande ABC: Santo André, São Bernardo, São Caetano, Diadema, Mauá, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra

Paço abre sindicância para apurar acordos firmados por antecessor


Júnior Carvalho
Do Diário do Grande ABC

27/03/2018 | 07:00


O governo do prefeito de Ribeirão Pires, Adler Kiko Teixeira (PSB), abriu sindicância interna para apurar contratos celebrados pelo antecessor, Saulo Benevides (MDB), relacionados às construções do Teleférico e do Parque Temático Fordlândia, projetos suspeitos de irregularidades e que nunca saíram do papel. Ambos foram abortados posteriormente pela atual gestão.

No montante total de R$ 25 milhões, dois acordos assinados pela administração de Saulo, um com a empresa suíça Rowena AG e outro com a VRH Construtora, de Ribeirão, entraram na mira das investigações. A comissão é formada por servidores nomeados por Kiko. A abertura das averiguações ocorreu ainda em janeiro, mas na semana passada o Paço de Ribeirão editou as portarias e trocou os integrantes. Ao Diário, a Prefeitura justificou que a mudança se deu porque um dos escolhidos inicialmente para participar das investigações havia feito parte do desenvolvimento do projeto do Teleférico. “A substituição deste integrante se dá para que não haja vícios no processo de apuração”, alegou o Paço, por meio de nota.

Embora o governo fale em apenas um participante, dois nomes foram trocados das comissões. Servidora de carreira, Marizélia Plenas Martins da Silva presidirá os trabalhos. No ano passado, ela foi afastada de sua função de origem e nomeada em cargo comissionado na Secretaria de Administração e Modernização, chefiada por Adriano Dias Campos. O secretário responde na Justiça por supostamente ter avalizado pagamentos a empresas ligadas a um vereador, em Campos do Jordão, onde também era secretário.

Essa mesma suspeita paira sobre o contrato realizado pelo governo de Saulo com a VRH Construtora. A empreiteira é administrada por Victor Rodrigues Hamada, filho do ex-vereador Gilson Hamada (PRP). Segundo dados do Portal da Transparência, a construtora recebeu R$ 1,6 milhão do Paço de Ribeirão Pires entre 2015 e 2016, em diversos contratos, relacionados ao Parque Temático e à recuperação de calçadas do município.

Custeadas com recursos dos governos federal e estadual e promessa de campanha de Saulo Benevides no processo eleitoral de 2012, as obras do Teleférico foram iniciadas em 2015, no entanto, pouco avançaram. No último ano do governo do emedebista, as intervenções paralisaram de vez, como constatou o Diário à época. Assim que assumiu a Prefeitura, Kiko abortou o projeto, alegando que, além de o valor das intervenções ser alto, registrou diversas falhas, como a falta de licenciamentos essenciais de órgãos públicos, como a Cetesb (Companhia Ambiental do Estado de São Paulo) e a CPTM (Companhia Paulista de Trens Metropolitanos). 



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Kiko manda investigar contratos para construção do Teleférico e Parque Temático de Ribeirão Pires

Paço abre sindicância para apurar acordos firmados por antecessor

Júnior Carvalho
Do Diário do Grande ABC

27/03/2018 | 07:00


O governo do prefeito de Ribeirão Pires, Adler Kiko Teixeira (PSB), abriu sindicância interna para apurar contratos celebrados pelo antecessor, Saulo Benevides (MDB), relacionados às construções do Teleférico e do Parque Temático Fordlândia, projetos suspeitos de irregularidades e que nunca saíram do papel. Ambos foram abortados posteriormente pela atual gestão.

No montante total de R$ 25 milhões, dois acordos assinados pela administração de Saulo, um com a empresa suíça Rowena AG e outro com a VRH Construtora, de Ribeirão, entraram na mira das investigações. A comissão é formada por servidores nomeados por Kiko. A abertura das averiguações ocorreu ainda em janeiro, mas na semana passada o Paço de Ribeirão editou as portarias e trocou os integrantes. Ao Diário, a Prefeitura justificou que a mudança se deu porque um dos escolhidos inicialmente para participar das investigações havia feito parte do desenvolvimento do projeto do Teleférico. “A substituição deste integrante se dá para que não haja vícios no processo de apuração”, alegou o Paço, por meio de nota.

Embora o governo fale em apenas um participante, dois nomes foram trocados das comissões. Servidora de carreira, Marizélia Plenas Martins da Silva presidirá os trabalhos. No ano passado, ela foi afastada de sua função de origem e nomeada em cargo comissionado na Secretaria de Administração e Modernização, chefiada por Adriano Dias Campos. O secretário responde na Justiça por supostamente ter avalizado pagamentos a empresas ligadas a um vereador, em Campos do Jordão, onde também era secretário.

Essa mesma suspeita paira sobre o contrato realizado pelo governo de Saulo com a VRH Construtora. A empreiteira é administrada por Victor Rodrigues Hamada, filho do ex-vereador Gilson Hamada (PRP). Segundo dados do Portal da Transparência, a construtora recebeu R$ 1,6 milhão do Paço de Ribeirão Pires entre 2015 e 2016, em diversos contratos, relacionados ao Parque Temático e à recuperação de calçadas do município.

Custeadas com recursos dos governos federal e estadual e promessa de campanha de Saulo Benevides no processo eleitoral de 2012, as obras do Teleférico foram iniciadas em 2015, no entanto, pouco avançaram. No último ano do governo do emedebista, as intervenções paralisaram de vez, como constatou o Diário à época. Assim que assumiu a Prefeitura, Kiko abortou o projeto, alegando que, além de o valor das intervenções ser alto, registrou diversas falhas, como a falta de licenciamentos essenciais de órgãos públicos, como a Cetesb (Companhia Ambiental do Estado de São Paulo) e a CPTM (Companhia Paulista de Trens Metropolitanos). 

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;