Fechar
Publicidade

Domingo, 16 de Fevereiro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Setecidades

setecidades@dgabc.com.br | 4435-8319

Sem iluminação, usuários correm risco ao circular pela Via Anchieta

Celso Luiz/DGABC  Diário do Grande ABC - Notícias e informações do Grande ABC: Santo André, São Bernardo, São Caetano, Diadema, Mauá, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra

Postes de luz, removidos para obras entre o km 18 e o km 23, serão recolocados apenas em outubro


Daniel Macário
Do Diário do Grande ABC

18/09/2018 | 07:00


Atualizada às 15h 

A falta de iluminação entre o km 18 e o km 23 da Via Anchieta, em São Bernardo, amplia o risco de acidentes para motoristas que trafegam pelo trecho diariamente. A escuridão do viário – que recebe 70 mil veículos por dia –, segundo usuários, ocorre desde o início do ano, quando os postes da rodovia no local foram retirados durante obra de construção de nova marginal. Embora a intervenção tenha sido concluída no fim do mês passado, o restabelecimento da iluminação só deverá ser concluído no fim de outubro.

A prazo foi confirmado ontem pela Ecovias, responsável pelo SAI (Sistema Anchieta-Imigrantes). Segundo a concessionária, os serviços de religamento da iluminação já foram iniciados pela Eletropaulo. A empresa realiza escavações para a implantação dos postes de energia na área.

A equipe do Diário percorreu o trecho na noite de ontem. Segundo usuários ouvidos, a falta da iluminação tem comprometido a segurança do viário. “Eles não poderiam ter liberado a via sem a iluminação. Prejudica muito a visão das placas e dos ciclistas que geralmente circulam pelo acostamento”, relata o caminhoneiro Luiz Paulo da Silva, 48 anos, ao sugerir que a Ecovias seja responsabilizada por eventuais acidentes. “Se alguém morrer aqui, a empresa precisa ser punida.”

Moradores que utilizam pontos de ônibus da Via Anchieta também relatam medo em consequência da falta de iluminação. Em alguns trechos, os usuários precisam adentrar na pista para serem vistos pelos motoristas dos coletivos. “Eles sequer recolocaram a estrutura do ponto de ônibus. Quando o coletivo vem, precisamos nos arriscar para que eles nos vejam”, relata o orçamentista Marcelo Bernardes, 49, que diariamente faz uso da parada localizada no km 21 da rodovia.

No trecho citado pelo morador, existe ainda acúmulo de sujeira à beira do acostamento, local onde foi erguida passarela para a comunidade. “Essa passagem já era um perigo, depois da obra ficou pior por conta da falta de iluminação. Todos os dias tenho que ir buscar minha mulher do outro lado da passarela por conta da insegurança”, afirma o aposentado Benedito Torres, 60.

Por meio de nota, a Artesp (Agência de Transporte do Estado de São Paulo) informou que tem acompanhado o serviço executado pela Ecovias. A empresa disse que o prazo de religamento da energia na Via Anchieta é até o dia 30 de outubro. A agência afirma ainda que a responsabilidade pela instalação dos postes é da Eletropaulo. “Todos os encargos relacionados com a remoção e a reinstalação da iluminação já foram pagos pela concessionária Ecovias.”

Procurada, a Eletropaulo confirmou o prazo dado pela Ecovias e disse que, no momento,  "está implantado os postes e luminárias que foram removidos de treco da Via Anchieta".

 

Nova marginal amplia capacidade de tráfego de veículos da rodovia

 

Entregue com três meses de atraso, no dia 31 de agosto, a nova marginal Norte da Via Anchieta, em São Bernardo, colaborou para a ampliação do tráfego de veículos na rodovia, que liga a Capital ao Litoral paulista, passando pelo Grande ABC.

Com investimento de R$ 84,9 milhões, a nova configuração da rodovia passou a oferecer, entre o km 18 e km 23, cinco faixas voltadas para São Paulo – três na marginal e duas na central – e seis faixas na direção de Santos – quatro na pista marginal e duas na central, na região de maior movimentação em todo o SAI (Sistema Anchieta-Imigrantes).

As obras fazem parte das obrigações contratuais estabelecidas entre a Ecovias e o governo do Estado de São Paulo, sob regulação da Artesp (Agência de Transporte do Estado de São Paulo).

“O tráfego melhorou bastante, principalmente perto do km 18, na saída para Diadema, onde tinha muito trânsito de veículos no fim da tarde”, relata o taxista Adalberto Nunes, 59 anos.  



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Sem iluminação, usuários correm risco ao circular pela Via Anchieta

Postes de luz, removidos para obras entre o km 18 e o km 23, serão recolocados apenas em outubro

Daniel Macário
Do Diário do Grande ABC

18/09/2018 | 07:00


Atualizada às 15h 

A falta de iluminação entre o km 18 e o km 23 da Via Anchieta, em São Bernardo, amplia o risco de acidentes para motoristas que trafegam pelo trecho diariamente. A escuridão do viário – que recebe 70 mil veículos por dia –, segundo usuários, ocorre desde o início do ano, quando os postes da rodovia no local foram retirados durante obra de construção de nova marginal. Embora a intervenção tenha sido concluída no fim do mês passado, o restabelecimento da iluminação só deverá ser concluído no fim de outubro.

A prazo foi confirmado ontem pela Ecovias, responsável pelo SAI (Sistema Anchieta-Imigrantes). Segundo a concessionária, os serviços de religamento da iluminação já foram iniciados pela Eletropaulo. A empresa realiza escavações para a implantação dos postes de energia na área.

A equipe do Diário percorreu o trecho na noite de ontem. Segundo usuários ouvidos, a falta da iluminação tem comprometido a segurança do viário. “Eles não poderiam ter liberado a via sem a iluminação. Prejudica muito a visão das placas e dos ciclistas que geralmente circulam pelo acostamento”, relata o caminhoneiro Luiz Paulo da Silva, 48 anos, ao sugerir que a Ecovias seja responsabilizada por eventuais acidentes. “Se alguém morrer aqui, a empresa precisa ser punida.”

Moradores que utilizam pontos de ônibus da Via Anchieta também relatam medo em consequência da falta de iluminação. Em alguns trechos, os usuários precisam adentrar na pista para serem vistos pelos motoristas dos coletivos. “Eles sequer recolocaram a estrutura do ponto de ônibus. Quando o coletivo vem, precisamos nos arriscar para que eles nos vejam”, relata o orçamentista Marcelo Bernardes, 49, que diariamente faz uso da parada localizada no km 21 da rodovia.

No trecho citado pelo morador, existe ainda acúmulo de sujeira à beira do acostamento, local onde foi erguida passarela para a comunidade. “Essa passagem já era um perigo, depois da obra ficou pior por conta da falta de iluminação. Todos os dias tenho que ir buscar minha mulher do outro lado da passarela por conta da insegurança”, afirma o aposentado Benedito Torres, 60.

Por meio de nota, a Artesp (Agência de Transporte do Estado de São Paulo) informou que tem acompanhado o serviço executado pela Ecovias. A empresa disse que o prazo de religamento da energia na Via Anchieta é até o dia 30 de outubro. A agência afirma ainda que a responsabilidade pela instalação dos postes é da Eletropaulo. “Todos os encargos relacionados com a remoção e a reinstalação da iluminação já foram pagos pela concessionária Ecovias.”

Procurada, a Eletropaulo confirmou o prazo dado pela Ecovias e disse que, no momento,  "está implantado os postes e luminárias que foram removidos de treco da Via Anchieta".

 

Nova marginal amplia capacidade de tráfego de veículos da rodovia

 

Entregue com três meses de atraso, no dia 31 de agosto, a nova marginal Norte da Via Anchieta, em São Bernardo, colaborou para a ampliação do tráfego de veículos na rodovia, que liga a Capital ao Litoral paulista, passando pelo Grande ABC.

Com investimento de R$ 84,9 milhões, a nova configuração da rodovia passou a oferecer, entre o km 18 e km 23, cinco faixas voltadas para São Paulo – três na marginal e duas na central – e seis faixas na direção de Santos – quatro na pista marginal e duas na central, na região de maior movimentação em todo o SAI (Sistema Anchieta-Imigrantes).

As obras fazem parte das obrigações contratuais estabelecidas entre a Ecovias e o governo do Estado de São Paulo, sob regulação da Artesp (Agência de Transporte do Estado de São Paulo).

“O tráfego melhorou bastante, principalmente perto do km 18, na saída para Diadema, onde tinha muito trânsito de veículos no fim da tarde”, relata o taxista Adalberto Nunes, 59 anos.  

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;